Home / Informações / Quais São as Características do Corpo do Pterodáctilo?

Quais São as Características do Corpo do Pterodáctilo?

Quando você vê esse nome, logo o relaciona aos dinossauros, certo? Bom, esse é um equívoco comum, provavelmente reforçado pelos filmes de Steven Spielberg, que apenas mostra os animais, mas não oferece nenhuma explicação sobre eles. 

Por mais que eles apareçam em todos os filmes do Jurassic Park e são apresentados como dinossauros, na realidade, eles não são. Ah, e também não são as primeiras espécies de aves, igualmente. Na verdade, eles são répteis voadores. Eu sei, parece difícil de acreditar, mas como estamos falando da natureza e de uma época onde bichos que tinham a altura de um prédio de seis andares, tudo é possível. 

Sobre o pterodáctilo

Chamado cientificamente de Pterodactylus antiquus, a espécie foi um réptil voador pertencente a ordem Pterisaurina. Ele viveu nas regiões onde hoje fica a Europa e a África, durante o Jurássico Superior, há mais ou menos 150 milhões de anos atrás. Era um indivíduo carnívoro que provavelmente se alimentava de peixes e outros pequenos animais. Ele faz parte do grupo dos pterossauros, ou seja, conjunto onde está reunido os répteis que conseguiam voar. Comparado com os seus parentes, a sua envergadura é bem modesta. Ele media entre 50 a 75 centímetros, tendo um corpo delicado e leve, com uma massa de apenas dois quilos. 

Pterodáctilo
Pterodáctilo

Descoberta do primeiro fóssil 

Pode ser considerado uma das primeiras espécies descoberta pelos cientistas. O primeiro fóssil deste bicho foi encontrado em 1786 – a primeira de todas ocorreu mais de 100 anos antes, em 1676. Esse é basicamente o começo da descoberta dos dinossauros pela raça humana. 

Este conjunto de ossos foi localizado na Alemanha, em Solnhofen, pelo naturalista italiano Cosmo Alessandro Collini. Como era tudo novo, a descrição feita por Collini foi errônea. Foi somente em 1801 que o indivíduo recebeu o nome que conhecemos hoje: pterodactylus. Ele foi dado pelo zoologista e também naturalista francês George Cuvier. 

Com esse achado, o bicho se tornou o primogênito do gênero de réptil voador a ser descrito e, por causa disso, ficou muito famoso, tanto na sociedade científica, quanto popularmente, sendo um dos personagens em Jurassic Park, tanto na primeira trilogia, quando na nova fase, conhecida como Jurassic World. 

Ele estava preservado em calcário litográfico. Obviamente que na época, além de ter sido a descoberta de uma nova espécie, o que com certeza deve ter espantando os cientistas foi o nível de preservação, que é considerado excepcional, isso porque foi possível observar a impressão dos tecidos moles, o que é uma situação muito difícil de ocorrer. Entre os muitos detalhes visto pelos especialistas, está a clara presença de penugem no pescoço da criatura, muito semelhante a pelos. Já as asas eram feitas de uma membrana que permitia o voo e os adultos tinham uma crista na cabeça, sua maior característica. Porém, como a maioria dos ossos achados são de jovens, esses exibem este traço pouco desenvolvido ou ausente. Fósseis da mesma espécie também foram desenterrados na Inglaterra, França e Tanzânia. 

Pterodáctilo na cultura popular 

Na maioria das vezes, as informações passadas em conteúdos da cultura popular estão incorretas, como acontece em Jurassic Park. Se pesquisarmos a fundo todas os dados divulgados pelos filme, veremos como boa parte trata-se apenas de uma forma de deixar o longo mais interessante, do que fatos verídicos. E isso é algo que também acontece com o pterodáctilo. Bom, o primeiro de tudo é que provavelmente a maioria das pessoas acreditam que o animal é um dinossauro, coisa que não é verdade, como já foi explicado aqui. Outro engano muito comum é achar que o grupo de pterossauros é composto exclusivamente de pterodáctilos, o que não é verdade. Na realidade, ele nem pertence a esse gênero. 

Um claro exemplo disso é um filme chamado Pterodactyl – A Ameaça Jurássica, lançado em 2005. Apesar do nome, se você observar mais atentamente, os traços apresentados estão mais próximos do Pteranodon do que deste outro. Este acima realmente faz parte do grupo dos pterossauros. Isso normalmente acontece porque além do primeiro nome ser muito mais conhecido, fisicamente falando, o pterodáctilo não era grande o suficiente para ameaçar a vida de ninguém, o mesmo não podemos dizer do pteranodonte, que teria mais proporção para ser um assassino de seres humanos. 

O mesmo erro pode ser visto em séries de tv. Bom, como se sabe, o intuito da cultura pop ou popular, é mais entreter do que falar a verdade. Então isso é algo muito comum de acontecer. Se você se interessa por esse mundo, o melhor a se fazer é procurar por maiores informações na internet ou nos livros. 

Maior réptil voador do mundo 

Recentemente, no Canadá, foi descoberto a maior espécie de réptil voador da história. Na verdade, o fóssil foi achado há cerca de 30 anos atrás, mas só foi identificado atualmente. Depois de uma longa análise, ele foi nomeado de Cryodrakon boreas, que significa dragão congelado do vento do norte. E este título não é por acaso. Suas asas tinham uma tamanho de quase 10 metros e por esse motivo ele foi considerado o maior réptil voador já encontrado. Segundo os pesquisadores, o animal é uma das duas espécies de pterossauros gigantes que existiu na América do Norte. Sua extensão era bem próximo a de um avião de pequeno porte. 

Segundo o estudo, ele era capaz de atravessar oceanos inteiros e sua dieta era composta de criaturas igualmente grandes, como lagartos e filhotes de dinossauros. Na época em que viveu por aqui, a paisagem observada no Canadá era muito diferente da atual. Naquela época, o local tinha um clima mais temperado e bem mais quente que hoje. 

Junto com o boreas, outra ossada de pterossauro gigante foi achada, um quetzalcoatlus northropi. Este media cerca de 10,5 de uma ponta a outra dá asas. Ambos apresentam cabeça grande e um pescoço comprido, com um corpo muito parecido com o da girafa.

É muito interessante como podemos observar traços de animais atuais em criaturas que viveram há milhões de anos atrás, mesmo eles não fazendo parte do mesmo gênero ou grupo. 

Gostou? Não esqueça de compartilhar!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *