Home / Listas / 4 Principais Fatos Sobre o Megalodon, o Maior Tubarão do Mundo

4 Principais Fatos Sobre o Megalodon, o Maior Tubarão do Mundo

Para quem se interessa pelo mundo animal, já sabe que uma das principais características dos animais pré históricos era o seu tamanho. Naquela época, praticamente todo ser vivo que vivia na terra tinha grandes proporções. Bom, não só na terra. Milhões de anos atrás, os mares eram habitados por um tubarão de estatura assustadora, ele era conhecido como Megalodon. A boa notícia é que ele está extinto, então você não precisa se preocupar em de repente se deparar com ele enquanto estiver curtindo uma praia. Pelo menos é o que a maioria dos cientistas acreditam. Outros, porém, crêem que na verdade ele ainda está vivo, mas está se escondendo nas regiões mais profundas do oceano. Será? Isso só o futuro poderá nos dizer com certeza. 

Seu nome científico é Carcharocles Megalodon, que significa “dente gigante”, e não é à toa. A dentição do animal achada comprovada que estes eram três vezes maiores que o do tubarão-branco. Ou seja, ele botava medo não só no tamanho do seu corpo, como nas proporções da sua mandíbula. 

Gigante dos mares: o Megalodonte 

  1. Sua extinção 

Megalodonte 
Megalodonte

Apesar de muitas teorias confirmaram a existência desse bicho atualmente, com Hollywood, digamos, colocando mais lenha na fogueira com o filme “The Meg”, lançado em 2018, os cientistas afirmam que ele não mais existe, mas a data exata da sua extinção ainda é um mistério para a ciência, isso porque o fóssil da espécie encontrado está incompleto, o que acaba dificultando a descoberta de certo detalhes, como o período certo do seu sumiço. 

Porém, em 2014, um grupo de pesquisadores da Universidade de Zurique estudou ossos fossilizados do animal usando uma técnica chamada de estimativa linear, que daria uma boa ideia da idade dessa estrutura. Segundo eles, os fósseis achados são datados da época entre o Mioceno médio e o plioceno, ou seja, 15,9 a 2,6 milhões de anos atrás. Para se ter ideia, segundo registros do Museu de Paleontologia da Universidade da Califórnia, o primeiro ancestral do Homo sapiens só surgiu apenas 2,5 milhões de anos atrás. Ou seja, esse tubarão já estava aqui antes mesmo da raça humana sequer pensar em existir.  

E lembra que comentamos que existem teorias de que esse bicho ainda estaria vivo. Os dados desse estudo apontou que a chance de isso acontecer é de 6 em 10.000 simulações, ou seja, 1%. Por causa disso, a sociedade afirma que esta história é só mais uma lenda urbana e que essa espécie se foi há muito tempo. 

  1. Grandão dos mares  

Megalodonte 
Megalodonte

Mesmo sendo considerado um dos maiores animais que já existiu, os pesquisadores ainda divergem sobre seu tamanho real. Alguns acreditam que esse indivíduo media algo em torno de 18 metros de comprimento, já outros crêem em uma estatura maior, cerca de 25 metros, o que seria muito mais provável, de acordo com o Enciclopédia Britânica. 

Nenhum dos seres vivos, hoje, chegaria perto disso, mesmo o temido tubarão-branco, que alcança os 6 m. Nem o tubarão-baleia, com seus quase 10 metros. 

A sociedade científica acredita nisso pois as análises são baseadas nos dentes desses seres, que são gigantescos. Mas, Marty Becker, professor de ciências ambientais da Universidade William Peterson, não crê nisso. Especializado em estudos paleontológicos de tubarões, o pesquisador afirma que o Megalodon estaria mais próximo dos 10 metros de comprimento. 

Aliás, essa dentição deu muito pano para manga. Com 17,8 centímetros de comprimento, quando foi encontrado pela primeira vez na Europa Ocidental, as pessoas acreditaram se tratar de línguas de serpentes petrificados, e por isso recebeu o nome de “pedras na língua”. 

Apesar do fóssil desse bicho não ter sido achado inteiro, a quantidade de dentes desenterrados é incrível e já foram descobertos em todo mundo, sendo muito valorizados pelos colecionadores desses artigos. Inclusive, uma amostra pode ser facilmente comprada na internet. Seria um bom souvenir, não acham? 

  1. Seu habitat 

Megalodonte 
Megalodonte

Como os dinossauros, ele também gostava de locais quentes, por isso sua área de caça se concentrava nos mares rasos e quentes que cobriam grande parte do planeta terra. Tanto que restos de dentição foram achados em todos os continentes, menos, adivinhem só? Na Antártica. É provável que eles sumiram justamente quando esses secaram e a era do gelo começou, com a água sendo trancada nas polos. Isso teria feito o tubarão morrer de fome ou congelado por causa da temperatura. 

  1. Membro do topo da cadeia alimentar 

Megalodonte 
Megalodonte

O Megalodon era um predador e estava no topo da cadeia alimentar. Isso porque ele consumia outros grande mamíferos marinhos, como golfinhos e até mesmo baleias. Segundo a Discovery, inclusive outros tubarões teriam feito parte da sua dieta. 

Pesquisadores acreditam que ele primeiro atacava na área da barbatana, seguindo para a cauda, impedindo que as presas nadassem para longe e escapassem de suas garras, ou melhor dizendo, de seus dentes. O conjunto de 276 destes, serrilhados, era uma ótima ferramenta de caça. E não era só isso que era potente nesse grandão, a sua mordida em si era muito forte. Enquanto os humanos têm uma força de 1,317 newtons, o do megalodonte variava entre 108.514 a 182.201 newtons.  

Muitos crêem que um dos motivos pela extinção do tubarão foi o fato dele não conseguir caçar em águas frias sua principal refeição, as baleias. Pois eles não tinham a capacidade de termorregular sua temperatura. Bom, se observamos o clima de antigamente, faz muito sentido. Inclusive, muitos da comunidade científica também apontam o clima como fator primordial para a extinção dos dinossauros, que também viviam em um ambiente de altas temperaturas, ao invés de somente terem sofrido com as consequências do meteoro que atingiu a terra. 

A verdade é que o campo da paleontologia desses animais pré históricos ainda é um mistério para nós. A boa notícia é que a probabilidade de novos fósseis serem descobertos é muito grande, o que pode trazer novas informações. Sem contar que muitos achados ainda estão sendo estudos. Sendo assim, daqui duas semanas ou dois anos, novos dados podem elucidar grandes dúvidas que cercam esse universo misterioso e igualmente fascinante. E você, acredita que o Megalodon sumiu ou ele está nas profundezas dos mares, apenas esperando sua oportunidade para se revelar para a humanidade? 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *