Home / Informações / Rã-do-Titicaca: Características, Curiosidades e Fotos

Rã-do-Titicaca: Características, Curiosidades e Fotos

A rã-do-titicaca, conhecida cientificamente como Telmatobius culeus é um indivíduo que vive somente no lago de Titicaca, daí o seu nome. Este fica localizado na fronteira entre o Peru e Bolívia, nos Andes. 

Ela pertence a família Leptodactylidae.

Características da rã-do-titicaca 

Além de ser conhecida pelos hábitos aquáticos, a rã chama atenção pelos tração físicos. Provavelmente é o anfíbio com o maior número de pele que existe na espécie. Mas é muito mesmo, chegando a fazer dobras no corpo do animal. Mas esse traço não é à toa. Apesar de dar uma aparência bem estranho ao bicho, ela tem um papel muito importante: fazê-lo respirar adequadamente na altitude que reside. Um fato interessante é que como a região está cheia com líquido, ele parece maior, mas sem este ele é uma rã relativamente fina. 

Ela é considerada a maior do seu grupo, podendo chegar a 50 centímetros de comprimento e pesar até uma quilograma. Com as fêmeas sendo maiores que os machos.
Pode ser visto nas cores: verde, marrom e esverdeado em cima e mais claro embaixo, com as coxas listradas e as partes inferiores em laranja, mas esse tom é mais comum entre o grupo que mora próximo ao litoral do rio. 

Quando provocados, produz uma substância branca e pegajosa em sua pele que é usada como defesa.
Suas orelhas são super pequenas e várias estruturas, como o tímpano e as trompas de Eustáquio, estão ausentes nele. Não se sabe exatamente como ele escuta, mas acredita-se que pelos pulmões, como em outros da espécie. 

Rã-do-Titicaca
Rã-do-Titicaca 

Habitat e ecologia 

Como dito, é um animal achado apenas no lago do Titicaca. Os adultos costumam viver em áreas mais fundas do local, cerca de a 19 metros de profundidade. Porém, o limite até onde ele pode mergulhar é desconhecido. Gostam de residir em uma zona com fundo misto, entre o arenoso e com a presença de rochas e plantas aquáticas. 

Como vive em área de alta atitude, normalmente a temperatura ideal para essa rã é de 8 a 17 graus. Ele tem a capacidade de regular sua temperatura mudando de ambiente. Quando quer se esquentar, se posiciona em cima de uma pedra para pegar o sol que entra na água clara do rio. 

Comportamento e reprodução da rã-do-titicaca 

Mesmo sendo um bom nadador, é muito comum ver esse deitado, um ao lado do outro, no fundo do rio. Ele é mais ativo durante a noite. 

Aliás, durante essa hora do dia é possível ouvir a criatura emitindo um tipo de chamado, este só pode ser ouvido com um microfone submerso e a uma curta distância do ser. Não se sabe o porquê ele faz isso, mas acredita-se que está relacionado a reprodução ou agressão. 

O indivíduo se reproduz durante o ano todo na costa e em águas rasas do seu habitat. Neste local, a fêmea deposita de 50 a 800 ovos, mas não todos de uma vez. Essa postura é feita em até três dias.
O local da desova é guardado pelo macho até que os zigotos eclodam. Isso acontece cerca de uma ou duas semanas depois.
O filhote fica no estágio de girino durante alguns meses, podendo ser até um ano.
Os bebês e o jovens ficam apenas em águas rasas. Eles só vão até locais mais fundos quando atingem a idade adulta. Está acontecendo nos três anos de idade. 

Rã-do-Titicaca
Rã-do-Titicaca

Alimentação

O bicho se alimenta principalmente de anfípodes, assim como de caracóis, girinos, insetos e peixes. Ocorre canibalismo entre os adultos dessa espécie.
Em cativeiro, ele consome pequenos animais, como pulgas de água, vermes, larvas de insetos aquáticos.
Tem um metabolismo muito baixo, o menor entre todas as rãs. Ele só ultrapassa algumas espécies de salamandras. 

Curiosidades 

  • A moradia da rã é considerado o maior lago da América Latina, ele possui cerca de 8.300 quilômetros quadrados. Para se ter ideia, quem navega por lá não consegui ver a margem do outro lado, dando a impressão que se está em mar aberto. Ele fica a 3.800 metros de altura e a maior parte dele fica do lado peruano.
  • A rã-do-titicaca nunca vem à superfície, pois consegue retirar o oxigênio da água. 
  • Foi o explorador francês Jacques Cousteau que descobriu a espécie, em 1970. Isso ocorreu durante sua pesquisa no Titicaca. 
  • Em 2016, 10 mil exemplares desse bicho morreram de forma misteriosa no Peru. O que piora ainda mais o status de conservação do animal, já que ele corre o risco de sumir da natureza. 
  • Além da poluição do seu habitat, este é caçado devido aos “poderes” que tem. Muitos acreditam que ele pode curar infertilidade, anemia, asma, tuberculose e osteoporose, mas nada disso é comprovado cientificamente. Ele também é uma iguaria na gastronomia da região onde vive. 
Rã-do-Titicaca
Rã-do-Titicaca

As rãs mais venenosas do mundo

Apesar desse não ser o caso da titicaca, ela tem algumas primas bem venosas, e nós vamos conhecer alguns exemplares logo a seguir. 

1 – Granulada 

Encontrada no Panamá e na Costa Rica, este indivíduo gosta de viver em florestas úmidas tropicais. Apesar de pequeno, é venenoso. Essa substância fica guardada em sua pele, sendo assim, não é uma boa ideia pegá-lo na mão.
Um fato interessante é que muitas espécies desse grupo são coloridos justamente para avisar que são tóxicos, um sinal que acaba sendo mais que suficiente para possíveis predadores.

2 – Fantasma 

Com apenas 2,5 centímetros de comprimento, este animal está em extinção. Com cores chamativas, ela pode ser vista em florestas tropicais e subtropicais, assim como em plantações de cacau e banana.
Seu veneno é mais que capaz de matar um bicho de pequeno porte ou até um humano. Isso é possível graças a um analgésico chamado de epibatidina, que é 200 vezes mais forte que a morfina. 

3 – Rã dardo venenosa azul 

Encontrada em florestas cercadas por savanas na América do Sul e no norte do Brasil, essa criatura pesa 8 gramas e mede até 5 centímetros de comprimento, com as fêmeas sendo maiores que os machos. Uma das características que mais chama atenção, além da sua cor e ela ser venenosa, é uma corcunda que tem nas costas. Apenas duas gramas da sua toxina já é letal, este paralisa e mata sua vítima. Mas um fato interessante é que, segundo biólogos, ela pode deixar de ser venenosa de tiver sua dieta alterada. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *