Home / Listas / 14 Fatos Sobre o Ornitorrinco

14 Fatos Sobre o Ornitorrinco

A natureza está cheia de animais que parecem personagens saídos direto de um conto de fadas. Com certeza você pensa isso do ornitorrinco, certo? Esse mamífero tem pelo, cauda de castor e patas e bico de pato, como se eles fossem uma mistura desses dois bichos em um só. Mas não, essas características características, únicas, desse ser. 

  1. Uma farsa!

Por causa dessa mistureba toda de traços, quando os primeiros exemplares e até desenhos foram achados, estes foram levados para a Europa para serem estudados pelos cientistas britânicos, pois muitos acreditavam se tratar de uma farsa, um indivíduo que foi costurado com as partes de outros. Mas logo descobriram que se tratava de um ser verdadeiro, mas com características singulares. 

  1. Australiano 

O ornitorrinco é um ser endêmico da Austrália, sendo visto somente por lá. Ele é encontrado em pequenos córregos e rios nos Estados de Queensland, Nova Gales do Sul, Tasmânia e Victoria. 

Ornitorrinco
Ornitorrinco
  1. Mamífero que põe ovos? 

Sabe aquele ditado que sua mãe sempre diz: você não é todo mundo? O maior exemplo disso é o este bicho. Como se sabe, os mamíferos fazem parte da categoria onde os bebês já nascem vivos, como acontece com o seres humanos. Mas não o ornitorrinco, ele é um dos únicos dois membros do grupo do monotremados que ao invés de fazer esse processo, bota ovos. O segundo membro é a equidna, outra criatura bem diferentona. As mamães geram de dois a quatro zigotos, que são incubados por cerca de duas semanas. 

  1. Fofinho, mas venenoso 

Com uma aparência tão diferente assim, é normal ficar curioso com relação a ele, mas tenha cuidado. Os machos tem em seus tornozelos esporões super venenosos, que são capazes de matar pequenos seres, como o cachorro. Não é letal para nós, mas causa grande incômodo, como uma dor intensa que pode durar semanas a fio. Eu prefiro evitar, de qualquer forma. 

Ornitorrinco
Ornitorrinco
  1. Tamanho, tempo de vida e predador 

O macho costuma ser maior que a fêmea. Este mede até 50 centímetros, enquanto a parceira alcança os 43 cm de comprimento. Seu peso varia de um a 2,4 quilogramas. Apesar de ter um tamanho razoável, segundo fósseis encontrados de seus antepassados, esses seriam gigantes, tendo o dobro da estatura que eles têm atualmente. O que, inclusive, é algo bem comum no reino animal.
Na natureza, pode chegar aos 12 anos.
Ele é caçado por cobras, ratos aquáticos, crocodilos, falcões, águias e corujas. 

  1. Nadador exímio

Apesar de parecer pouco, ele consegue ficar 30 segundos submerso procurando por comida, até que tenha que subir a superfície para respirar. 

Quando mergulham, seus olhos, nariz e seus ouvidos se fecham. E como ele caça assim? Simples, ele se guia pela sua eletrorrecepção, cavando o fundo do rio com o bico para sentir o campo eletromagnético de suas presas, como insetos, vermes e camarões de água doce. Isso dá a criatura uma espécie de sexto sentido. 

Normalmente, faz isso durante a noite ou assim que o crepúsculo chega, mas pode ser ativo em dias nublados.
Como não come na água, ele tem uma bolsa nas bochechas para transportar a comida de volta à terra. O indivíduo é capaz de comer cerca de 20% do seu próprio peso.  

Ornitorrinco
Ornitorrinco
  1. Dorminhoco 

Como são bichos da noite, passam grande parte do dia dormindo, cerca de 14 horas, mais ou menos. Super dorminhocos. 

  1. Caça

Por causa da sua pele, o ser foi muito caçado durante o século XX. Mas, atualmente, é protegido em seu país de origem. 

  1. Símbolo australiano 

Por só ser encontrado na região, o animal se tornou símbolo da Austrália. Em Nova Gales, ele é o bicho representante no Estado. No país, ele é visto na moeda de 20 centavos e foi mascote dos eventos nacionais da área. 

Ornitorrinco
Ornitorrinco
  1. Não tem estômago 

Pois é, esse esquisitão não tem estômago. Ao invés disso, ele apresenta um esôfago que está diretamente conectado com o seu intestino.
Segundo cientistas, eles não só perderam estes, como também os genes necessários para ter um com a evolução. O que quer dizer que, daqui há milhares de anos, mesmo que ele evolua, nunca terá esse órgão. 

  1. Sem mamilo 

Como todo mamífero, a fêmea alimenta seu bebê com leite, porém, tem um detalhe: ela não tem mamilo. Então, como isso acontece? Bom, ao invés do líquido sair dessa região, ele se encontra em dutos de gland mamária em seu abdômen, onde os filhotes se posicionam e sugam a comida. 

  1. Melhor na água do que na terra

Mesmo vivendo nesses dois ambientes, o ornitorrinco se locomove muito melhor na água. Para começar, como tem membros curtos, ele precisa se esforçar mais para andar, o que faz com que ele gaste 30% a mais de energia quando está na terra. Mas, apesar disso, o animal exibe uma característica que ajuda bastante nessa tarefa. Em suas patas dianteiras ele apresenta membranas, que são super úteis quando precisa nadar. Quando está em ambiente terrestre, ele a retrai, dando lugar a garras pontudas. Legal, né? 

Ornitorrinco
Ornitorrinco
  1. Sem dentes, mas isso não é um problema

Como a maioria dos bichos que não tem dente porque apresenta bico, o ornitorrinco tem uma certa dificuldade na hora de mastigar muitos dos seus alimentos preferidos, mas não vá achando que isso é um problema para ele. 

Quando vai consumir minhocas, mariscos, insetos, entre outros, ele pega junto um punhado de cascalho na margem do rio. Com tudo na boca, o animal utiliza esse item sólido para quebrar as comidas mais difíceis. Isso que é improviso. 

  1. Cauda com mil e uma utilidades

Apesar de ter a cauda muito parecida com a dos castores, a desta criatura tem diferentes funções. A primeira e a mais primordial é armazenar uma grande quantidade de gorduras, cerca de metade da que é encontrada em seu corpo. Esta serve para as ocasiões que ele pode ficar sem comida. A pelagem em cima desta serve como um limpador quando ele está cavando um buraco ou para afastar folhas enquanto constrói seu ninho. 

Por fim, a fêmea utiliza este para segurar os ovos próximo ao seu corpo quente, durante a incubação dos zigotos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *