Home / Listas / 9 Fatos Surpreendentes Sobre Sanguessugas

9 Fatos Surpreendentes Sobre Sanguessugas

As sanguessugas têm uma má reputação, mas a verdade é que elas são muito legais depois que você as conhece melhor – e nós descobrimos mais sobre elas todos os dias. Recentemente, o Museu Nacional de História Natural dos Estado Unidos fez um estudo mais profundo sobre essas criaturas pouco convencionais. Liderada por Anna Phillips, que é a curadora de minhocas parasitas do Museu, a pesquisa descobriu novas espécies de sanguessugas no pântano de Maryland.

Encontradas, a princípio, em água doce, as sanguessugas são muito parecidas com uma lesma bem escura. A utilização deste animal para fins medicinais começou na Índia, há cerca de 2.500 anos! Pouco depois o Ocidente, principalmente na Grécia antiga, descobriu suas utilidades e começou a usá-la para os mesmos propósitos. Acreditava-se que elas poderiam curar de dor de cabeça à hemorroida, por exemplo, e justamente por não causar nenhum desconforto nos seus hospedeiros, o tratamento se tornou popular. Estes procedimentos atravessaram a Idade Média e chegaram ao século 19. Nesta época, acredite se quiser, os hospitais de Paris chegaram a usar até 6 milhões de sanguessugas para retirar 300 mil litros de sangue por ano dos seus pacientes!

Vamos conhecer mais sobre elas?

1. Sanguessugas Estão em Todos os Lugares

Todos os continentes do Planeta têm sanguessugas, até na Antártica que, mesmo não tendo as sanguessugas que existem nos outros sete continentes, a Antártica guarda em seu território as sanguessugas marinhas! Humanos têm co-existido com elas por muito tempo, tanto tempo que todas as línguas que já existiram na história da humanidade possuem uma palavra para se referir a elas.

Sanguessugas
Sanguessugas

2. Nem Todas as Sanguessugas Chupam Sangue

As espécies hematófagas, ou seja, as que se alimentam de sangue, são, na verdade, apenas um tipo de sanguessuga. O que acontece é que a grande maioria das espécies é sim hematófaga, mas depende do ambiente em que elas estão. Na América do Norte, por exemplo, há mais sanguessugas de água doce (que não se alimentam de sangue) do que as que são completamente hematófagas. É mito, também, que as que se alimentam, necessariamente, de sangue, não estão nem um pouco interessadas em sangue humano, propriamente dito. Claro que elas farão isso caso tenham a oportunidade, mas não é o objetivo final das buscas por alimento.

3. Elas Podem Ficar Bem Grande

Aqui no Brasil, mais especificamente na Amazônia, existe a sanguessuga gigante (Haementeria ghilianii) que pode crescer até 45 centímetros e vive durante 20 anos! E sim, esta espécie se alimenta exclusivamente de sangue. Assim como todas as outras espécies hematófagas, a H. ghilianii se prende como parasitas em seus hospedeiros, bebe seu sangue e, quando está satisfeita, se solta. Os cientistas pensavam que as espécies estavam extintas até que um zoologista encontrou duas sanguessugas em 1970 e até deu o nome para uma delas: Grandma Moses.

4. Reprodução

Assim como todas as minhocas, as sanguessugas são todas hermafroditas. As especificidades do acasalamento variam de acordo com a espécie, mas a maioria se entrelaça e troca pacotes de espermatozoides. No vídeo a seguir, as duas sanguessugas são nomeadas Norbet e estão no processo de reprodução:

5. Elas São Surpreendentemente Bons Pais

Eles depositam os ovos, os cobrem com seu próprio corpo e os abanam para impedir que fungos ou bactérias os atinjam. Quando os ovos eclodem, eles se prendem aos pais. Eles não estão se alimentando deles, por mais que pareça, estão apenas se agarrando. Quando o filhote de sanguessuga acompanha os pais para a próxima refeição de sangue ele é carregado pelos seus pais, que os ensinam como fazer e os protegem nas primeiras vezes que fazem o processo. Esse é um cuidado parental bastante profundo, especialmente para invertebrados.

6. Sanguessugas Podem Ser Ótimas Iscas

Pescadores afirmam que sanguessugas se move muito mais do que qualquer outra isca utilizada. De acordo com eles, não existe uma isca melhor, não importa em qual lugar do mundo você esteja. Existe, inclusive, uma indústria que fornece aos pescadores esse tipo de isca. Em um ano específico, as condições climáticas impediram que as sanguessugas aparecessem em seus habitats naturais, o que impediu que essa indústria as distribuísse para pesca. Este ano foi considerado o pior pesadelo da indústria da pesca.

7. As Pesquisas Científicas

O Museu Nacional de História Natural dos Estado Unidos coleta e faz estudos com sanguessugas selvagens. Muitos desses cientistas e pesquisadores se usam como iscas, isso mesmo, iscas de sanguessugas para atraí-las e retirá-las do ambiente para serem estudadas e catalogadas. Elas não chegam a se alimentarem dos pesquisadores, com algumas exceções que são inevitáveis, mas na maioria das vezes elas apenas se grudam na pele e eles já conseguem retirá-las.

Sanguessugas
Sanguessugas

8. A Volta Para a Medicina

A sangria feita por sanguessugas caiu em desuso com os médicos ocidentais depois do século 19, mas isso não significa que elas estejam desfrutando de uma aposentadoria confortável e aconchegante em seu habitat natural. Hoje, os cirurgiões as mantêm ao alcance nas salas de operação para serem utilizadas como mini-aspiradores. De acordo com especialistas este é um uso muito sensato das sanguessugas. Agora, existem outras utilizações que não são muito recomendáveis como, por exemplo, o uso para livrar pessoas do seu “sangue ruim”. Assim como não existe um sangue ruim, não é possível que as sanguessugas livre pessoas dele.

9. O Descobrimento de Novas Espécies

Mesmo vivendo lado a lado com sanguessugas por milhares de anos, ainda temos muito a aprender sobre elas. Os cientistas estão cientes de cerca de 700 espécies diferentes, mas têm certeza que ainda há muito mais por aí. O conselho é que, caso você de depare com uma, seja paciente, observe o animal, identifique as cores, os padrões, o tamanho. Essas constatações podem ser extremamente úteis para as pesquisas científicas. Já pensou na possibilidade de você ser o próximo descobridor de uma nova espécie de sanguessugas?

FONTES:

https://super.abril.com.br/mundo-estranho/para-que-servem-os-sanguessugas/

https://www.mentalfloss.com/article/76821/10-juicy-facts-about-leeches

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.