Home / Informações / Tubarão-Pigmeu: Curiosidades, Fotos, Alimentação e Reprodução

Tubarão-Pigmeu: Curiosidades, Fotos, Alimentação e Reprodução

Tem tubarão para todos os gostos. Brincadeiras a parte, já que a maioria quer distância de grande parte desses animais, o que quis dizer com isso é que existem cações de diversos tamanhos. 

Por causa da fama de indivíduos como o tubarão-branco, por exemplo, imaginamos que todos eles são criaturas enormes, capazes de arrancar um braço ou uma perna com uma única mordida. Mesmo sendo um estatura comum entre quase todas as espécies, existem aquelas que são tão pequenas quanto um peixe de aquário, que é o caso do tubarão-pigmeu. 

Esse serzinho minúsculo até pouco tempo atrás era considerado o menor tubarão do mundo. Mas, após a descoberta no lanterna, ele agora ocupa a segunda posição desta lista. Vamos conhecê-lo?

Tubarão-Pigmeu
Tubarão-Pigmeu

Características do tubarão-pigmeu 

O tubarão-pigmeu (Squaliolus laticaudus) é um indivíduo Esqualiforme, da família Squalidae – a mesma dos tubarões cação. Esta criatura está presente em todos os oceanos do planeta. 

Ele era considerado o menor da espécie pois sua estatura não passa dos 28 centímetros – enquanto o lanterna tem 21cm -, fazendo com que ele esteja agora no segundo lugar de menores tubarões do mundo. 

O animal exibe um corpo fino com um formato que lembra o de um charuto, com um focinho parecido com um cone, uma longa barbatana dorsal – que contém uma espinha, o que faz ele ser conhecido também como tubarão anão espinhoso – e uma cauda bem simétrica. 

Este indivíduo tem um corpo de castanho escuro a preto e com a presença de vários órgãos bioluminescentes que são chamados de fotóforos e estão presentes na sua superfície ventral. Os especialistas acreditam que o bicho usa esse traço para se misturar com a luz ambiente, que escondem sua silhueta e faz ele passar desperdício pelos predadores. 

Tubarão-Pigmeu
Tubarão-Pigmeu

Alimentação 

A dieta do pigmeu é composta de lulas e peixes pequenos. 

Reprodução

A espécie pode se reproduzir de duas formas: com a mãe parindo as crias já com vida ou botando ovos. Mas todas são do tipo ovovivíparos, o que quer dizer que os bebês se desenvolvem dentro de um ovo e este eclode dentro do oviduto. A fêmea pode dar a luz até 4 filhotes por ninhada. 

Habitat 

Como dito, é um bicho presente em todo o mundo. Ele pode ser encontrado tanto nas Bermudas, Estados Unidos, Suriname, no sul do Brasil, norte da Argentina, oeste e norte da França, Cabo Verde, Madeira e a leste de Açores. Assim como na Somália, Japão, Filipinas e Taiwan. 

Curiosidades

  • Gosta de águas ricas em nutrientes, próximo a encostas. 
  • Durante o dia fica a uma profundidade de 500 metros, a noite esse número desce para 200 m. 
  • Ele não é um tubarão de grande valor econômico e segundo a IUCN, a espécie não corre risco extinção – provavelmente por habitar locais de grande profundidade e porque está presente em todos os oceanos do mundo. 
  • Dificilmente se aproxima da superfície. 
  • Ele evita bacias oceânicas centrais. 
  • A escolha por locais profundos é uma questão de sobrevivência. Isso porque quanto mais fundo você estiver, menor será a chances de existir predadores maiores na região. 
  • Apesar do tamanho, é um predador feroz. 
  • As fêmeas são maiores que os machos. Esta chega aos 25 centímetros, enquanto o sexo masculino alcança os 22 cm. 
  • Ele passa bastante tempo dormindo.
  • Pesa 500 gramas. 
  • É um peixe cartilaginoso, ou seja, não tem ossos. 
  • Ele se alimenta de peixe-lanterna. 

Os menores peixes do mundo 

Tubarão-lanterna 

Etmopterus perryi
Etmopterus perryi

O responsável por tirar o posto de menor tubarão do mundo do pigmeu foi o lanterna. Descoberto recentemente, seu nome nem têm uma tradução para o português ainda. Ele é conhecido como tubarão-lanterna-anão e dwarf lanternshark (Etmopterus perryi). Da família Etmopteridae, esse animal chega apenas aos 20 centímetros de comprimento. 

Ele habita águas profundas da Venezuela e da Colômbia e uma das duas maiores características, além do tamanho, é que ele exibe órgãos frontais que emitem luz. Acredita-se que estes são usados para caçar, se orientar, se reproduzir e também para fugir dos predadores – o peixe é capaz de controlar a intensidade da iluminação, assim como se “misturar” com a claridade do ambiente. 

Por viver em grandes profundidades, pouco se sabe sobre ele. 

Paedocypris progenetica 

Paedocypris progenetica 
Paedocypris progenetica

Este não só é o menor peixe do mundo, como também é o mais minúsculo invertendo que existe. Ele chega aos 8 milímetros de comprimento e foi descoberto na Ilha de Sumatra, na Indonésia. Vive em águas ácidas e detém músculos superdesenvolvidos na região das nadadeiras pélvicas, com o intuito de agarrar firme a fêmea durante a cópula. 

Paedocypris micromegethes 

Paedocypris micromegethes 
Paedocypris micromegethes

Segundo menor peixe de água doces, este mede no máximo 12 milímetros de envergadura. O indivíduo habita o pântano de Sarawak em Bornéu, na Malásia. Assim como o anterior, também gosta de águas escuras e ácidas. 

Barboides gracilis 

Barboides gracilis 
Barboides gracilis

Com 24 mm, provavelmente é a menor criatura de origem africana. Tem metade do seu corpo transparente, o que dá ao animal uma aparência bem atraente. 

Hyphessobrycon amandae 

Hyphessobrycon amandae 
Hyphessobrycon amandae

Também conhecido como foguinho, está criatura mede 20 milímetros de comprimento. Tem uma cor laranja e por causa disso é muito adorado entre os amantes de aquários. Tem o hábito de formar cardumes de mais de 5 indivíduos. Quando está sozinho, ele torna-se tímido. É encontrado no Brasil, principalmente no rio Araguaia. 

Axelrodia stigmatias 

Axelrodia stigmatias 
Axelrodia stigmatias

Outro peixe com partes do corpo transparente, como suas barbatanas, por exemplo, é um animal original do Brasil, sendo encontrado principalmente no Rio Amazonas e Madeira. Incrivelmente é pouco conhecido em território nacional, mas faz muito sucesso no mercado internacional. 

Hyphessobrycon elachys 

Hyphessobrycon elachys 
Hyphessobrycon elachys

Com uma coloração bem peculiar, quase holográfica, este peixe também forma grandes cardumes. Os machos apresentam um tom esbranquiçado nas nadadeiras, principalmente nas pélvicas e dorsais. 

Boraras micros 

Boraras micros 
Boraras micros

Dentro desta espécie, é o menor exemplar, com 15 milímetros de envergadura. Exibe três manchas vermelhas, uma na nadadeira dorsal, outra no centro do corpo e mais uma na cauda. Também detêm 3 manchas pretas. 

Microrasbora kubotai 

Microrasbora kubotai 
Microrasbora kubotai

Chama atenção não só por ser pequeno, 20 mm, mas também por sua cor neon, com verde e azul, e com barbatanas transparentes. Infelizmente, não é encontrado no Brasil. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *