Home / Informações / Reino Animal: Características e Classificações da Animalia

Reino Animal: Características e Classificações da Animalia

O termo “Reino Animal”, cientificamente chamado de Metazoa ou Animalia, está presente em nossa vida desde que somos crianças, reaparecendo tanto na escola quanto no cotidiano. Mas o que caracteriza um animal? Como o Reino Animal pode ser dividido? Aqui nós falaremos um pouco sobre isso.

Quais as principais características de um animal?

  • São heterótrofos: isso quer dizer que eles não são capazes de produzir o próprio alimento, necessitando ingerir outros seres vivos para sobreviver. As plantas, por exemplo, são autótrofas, já que elas mesmas sintetizam a sua alimentação.
  • Possuem simetria bilateral: não é uma regra, mas grande parte possui essa característica. Possui-la significa dizer que o animal tem as duas metades do corpo simétricas. Existem também a simetria radial – diversos pontos longitudinais dividindo o corpo em metades semelhantes – e aqueles que não têm qualquer simetria.
Reino Animal
Reino Animal
  • São eucariontes: ou seja, no interior das células do animal existe um núcleo com diversas funções, entre elas a de proteger o DNA.
  • Têm organização pluricelular: compostos por uma diversidade de células.
  • Respiração aeróbica: exige a participação do oxigênio para continuar vivo. Ele pode ser retirado da água ou do ar, dependendo da espécie.

Como o Reino Animal é classificado?

Graças a sua larga diversidade, contando com diversos representantes bem peculiares e de sistema complexo, foi necessário segmentar o grupo para que os pesquisadores pudessem estuda-lo melhor. Por isso, o Reino é inicialmente dividido em dois grandes grupos, os animais vertebrados e os invertebrados. O primeiro, apesar de ser comumente mais conhecido, representa apenas 5% do total de animais na Terra, enquanto os outros 95% são todos invertebrados.

Quem são os animais vertebrados?

Eles estão reunidos no grupo dos animais que possuem coluna vertebral e constituem um único filo, chamado de chordata. No entanto, há uma exceção importante que os cientistas reforçam: esse grupo também reúne alguns invertebrados aquáticos, como as ascídias e os anfioxos, além dos peixes, anfíbios, répteis, aves e mamíferos, como é mais fácil de identificar.

O filo é bastante diversificado, tanto no que diz respeito ao tamanho dos exemplares quanto ao ambiente em que vivem – presentes na terra, no céu e no mar. A reprodução deles é totalmente sexuada, ou seja, novos animais são gerados graças ao encontro do espermatozoide, proveniente do macho, e do óvulo, vindo da fêmea. A nova vida que é originada dessa junção é completamente diferente do que já existe, pois carrega traços das duas partes que compõem a sua genética.

Algumas espécies são homeotérmicas, sendo capazes de regular a temperatura do próprio corpo e sobreviver em ambientes mais extremos. Todos os mamíferos e aves possuem essa característica.

Quais animais são invertebrados?

Aqui a lista é bem maior. Só entres os principais filos, nós podemos citar oito, sendo eles:

Poríferos: são as esponjas; diferem dos outros representantes do Reino por serem sésseis, ou seja, não se mexem. Dessa forma, a alimentação é feita a partir de nutrientes absorvidos da própria água. São chamados de parazoários, um termo exclusivo para o animal que não produz tecidos verdadeiros. Além disso, a reprodução nesse filo é assexuada; as esponjas geram cópias de si mesmas.

Cnidários (ou celenterados): o nome do filo deriva do grego knide, que significa urtiga. A propriedade urticante é presente em alguns dos animais desse grupo, como as águas-vivas e as anêmonas-do-mar, por exemplo, que podem causar fortes irritações quando entram em contato com a pele. A hidra, outra representante do filo, é a única que existe em água doce.

Platelmintos: o filo é composto por mais de 25 mil espécies conhecidas e inclui as tênias e planárias entre seus exemplares. São vermes que podem causar doenças em seres humanos, como é o caso da esquistossomose, que tem como sintomas dores no corpo e coceira na pele; teníase, que resulta em diarreia ou prisão de ventre, e cisticercose humana, que pode acontecer na musculatura ou no cérebro. O primeiro caso gera poucos problemas, mas o segundo – neurocisticercose – pode causar desmaios e convulsões.

Platelmintos
Platelmintos

Nematódeos: animais desse filo possuem o corpo cilíndrico, alongado e afilado nas extremidades, como as lombrigas. Boa parte das espécies são parasitas de animais e plantas, causando prejuízo tanto à agricultura quanto à pecuária, além de afetar também os seres humanos com doenças. Uma delas é a filariose, ou elefantíase, que causa inicialmente alergia e febre, mas desenvolve-se criando inchaço, principalmente nas pernas, devido a obstrução de vasos linfáticos. Apesar de possuírem um corpo compacto, o filo é o primeiro a apresentar sistema digestório – com boca e ânus – completo.

Moluscos: o nome do filo provém do latim mollis, mole, que é uma característica dos representantes – o corpo mole. Possui espécies bem conhecidas, como as ostras, mexilhões, caramujos, lesmas, lulas e polvos. Geralmente possuem uma concha calcária que é secretada pelo próprio animal, dando-o um exoesqueleto incompleto. As mais de 100 mil espécies catalogadas podem ser encontradas tanto no mar quanto em água doce, além da terra firme. Os moluscos possuem reprodução sexuada e entre seus representantes existem espécies carnívoras, herbívoras e até filtradoras.

Anelídeos: são animais que possuem o corpo segmentado, dividido em vários anéis pequenos. Nesse filo também há a presença do sistema digestório completo, com boca e ânus, mesmo que o tamanho possa remeter a um animal mais subdesenvolvido. As minhocas, principais representantes, possuem uma importante função quanto a fertilização do solo e a reciclagem de materiais orgânicos. Os túneis que elas cavam favorecem a aeração do solo, beneficiando as raízes das plantas, e quando se alimentam de restos orgânicos, contribuem para o processo de decomposição.

Anelídeos
Anelídeos

Artrópodes: esse grupo possui um exoesqueleto constituído por quitina e apêndices articulados, como pernas e antenas. As espécies passam por um fenômeno chamado de ecdise, a troca do exoesqueleto que acontece para permitir o crescimento do animal. O filo subdivide-se em três classe principais, sendo os insetos, os aracnídeos e os crustáceos.

Equinodermos: por fim, há o filo das estrelas e ouriços-do-mar. Possuem um endoesqueleto – esqueleto interno – e graças a isso acabam com uma pele dura. Contam com o auxílio de pés ambulacrais, estruturas finas e flexíveis que se projetam da superfície do corpo do animal para captar alimento, já que suas extremidades possuem um aspecto aderente, ideal para recolher comida, sejam elas corais, anêmonas, algas marinhas ou detritos orgânicos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *