Home / Informações / Siri Animal: Curiosidades, Fotos e Nome Científico

Siri Animal: Curiosidades, Fotos e Nome Científico

É impressionante a diversidade de animais que podemos encontrar ao longo de toda a extensão do Brasil. De animais terrestres até aquáticos. E isso se deve também a diversidade de habitats encontrado em terras brasileiras, aqui temos florestas tropicais, rios, mares, cerrado e mangues. E isso faz com que o leque de indivíduos que habitam nosso país seja enorme. E um desses bichos é o siri, o qual será o foco deste artigo. Vistos com frequência nas praias, ele é comumente confundido com seu parente próximo, o caranguejo. Apesar disso, existem diferenças entre ambos. Mesmo não sendo tão famoso na mesa dos brasileiros como seu o primo, ele também serve de alimento para as pessoas e tem um bom preço no mercado alimentício. 

Abaixo, vamos saber mais sobre o siri. 

Características físicas 

Você já assistiu o desenho do Bob Esponja? Se sim, quer dizer então que você já conhece o siri. Quem não lembra do Siri cascudo, o restaurante onde o calça quadrada trabalha? Do hambúrguer de siri? Do senhor Sirigueijo, o chefe do Bob Esponja? 

Mas, além de ser chefe do Esponja, o siri (Callinectes sapidus) faz parte da classificação dos artrópodes, o que quer dizer que ele é integrante de um grupo bem diferente, já que neste mesmo conjunto podemos encontrar a abelha e a cobra, por exemplo. Mas isso acontece porque dentro deste filo existem subfilos e, neste caso, o animal está inserido no dos crustáceos. 

Ele também faz parte do conjunto dos decapodas, ou seja, indivíduos que possuem dez patas. 

E lembra que comentamos que apesar de ser confundido com o caranguejo, existem algumas características que o diferenciam? Caso encontre um desses bichos na praia e queira saber qual dos dois ele é, basta uma minuciosa olhada no último par de patas do indivíduo. Enquanto na espécie citada logo acima elas são todas iguais, no Siri elas possuem um formato diferente, se que assemelha a nadadeiras. Aliás, essa traço permite que o animal consiga se locomover em ambiente terrestre, assim como no marinho. Diferente de seu primo, que fica condicionada a terra. Essa característica é fundamental na sua sobrevivência, já que quando se sentem ameaçados em um ambiente, podem migrar para o outro. 

Siri Animal na Praia
Siri Animal na Praia

Das cinco pares de apêndices – patas -, apenas quatro são usadas para locomoção. O primeiro conjunto tem uma outra utilidade: elas são usadas para defesa, caça e manuseio de alimentos do siri. Elas têm um formato de pinça e são maiores que as outras. Normalmente, essa é o pedaço preferido para aqueles que comem a carne da espécie, sendo a região mais abundante. 

Como acontece com a maioria dos crustáceos, possui uma carapaça protetora feita de quitina. O que quer dizer que seu crescimento não acontece aos poucos, mas, sim, de uma vez. Quando ele muda de “casca”, que leva o nome de “ecdise”, ele acabam aumentando de tamanho. Um dos fatores que o faz passar por essa mudança é a disponibilidade de comida. Quanto mais acesso o siri tiver a alimentação, maior será a troca de carapaça até que, finalmente, isto não aconteça mais. 

Possui corpo e cabeça achatada, com um tórax que se funde com crânio, formando uma peça só. Sua coloração pode variar, já que existem diversas espécies que levam o nome de siri. No Brasil, o mais comum é o de cor branca, mas ele pode ser visto em tons de vermelho ou azul, por exemplo. 

Habitat do siri 

O siri é encontrado por todo mundo, e isso se deve a sua facilidade em se adaptar a diversos climas e habitats diferentes. O fato de poder viver em dois ambientes também ajuda na sua presença em vários lugares do globo. Mas ele sempre será visto em ambientes estuários, zonas de transição entre o rio e o mar. 

Em terras brasileiras, é muito comum vê-lo passeando pelas areias da praia. Um dos fatores que interferem na escolha da sua moradia é o nível de sal na água. 

Alimentação 

É um animal carnívoro, mas ele não caça, o bicho se alimenta de indivíduos mortos, normalmente quando a carne já está entrando em decomposição. Sua preferência é por peixes, mas não fica preso somente a isso. Na verdade, come qualquer bicho que encontrar pela frente. Até por isso ele é conhecido como urubu-do-mar. 

Reprodução 

Tem sexo separado, por isso a reprodução é sexuada. Como pode viver em terra, normalmente o siri volta para a água no período de reprodução, pois a fecundação e o nascimento dos filhotes acontecem neste local. Após a cúpula, a fêmea retorna ao mar, carregando cerca de 2 milhões de ovos. Neste local acontece a primeira fase, chamada de pelágica. Quando os ovos eclodem, os bebês passam para o período de zoea. Após 18 dias, migram para o estágio de megalopa. Todo esse processo demora cerca de 46 dias. 

Curiosidades 

  • As fezes do animal fica localizada em sua cabeça, por isso é importante realizar uma boa limpeza na espécie antes de comê-la. 
  • Os buracos que vemos na praia são feitos por esses bichos, normalmente com a intenção de proteger os bebês siris. 
  • Eles são ariscos, porém, quando se sentem ameaçados, atacam com sua pinça, que pode causar um bom machucado. 
  • Existem cerca de 7 espécies que levam o nome siri: siri-azul (ou comum), areia, Açu, candeia, Goiá, Mirim e Bidu. 
  • Ele anda de lado por ter patas articuladas na lateral do seu corpo, o que dificulta ele se locomova para frente. Em conjunto com seus olhos – que lhes proporcionam maior campo de visão -, que também estão na lateral do seu corpo, isso torna-se uma grande estratégia contra seus predadores. 
Siri Animal
Siri Animal
  • São invertebrados – não possuem espinha dorsal. 
  • Tem duas antenas. 
  • São dotados de respiração traqueal, o que permite que eles respirem tanto na terra, quanto na água. 
  • Apesar de botarem 2 milhões, mais de metade não sobrevive. Os que passam dessa fase, se transformam em larva até alcançarem a fase adulta, se transformando no siri como conhecemos. 
  • A comunicação entre eles é feita pela agitação ou batida de suas pinças. Fora isso, não costumam fazer barulho. 
  • Algumas espécies têm a capacidade de amputar seu próprio membro. Este se regenera, após um ano. 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *