Home / Informações / Tudo Sobre a Mula: Reprodução e Alimentação

Tudo Sobre a Mula: Reprodução e Alimentação

Quando pensamos na espécie de animal mula no Brasil, certamente a lembrança que vem a cabeça da maioria das pessoas é a lenda da mula sem cabeça, muito popular por aqui. Esta lenda conta a história de transformação de uma mulher que namora um padre em uma mula sem cabeça, que a deixa com a aparência do animal do pescoço para baixo, mas como o nome sugere, sem a cabeça e no lugar da mesma, há fogo. A lenda ainda conta que para desfazer esta transformação na mulher do padre, digamos assim, em uma mula sem cabeça, é necessário que alguém a faça sangrar ou tire seu freio presente em sua boca quando já transformada em mula sem cabeça, doideira, não é mesmo? Assim como a maioria das lendas cheias de criatividade e muitas vezes resultado da imaginação do povo de determinada região. Mas quando falamos em mula mesmo, o animal, com cabeça e tudo, garantimos que a sua história não é doida assim e que é de fácil entendimento apesar de tantos animais e nomes diferentes envolvidos. Brincadeiras à parte, vamos começar a lhes apresentar a mula.

Mula Animal
Mula Animal

Reproduções De As Mulas Que São Oriundas

Quem conhece a espécie de animal burro, provavelmente também conhece a mula, isto porque são as mesmas espécies de animais, somente com os sexos diferentes, oriundos do cruzamento e reprodução entre um equino fêmea, ou seja, uma égua e um asinino macho, ou em outras palavras, um asno. Agora quando o cruzamento e a reprodução é oposta do caso anterior, ou seja, quando é entre um equino macho, um cavalo e uma asinino fêmea, uma jumenta, o resultado é o animal conhecido como bardoto.

Talvez fique mais fácil entender se reiterarmos que o asno também é conhecido como jegue ou jumento, portanto, sexo masculino da jumenta. Mas cruzamentos e reproduções entre equinos, ou seja, os cavalos e as éguas e os asininos, ou seja, os asnos, jegues ou jumentos e jumentas só resultam em muares, ou seja, bardotos, burros e mulas e tais cruzamentos e reproduções não é de possível continuação ou mais mistura, isto porque os muares são estéreis, ou em outras palavras, não possuem capacidade biológica reprodutiva. Mas muito curiosamente, como todo caso há exceção, há pelo menos sessenta registros de casos de muares que chegaram a se reproduzir, um número não tão pequeno assim e que ainda é motivo de questionamento para a ciência e para a biologia.

Domesticação E Vantagens Da Mula

Enquanto o asno também é conhecido como jegue ou jumento, curiosamente o macho da mula, o burro, também carrega consigo uma diversidade de nomeações, entre elas, mulo, muar, besta, mu, mas e aí? Como você prefere chamar o tal bichano?

Só chamar mesmo, sem conotação ofensiva ou em tom de xingamento, visto que alguns de seus nomes entre nós, brasileiros, portugueses e até africanos e moçambicanos pode soar agressivo e ou ofensivo.

Além dos próprios equinos, os asininos e os muares também são pertencentes à classificação biológica da família dos equinos, ou seja, dos cavalos e éguas. Como típicos equinos, são aproveitados desde sempre para o transporte de cargas ou até mesmo meio de locomoção de pessoas através da montaria, especialmente no meio rural e agrícola, o que atualmente já ganhou o mundo todo e que no caso dos muares, da mula e do burro, há duas vantagens. Por serem caracteristicamente mais resistentes tanto quanto a sua fadiga quanto a doenças quando comparados aos equinos, aos cavalos e as éguas.

Curioso pensar que um animal aparentemente mais fraco que o cavalo com todo o seu porte nos surpreenda tanto assim.

Outro fato é que a mula foi um animal muito importante na história da colonização do Brasil e hoje em dia é muito presente em cavalgadas e exposições de animais de raça.

Aparência Física E Alimentação

Normalmente o porte médio de uma mula é de um metro e vinte centímetros a um metro e oitenta de altura e seu peso de duzentos e setenta e cinco a setecentos quilos, mas o recordista neste porte é a mula de raça francesa, a poitvin, resultado do cruzamento entre um asno da raça poitou é uma égua da raça poutevin. Ainda sobre a aparência da mula, a mistura da reprodução da qual foi oriunda é clara, com crinas características dos equinos presente em seu pescoço menor comparado ao dos mesmos e suas longas orelhas em pé, características dos asininos, dos jumentos, jegues ou asnos, formas como são conhecidos.

O porte dos equinos é grande, dos asininos é médio e dos muares, curiosamente, é médio, mas maior do que seus próprios pais, os asininos, justo já que são resultado da mistura entre os mesmos e o maior entre eles, os equinos. Todos eles de portes médios a grandes, fortes, musculosos, com pelos brilhantes e vistosos, mas sem segredos para tal beleza, já que sua alimentação é a base de gramínea e cupim, como típicos herbívoros que são.

Apesar de serem muito bem adaptados ao transporte de cargas como os camelos e dromedários por exemplo, não são tão adaptados quanto eles a climas quentes e áridos, portanto a sua hidratação é a esperada e não tão curiosa quanto a dos outros animais citados.

Seus Pais Selvagens

Os cavalos e éguas são animais muito bem conhecidos entre a maioria de nós, então vamos falar um pouco mais de um dos seus pais menos conhecido, o asinino ou asno. Como já falamos por aqui, também são conhecidos como jegues e jumentos, entre outras nomeações menos conhecidas e mais regionais.

Não sabemos porque nomes estes que foram todos escolhidos são usados como xingamentos e ofensas. Esta explicação nós não temos. Curiosamente o asno doméstico, destes que são tipicamente domesticados em todo o mundo, é uma das três subespécies da espécie de asno selvagem. É fácil imaginar a vida de um asno doméstico, mesmo para quem não conheça muito sobre seus cuidados. Com uma alimentação tão simples e pelo que são habitualmente usados. Mas curioso mesmo é que a espécie de asno selvagem é oriunda da África, mais especificamente regiões desérticas e áridas da região Nordeste, como a Somália, que inclusive está presente uma das suas subespécies, o asno da Somália, região rica quanto as suas populações de animais, mas que vem sofrendo grande ameaça de extinção, devido ao desmatamento do seu habitat para a produção do óleo de palma, exportado para o mundo todo e muito habitualmente usados em produtos como o creme de avelã, por exemplo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *