Home / Listas / 20 Fatos e Curiosidades Sobre Pinguins

20 Fatos e Curiosidades Sobre Pinguins

Os pinguins sempre tiveram seu espaço nos programas de animais, nos zoológicos, nos desenhos animados e na nossa imaginação quando pensamos na Antártica, por exemplo. Pinguins são aves, mas aves que não voam. São encontrados na Antártida, Nova Zelândia, sul do continente africano, Austrália e algumas encostas de países da América do Sul como a Argentina, por exemplo.

São animais que se alimentam de crustáceos, moluscos, peixes e até pequenos animais marinhos. Eles são criaturas monocromáticas, não existem pinguins coloridos! Eles podem viver por longos 35 anos e seu peso varia entre 3 e 35kgs. São animais extremamente mansos e só atacam quando algum outro animal se aproxima de seus ovos ou filhotes. Nunca gratuitamente. Os papais e mamães pinguins se ajudam tanto no cuidado com o ovo, quanto na criação dos seus filhos. Fofo, não é? Que tal descobrirmos mais algumas coisas sobre nossos animaizinhos gelados? Separamos 20 fatos curiosos sobre os pinguins que você vai adorar!

Pinguins
Pinguins

20 Curiosidades

  1. Todas as 17 espécies de pinguins são encontradas exclusivamente no hemisfério sul.
  2. Os pinguins Gentoo é a espécie mais rápida dentre todas. Eles conseguem alcançar impressionantes 35 km/h nadando nos oceanos gelados.
  3. A coloração marcante de um pinguim é uma questão de camuflagem; de cima, suas costas negras se misturam às profundezas escuras do oceano. De baixo, sua barriga branca está escondida contra a superfície brilhante.
  4. Os pinguins Imperadores são os mais altos dentre todos, chegando a quase 1 metro e meio de altura. Já os menores pinguins, chamados Pequenos Pinguins Azuis, medem apenas 40 centímetros.
  5. Os pinguins ingerem muita água do mar enquanto procuram peixes, mas uma glândula especial atrás dos olhos, a glândula supra-orbital, filtra a água salgada da corrente sanguínea. Os pinguins o excretam pelo bico ou quando espirram.
  6. Os fósseis dos parentes mais antigo dos pinguins são datados há cerca de 60 milhões de anos, o que significa que o ancestral dos pinguins que vemos hoje sobreviveu à extinção em massa dos dinossauros.
  7. Todas as espécies de pinguins, exceto duas, se reproduzem em grandes colônias de até mil aves.
  8. Da mesma forma, a maioria das espécies também é fiel ao local exato de nidificação, retornando frequentemente ao mesmo viveiro em que nasceram durante toda a sua vida.
  9. Esta curiosidade pode variar de acordo com a espécie, mas muitos pinguins se acasalam com o mesmo membro da temporada de sexo oposto em quase todas as temporadas de acasalamento.
  10. Em algumas espécies, é o pinguim macho que incuba os ovos enquanto as fêmeas saem para caçar por semanas seguidas. Por causa disso, os homens gordurosos – com armazenamento de gordura suficiente para sobreviver semanas sem comer – são os mais desejáveis na escolha de um parceiro.
  11. Os pais de pinguins – homens e mulheres – cuidam de seus filhotes por vários meses até que os filhotes sejam fortes o suficiente para caçar por conta própria.
  12. Se o bebê de uma fêmea do pinguim-imperador morrer, a fêmea tem o costume de sequestrar um filho de outros pinguins!
  13. O primeiro relato publicado de pinguins vem de Antonio Pigafetta, que estava a bordo da primeira circunavegação do mundo por Ferdinand Magalhães no ano de 1520. Eles avistaram os animais perto do que provavelmente era Punta Tombo na Argentina, e os chamaram de “gansos estranhos”. Este foi o primeiro avistamento de pinguins na história.
  14. Apesar de não conseguimos enxergar nenhuma orelha nos pinguins, a realidade é que eles têm excelente audição e com as chamadas distintas dos seus parceiros, eles conseguem identificar exatamente onde estão quando retornam aos locais de reprodução, que são sempre extremamente lotados de outros pinguins.
  15. Antes do primeiro avistamento que se tornou oficial, em 1520, como mencionamos no item 14, uma descrição anônima no diário da viagem de Vasco da Gama em 1497 ao redor do Cabo da Boa Esperança faz menção a pássaros que não voam do tamanho de patos. O que bate com as conhecidas características dos pinguins e faz sentido para uma pessoa que vivia nesta época.
  16. Ao contrário da maioria dos mamíferos marinhos, que dependem da gordura para se aquecer, os pinguins sobrevivem porque suas penas prendem uma camada de ar quente ao lado da pele que serve como isolamento, especialmente quando começam a gerar calor muscular nadando ao redor. Outra tática conhecida é o agrupamento, algumas espécies de pinguins tendem a ficar muito próximo um dos outros na tentativa de gerar ainda mais calor corporal e dividi-lo entre os outros membros do grupo.
  17. Por não estarem acostumados ao perigo de animais em solo sólido, os pinguins selvagens não demonstram nenhum medo particular dos turistas humanos, o que torna relativamente fácil tirar fotografias, catalogá-los e estudá-los.
  18. No século 16, a palavra pinguim realmente se referia a grandes auks (nome científico: Pinguinus impennis), uma espécie agora extinta que habitava os mares no leste do Canadá. Quando os exploradores viajaram para o Hemisfério Sul, viram pássaros em preto e branco que se assemelhavam a auks. É daí que vem o nome que conhecemos hoje, os fofos e monocromáticos pinguins.
  19. Ao contrário da maioria dos pássaros – que perdem e substituem algumas penas de cada vez – os pinguins mudam de uma só vez, passando duas ou três semanas em terra firme, enquanto passam pelo que é chamado de muda catastrófica.
  20. Algumas espécies criam ninhos para os ovos com seixos e penas soltas. Os pinguins-imperador são uma exceção: eles incubam um único ovo a cada estação de reprodução no em cima de seus pés. Sob uma dobra solta da pele, há uma área sem penas com uma concentração de vasos sanguíneos que mantém o ovo quente mesmo nas altas temporadas de inverno.
Pinguins
Pinguins

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.