Home / Informações / Piolho-de-Cobra: Características, Tamanho e Peso

Piolho-de-Cobra: Características, Tamanho e Peso

Quem já mexeu, brincou na terra, fez aquela jardinagem ou então em dia úmido e chuvoso, viu um serzinho de “mil patas” vagando lentamente por aí, com certeza ouviu falar em piolho de cobra, ou então em embuá, gongolos ou ainda em maria-café. O mero pensamento ainda traz medo e desgosto para muitas pessoas, devido a crenças e por seu aspecto. Mas não se engane, o artrópode, apesar de sua forma não ser agradável e pelo receio de ser venenoso, devido a seus familiares próximos, não tem a maioria das características de seus entes, como a lacraia ou centopeia, o piolho de cobra tem grande importância em relação a produção de adubo orgânico e é inofensivo.

Em ação conjunta com as minhocas, os piolhos de cobra, contribuem para a decomposição da matéria orgânica presente no solo. Suas fezes atuam intensificando a ação de microrganismos no processo de mineralização, juntamente com seu habito móbil superficial e subterrâneo, influenciam a natureza física do solo e interferem na umidade, transporte de substâncias e na porosidade do local.

Apesar do termo preocupante, ele não tem qualquer relação com as cobras. Na verdade, ele recebeu o nome de piolho de cobra por ser bastante articulado e por se enrolar como uma espiral quando ameaçado. Este ser inofensivo é um artrópode definido como miriápode, devido ao seu número de pés, de formato cilíndrico, segmentado, da classe Diplopoda, conhecido cientificamente pelo nome Lulus sabulosus cylindroiulus.

Quais as principais características dos piolhos de cobra?

Sua maioria tem como características morfológicas, possuir 30 ou mais pares de pernas robustas e em cada segmento, ter dois pares de patas e dois pares de espiráculos respiratórios. Ha uma certa divergência quanto a divisão de seu corpo, podendo ser dividido apenas em cabeça e tronco ou em cabeça, tórax e abdome. Sua cabeça apresenta um par de antenas, um par de mandíbulas, maxilar e um par do que chamamos de olhos compostos ou grupo de ocelos. Sua coloração varia entre preto, marrom, alguns apresentam colorações mais chamativas, como vermelho e tons alaranjados e curiosamente, alguns diplópodes são luminescentes.

Seu sistema respiratório é composto pela traqueia, esta liga-se as fibras musculares que atuam se contraindo e estimulando a entrada de ar pelos espiráculos da própria traqueia. Sua circulação é classificada como aberta, ou seja, o “sangue” incolor ou com um tom levemente azulado, não passa somente por dentro dos seus vasos, mas circula também por entre os espaços do corpo. Sua principal função é transportar e nutrir todo organismo do animal. Já o sistema digestório desses artrópodes é considerado completo, havendo sim, absorção de nutrientes, formação de fezes e eliminação destas pelo seu ânus.

Piolho-de-Cobra
Piolho-de-Cobra

A classe dos diplópodes ainda, podem apresentar três tipos de glândulas de defesa, variando conforme sua morfologia e substância produzida. O tipo 1, característico dos seres da ordem Glorerida, quando atuante, produz substancias com efeito sedativo e tóxico contra seus predadores. O tipo 2 é encontrado na maioria dos artrópodes da ordem Diplópode, caracterizando-se por produzir uma grande variedade de substâncias químicas. E por fim, mas não menos importante, podemos encontrar seres, exclusivamente da ordem Polydesmida, que são capazes de realizar a síntese dos compostos chamados cianetos.

Atualmente existem aproximadamente 10.000 espécies de diplópodes, variando em tamanho, entre 2 mm (milímetros) a 30 cm (centímetros). Apesar de estar na mesma família que a centopeia, por exemplo, o piolho de cobra, não possui veneno em suas glândulas. Na verdade, quando se sentem ameaçados, eles produzem uma substância, liberando quinolonas e outros agentes pigmentados e irritantes, geralmente com odor forte para afastar os possíveis predadores.

Todos da classe diplópodes são de vida terrestre, presentes no mundo todo, predominantemente na América do Norte. Eles podem ser divididos em 5 tipos eco morfológicos: os roladores, os escavadores, os que moram em cascas de arvores, os perfuradores e os de forma de cunha. Esta classificação ajuda a revelar, como eles vivem e principalmente qual seu habitat.

No caso do piolho de cobra, seu habitat é em locais úmidos, frescos e com pouca luminosidade, geralmente com presença de matéria orgânica em decomposição. Sua alimentação consiste deste material, sendo eles restos vegetal e/ou animal.

Piolho-de-Cobra
Piolho-de-Cobra

Como se reproduzem?

Em relação a reprodução desses animais, é importante colocar que eles apresentam como característica, aberturas externas, na porção anterior de seu corpo, chamados de progoniados. O processo de acasalamento entre o macho e a fêmea, consiste nele agindo demonstrando suas intenções e se identificando. Geralmente realizando batidinhas em suas antenas ou cabeça, produzindo feromônios ou então se fazendo presente pela estridulação (som realizado pelo esfregar de certas partes do corpo).

Quando aceito pela fêmea, a fecundação acontece no momento da postura dos ovos. O número de ovos depositados pode variar entre 10 a 300 ovos, por postura. Algumas espécies constroem ninhos para depositar seus ovos e mantê-los protegidos de possíveis predadores. Outros produzem e expelem uma substância colorida sobre os ovos para defende-los. O desenvolvimento desses artrópodes é de forma anamórfica, ou seja, quando os ovos eclodem, após semanas, os miriápodes apresentam somente os três primeiros pares de patas e sete anéis em seu tronco.

Porque brilha no escuro?

A principal curiosidade sobre estes seres, além da questão da produção ou não de veneno, que já foi descartada, é o fato de os piolhos terem a capacidade de bioluminescência na escuridão da noite. Parece coisa saída de filme de terror ou de ficção científica, mas este fenômeno interessante tem explicação. A sua habilidade de emitir luz própria, pelo incrível processo de evolução ao longo dos séculos, apresenta uma coloração azulada e surge a partir da síntese de uma substância química, denominada cianeto. Esta por sua vez, é liberada por uma glândula e tem por objetivo espantar e alertar os possíveis predadores à espreita, como as próprias cobras, ratos e lagartos. No calar da noite, os piolhos de cobra, podem ser vistos como pontinhos brilhantes, espalhados pelo solo de jardins e florestas. Então se vir estes pontinhos de luz andando ou enroladinhos, não se preocupe, é só um piolho de cobra se protegendo e iluminando seu caminho.

Referências:

  1. http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0365-05962010000300018

  2. http://www.biologico.sp.gov.br/uploads/docs/bio/v63_1_2/garcia.pdf

  3. https://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/CNPAB-2010/33059/1/doc199.pdf

  4. https://www.gpabrasil.com.br/biologia/piolho-de-cobra/

  5. https://www.portalsaofrancisco.com.br/biologia/chilopoda-e-diplopoda

  6. https://www.estudokids.com.br/piolho-de-cobra-caracteristicas-veneno-e-fotos/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *