Home / Informações / Sapo Cururu ou Sapo Comum: Características, Alimentação e Fotos

Sapo Cururu ou Sapo Comum: Características, Alimentação e Fotos

Apesar de estarmos mais familiarizados com cães, gatos, pássaros e outros animais de estimação em nosso dia a dia, alguns outros também são comuns ao nosso cotidiano, mas são menos queridos que os citamos acima. Como é o caso do sapo, por exemplo. Ele é tão famoso na cultura brasileira que tem uma música só dele. Quem nunca cantou “o sapo não lava o pé, não lava porque não quer” na escola? Este indivíduo está tão intrinsecamente difundido nos costumes do Brasil que ele não só tem música, como também é personagem de contos infantis do país. E quando falando desse bicho, como personagem de histórias, estamos falando de todos, no geral. Porém, nosso foco hoje é no sapo-comum, morador da Amazônia. 

Sapo Cururu
Sapo Cururu

Distribuição geográfica 

Conhecido como sapo-cururu, comum ou boi, este indivíduo faz parte da família Bufonidae, do gênero Rhinella. É um indivíduo muito popular em terras brasileiras. 

É possível encontrar esse animal espalhado por várias regiões do Brasil, como nas áreas do Centro-oeste, sul e sudeste. Assim como no norte da Argentina e leste do Paraguai. 

E essa ampla distribuição geográfica é possível por ele ser tolerante a diversos tipos de habitats. Por isso é comum vê-lo nas florestas da Mata Atlântica até em locais do Cerrado. Também pode ser visto em centros urbanos, e isto acontece devido a presença de iluminação artificial – postes, por exemplo – que atraem a alimentação preferida do sapo: insetos. E, como consequência, acaba atraindo este indivíduo, que fica aguardando sua refeição aparecer, de forma voluntária. 

Características do sapo-comum

Assim como outros de sua espécie, ele chama atenção não só por ter uma aparência “estranha” mas, também, pelo seu tamanho. Provavelmente um dos bichos de maior tamanho quando falamos em sapos. Os machos, com corpos mais finos e menores, conseguem alcançar 13 centímetros de comprimento, já as fêmeas chegam às 16 centímetros. O que quer dizer que eles apresentam dimorfismo entre os sexos. E não é só no tamanho que essa diferença acontece, quando falamos da coloração de seus torsos, também existe uma distinção entre eles. Os machos adultos apresentam coloração em tom de verde-amarelado. Isto rendeu ao animal o nome de icterica, que está relacionado a cor amarela de sua pele. Já as fêmeas são bicolores, possuem um dorso bege com manchas escuras, marrom ou preta, e um faixa dorsal também em tom bege. Os jovens apresentam uma coloração com um dorso em oliva e manchado. Sua região ventral apresenta um tom branco. Também são dotados de cristas cefálicas bem definidas, pele rugosa e áspera devido à presença de glândulas cutânea e paratóides, que ficam localizadas atrás de seus olhos. 

Já na fase de girino, detêm corpos e cauda totalmente pretas, e chegam às 10 milímetros de diâmetro.  

Segundos informações da IUCN (International Union for Conservation of Nature) o sapo-cururu é uma espécie classificada como pouco ameaçada, e isso se deve, principalmente, a sua ampla distribuição populacional ao redor do mundo, assim como a quantidade existente desse indivíduo e sua facilidade em se adaptar aos mais diversos ambientes. Mas, em alguns pontos existem relatos de diminuição na população do sapo-boi, em decorrência de drenagem de lagoas e poluição destes locais. 

Ciclo de vida 

Como a maioria dos anfíbios, o cururu também tem um ciclo de vida bifásico. Quando nasce, em forma de larva – girino – ele é do tipo aquático, passando toda essa fase de desenvolvimento na água doce. Após passar pela metamorfose – quando perde a cauda, dando lugar as patas – ele se torna um indivíduo terrestre, que habita locais úmidos. 

Alimentação

E em cada ciclo, o sapo tem características distintas, como no caso da sua alimentação. Por exemplo, na fase larval, sua dieta é composta por material orgânico que fica boiando nos lagos, fontes de água onde vivem. Já os adultos se alimentam de insetos, como já dito anteriormente. Gosta de comer invertebrados, como lesmas e até pequenos ratos. É do tipo predador. E isso é possível porque, assim como a maioria dos caçadores, tem a habilidade de passar horas imóvel, a espera da sua comida. 

Defesa contra predadores 

Sua maior defesa contra predadores são suas glândulas venenosas, que liberam uma toxina, chamada de bufotoxina. Com relação a isso, existem mitos que relatam que o cururu lança um jato dessa substância quando se sente ameaçado. Mas a verdade é que ele só libera essa substância quando as glândulas são pressionadas, como quando são atacados, por exemplo. Estas, ficam localizadas atrás de seus olhos. 

Reprodução

Sua reprodução está diretamente relacionado aos fatores climáticos do seu habitat, como temperatura e número de chuvas. Gostam de habitar lugares onde o fluxo de água seja mais lento, isso evita que os girinos sejam levados pela correnteza. Também escolhem essas regidos por ter uma maior quantidade de oxigênio no ar. 

O canto do sapo tem duas funções: atrair suas parceiras sexuais e evitar a reprodução com outras espécies que não seja icterica, já que a “gravidez” seria impossível em fêmeas de outra família. 

Normalmente o “canto” acontece durante a noite, mas as condições climáticas podem interferir nisto também, fazendo com seja possível ouvir a cantoria do sapo-cururu durante o dia. 

Sapo Cururu Filhote
Sapo Cururu Filhote

Depois que a parceira é escolhida, ambos começam o amplexo, que é quando o macho sobe em cima da fêmea, abraçando-a com suas patas. Em seguida, o cururu fertiliza os ovos que sua parceira liberou, com uma substância repleta de espermatozóides. Logo em seguida acontece a desova, feita na água, entre os meses de Agosto a janeiro, preferencialmente. Os ovos são ligados por uma espécie de cordão gelatinoso, depositados em locais rasos. Após a eclosão dos ovos, o girinos deixam o cordão protetor e criam hábitos diurnos, vivendo em grande aglomerações. E aí que começa a metaformose, o sapo passa da respiração branquial para a pulmonar e cutânea, perde a cauda, que dará lugar as patas e deixa a água para viver na terra. 

O sapo não é apenas mais um personagem de cantigas infantis, ele tem um papel importante na natureza: ele é um tipo de controlador de pragas, por isso é muito importante não matá-lo. Sabemos que ele não tem uma aparência bonita, mas nem por isso você deve impedi-lo de fazer seu papel no meio ambiente. 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *