Home / Listas / 11 Fatos Sobre as Arraias 

11 Fatos Sobre as Arraias 

Se você assiste programas de animais, com certeza já viu uma raia antes, mesmo que só pela televisão. Eu, infelizmente, sempre ligo o bicho a morte de Steve Irwin, que morreu após ser perfurado pelo espinho venenoso do indivíduo no peito. Ele era conhecido por desafiar a morte a caça de criaturas perigosas. 

Mas é claro que arraia não se resume só a isso. Vamos conhecer melhor essa espécie? 

  1. A grande família 

Também chamada de raio ou raia, este bicho faz parte de uma família com oitos subgrupos. Entre eles, arraia sixgill, de águas profundas, de raios redondos, whiptail, dos rios, borboleta e de águia.
Somando todas elas, existem cerca de 70 espécies espalhadas pelo mundo. 

  1. Boneless 

Boneless ou sem ossos. Esse é um termo que podemos usar para descrever esse ser. Assim como seu primo, tubarão, a raia não tem ossos. Todo o seu corpo é cartilagem pura.

Arraia Pulando
Arraia Pulando
  1. Habitat 

Você pode encontrar essa bolacha gigante (?) em águas oceânicas, principalmente próximo à costa, em regiões tropicais e subtropicais. Porém, algumas espécies preferem rios de água doce.
O que aliás, é um perigo, porque você pode pisar nela e fazer com que ela te ataque. Sendo assim, caso vá em alguma região que você sabe que tem esse bicho em rio, a melhor forma é andar no local arrastando os pés, além de não pisar nela, o animal provavelmente vai se assustar com esse movimento e vai fugir. 

  1. Autodefesa 

E falando nisso, como é que ela se defende? Usando seu ferrão venenoso que fica em seu rabo. Alguns não tem um, mas vários desses, então é preciso ficar atento.
Além disso, este perfurante tem farpas, o que causa ainda mais estrago em quem for atingido por ele. Mas o ser só tem essa reação se se sentir ameaçado. Mas não custa ser cuidadoso. 

  1. Corpo plano 

Falamos que ele tem um corpo de bolacha, porque parece mesmo. Este exibe um formato plano, e por causa desse traço consegue cavar buracos na areia e se esconder de seus predadores no fundo arenoso do oceano. Aliás, é em decorrência dessa técnica que ele é perigoso. Você pode entrar na região e pisar nele sem ver, porque o animal está escondido. Por isso arrastar os pés é uma maneira de evitá-lo. 

Mas não é só isso que é diferente nele. Seus olhos ficam na parte de cima do seu torso, já a boca, narinas e brânquias, ficam na parte de baixo. Em razão dessa disposição, o indivíduo não é capaz de visualizar suas presas, então caça utilizando os odores e eletrorreceptores.
Esse torso pode chegar a 5 metros de comprimento. Sua expectativa de vida varia de 15 a 25 anos.
E falando em comida, a dieta da arraia é composta de moluscos, crustáceos – como caranguejos -, ostras, caracóis, amêijoas e peixes pequenos. 

Arraias 
Arraias
  1. Estilo de nado 

Elas basicamente nadam de suas formas: ou batem suas barbatanas, como um pássaro e literalmente voam para fora d’água ou fazem um movimento ondulatório que envolve todo o seu corpo e assim conseguem se locomover. 

  1. Arraia na cozinha e na moda

A arraia é consumida em diversos lugares, como Malásia e Cingapura. Nessas regiões, elas são servidas grelhadas sobre o carvão, com molho picante.
Além da carne em si, o couro do bicho pode ser usado na confecção de sapatos, botas, cintos, jaquetas, carteiras e estojos para celulares.
No Japão, esta normalmente é aplicada na camada inferior das espadas. Por causa da sua textura áspera e sólida, isso impede que a capa superior deslize da alça durante o uso. 

  1. Raias elétricas 

Sabia que além do ferrão venenoso, algumas são capazes de dar choque? Esse é o caso da raia-elétrica. Ela apresenta órgãos capazes de produzir uma corrente elétrica como forma de defesa. A voltagem vai depender do indivíduo, mas pode variar de 8 até 220 volts. 

Quando usam essa defesa de forma contínua ou várias vezes em um curto período de tempo, essa energia acumulada se esgota, mas o bicho consegue recuperá-la. Para tanto, necessita descansar por algum tempo. É como se ela fosse uma bateria, muito interessante.  

Raias elétricas 
Raias elétricas
  1. Zonas de ataque

Quando é ataca por nós, ou seja, quando pisamos nela sem querer, a área onde ela enfia seu ferrão se manter entre o tornozelo e a panturrilha. 

  1. Caso Steve Irwin 

E já que falamos disso, vamos voltar a caso do Steve Irwin que comentamos lá no começo do texto. O apresentador, que também era dono de um zoológico, ficou mundialmente conhecido por ser personagem principal dos documentários do Animal Planet. Nele, Steve era filmado interagindo com animais perigosos, normalmente em seu próprio país, a Austrália.
No dia que foi atacado pela raia, na verdade ele esperava ver um tubarão-tigre, mas essa grandona apareceu primeiro e a equipe resolveu filmá-la. Como dito, as áreas de ataque normalmente estão direcionadas no tornozelo e panturrilha porque estamos em pé, no caso do Steve, foi no peito porque ele se debruçou sobre o animal, que o atacou diversas vezes nesta região. 

Apesar do acontecimento brutal e chocante, a raia é considerada um ser dócil e amistoso. O que ocorreu, é que provavelmente ela se sentiu ameaçada com a presença de um monte de gente indo em sua direção.
E Steve só faleceu porque o ferrão atingiu o coração, além do mais, a região é farpada, ou seja, levando em consideração que ela o atacou diversas vezes, cada ferroada a raia rasgou um pouco mais o órgão. 

Mas o veneno em si não é fatal, apenas causa uma dor bem incomoda. Isso porque a toxina provoca a morte de tecidos e células. Porém, é preciso que o tratamento seja feita o mais rápido possível, caso contrário a pessoa pode ter que amputar o membro.
Uma forma de fazer primeiros socorros é colocar o ferimento em contato com o calor. Este neutraliza o veneno. 

Caso Steve Irwin 
Caso Steve Irwin
  1. Colorida 

Apesar de algumas terem uma coloração bem comum, outras apresentam tons incríveis, cinza com bolinhas azuis, ou preto com bolas brancas. Tudo isso, claro, vai depender da espécie. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *