Home / Informações / Tartaruga Verde: Curiosidades e Características

Tartaruga Verde: Curiosidades e Características

Um animal lindo, que prontamente aparece nas pesquisas sobre o mar e sobre meio ambiente. A tartaruga verde ou tartaruga-anuarã é um animal que está sempre nos mares tropicais e subtropicais, nas águas costeiras e ao redor das ilhas, sendo freqüente a ocorrência de juvenis em águas temperadas.

Tartaruga Verde
Tartaruga Verde

Por que tartaruga-verde?

O nome desse animal querido tem origem à cor da carapaça, que apresenta vários tons de castanho, dependendo do seu habitat, mas sempre é visível o tom esverdeado da sua pele.

Tamanho 

As tartarugas-verdes podem pesar até 317 kg e elas estão listadas entre as maiores tartarugas do mundo. A cabeça pequena, que não é retrátil, sai da carapaça que possui formato de coração, e que pode medir até 1,5 metros. Os machos são um pouco maiores do que as fêmeas e têm uma cauda mais longa. Tanto macho quanto fêmea possuem barbatanas que se lembram remos, e esse detalhe as torna ótimas nadadoras.

Alimentação 

Quando ainda é um filhote, a tartaruga-verde mantém uma alimentação onívora com uma certa tendência carnívora. Porém, quando seu casco atinge cerca de 25 a 35 centímetros, ela se torna completamente herbívora.

É nesse momento que o animal passa a se alimentar basicamente de algas marinhas, com predominância para alimentos que estão em maior abundância no seu ambiente.

Reprodução

As maiores colônias de tartarugas-verdes costumam fazer ninhos na Austrália, Costa Rica, Suriname, e Nova Caledônia. Aqui no Brasil, a desova costuma acontecer em ilhas oceânicas, algumas das maiores são: Trindade – ES, o Atol das Rocas, no Rio Grande do Norte e Fernando de Noronha. A desova da tartaruga-verde, normalmente, se inicia em dezembro, tendo um pico de reprodução nos meses de fevereiro e março, podendo chegar até junho, quando se dá o nascimento dos últimos filhotes.

As tartarugas fêmeas podem realizar de 1 até 11 posturas, respeitando o intervalo de dez a treze dias entre cada uma, sendo que o mais comum é 4 posturas a cada temporada. Assim, em cada postura a fêmea coloca de 50 a 190 ovos por ninho. Após uma dessas temporadas reprodutivas, a fêmea pode ficar até 3 anos sem pôr mais ovos, (descanso merecido). O percentual de eclosão dos ovos é de cerca de 75%.

História de respeito 

Após mais de cem milhões de anos de existência, sobrevivência e de evolução, esses animais seguem desempenhando um papel ecológico extremamente importante nos ambientes onde se encontram. Elas são uma fonte de alimento para animais que desenvolvem um papel de predadores marinhos e predadores terrestres, e as tartarugas são importantes consumidores de organismos marinhos vivos, espalhando toneladas de nutrientes e de energia para os oceanos. Como são animais migratórios, elas se movem e se dispersam desde os trópicos até regiões subpolares, transferem energia entre ecossistemas terrestres e marinhos. São consideradas os animais engenheiros do ecossistema, e esse apelido se dá pela ação de influência que elas exercem sobre diversos seres vivos e componentes dos oceanos, bem como os recifes de coral, as vegetações marinhas e os substratos que se fixam no fundo oceânico.

Ameaça de extinção

De cada mil filhotes de tartaruga que nascem, apenas um ou dois conseguem atingir a maturidade. São diversos obstáculos que eles enfrentam para sobreviver, mesmo quando se tornam juvenis e adultos. A tartaruga verde está menos exposta, pois desova principalmente nas ilhas oceânicas (Atol das Rocas, Fernando de Noronha e Trindade), onde a ação predatória do homem é mais controlada, o que contribui com a estabilidade da sua população. Porém  tartarugas-verdes estão classificadas como uma espécie em extinção. Ainda há quem as mate pela carne e pelos ovos. A população tem, também, diminuído devido aos acidentes com hélices de barcos, a afogamento devido a redes de pesca e à destruição dos seus locais de nidificação pela invasão humana. Além de terem que enfrentar diretamente os efeitos das mudanças climáticas e poluição dos oceanos.

Medidas para a conservação 

Devido a todas essas grandes ameaças, foram criadas estratégias de conservação para tentar minimizar os impactos causados para as tartarugas marinhas, algumas dessas medidas são: Monitoração das áreas de desova, para garantir uma proteção dos ninhos in situ, proteção legal das áreas de desova, manutenção dos programas de marcação e recaptura das tartarugas, estudos genéticos que buscam a determinação das rotas de migração dos animais adultos, criação de corredores ecológicos marinhos, continuidade de ações educativas das comunidades que vivem na costa e desenvolvimento de medidas públicas, com a finalidade de minimizar a captura incidental dos diferentes tipos de pesca.

É importante assumirmos uma postura de preocupação com esses animais e com todo o meio ambiente. Precisamos estar atentos a preservação dos oceanos e viver de uma forma que cause menos impacto aos ecossistemas, respeitando o direito à vida desses animais e das nossas gerações futuras.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *