Home / Informações / Peixes Machadinha: Características, Curiosidades e Fotos

Peixes Machadinha: Características, Curiosidades e Fotos

Com certeza você já deve ter ouvido falar naqueles animais que vivem no fundo do mar, certo? Além dessa capacidade extraordinária de poder morar em locais com pressões que nenhum humano suportaria, a maioria deles, não sei se por pura coincidência, exibem uma aparência para lá de diferente, e o mesmo acontece com o peixe machadinha. 

Chamado cientificamente de Argyropelecus hemigymnus, este indivíduo mora em regiões com 250 a 600 metros de profundidade. 

Peixe Machadinha
Peixe Machadinha 

Características do peixe machadinha 

Com cerca de 3 a 3.9 centímetros de comprimento, esta criatura tem algumas adaptações especiais devido o local que mora, como boca e estômago grandes, o que facilita a ingestão de alimentos maiores que si próprio. Ele também é dotado de um esqueleto fino e leve, com a presença de poucos músculos, isto acontece para que a pressão do seu habitat não afete o seu corpo. 

Machos e fêmeas apresentam dimorfismo sexual, com os animais de sexo masculino tendo um olfato mais desenvolvido que as ninfas. 

A maturação sexual da espécie acontece quando a criatura chega aos 22 milímetros de comprimento. Ele se alimenta zooplâncton, principalmente camarões de sementes e crustáceos. 

O que é zona abissal 

Por mais que a humanidade tenha alcançado grandes feitos, muito do nosso próprio planeta ainda não foi explorado pelos seres humanos por complicações técnicas, digamos assim. Como é o caso das zonas abissais ou regiões muito fundas dos oceanos. Mas mesmo nos impedindo de chegar até lá por motivos óbvios – pressão -, os cientistas conseguiram provar que existe vida nestas zonas de profunda escuridão, com cerca de 4 mil metros de profundidade. Local de moradia de muitos animais, inclusive do peixe machadinha. 

Essas áreas chamadas de abissais ou abissopelágicas, são lugares dos oceanos que tem uma profundidade entre 4 e 6 mil metros. 

É tão fundo que a luz do sol não consegue chegar até lá, por isso são lugares escuros e muitos frios, com escassez de comida e pressão hidrostática gigantesca. E justamente por causa disso que a vida por lá não é muito abundantemente, mas ainda é possível. Como não existem plantas no local, devido a falta de luz e, consequentemente, não realizando fotossíntese, as criaturas que habitam esta área consomem restos de vão descendo até às camadas mais superficiais. 

Os animais que moram nestas zonas abissais são especiais porque possuem características únicas, como a bioluminescência. Isso acontece por meio de bactérias, antenas e até pela pele do bicho, que produz a própria luz. Esta é usada para caçar, afastar predadores e também para a comunicação. 

Outra característica desses bichos é o seu tamanho, com alguns chegando ter 1,5 metros de comprimento, como as aranhas do mar, por exemplo. Ou os crustáceos, que chegam a medir 50 cm.  

Muitos ainda são cegos ou têm olhos disfuncionais, devido a escuridão. Assim como bocas e dentes gigantes, maiores que seus próprios corpos e estômagos dilatáveis, com o poder de ingerir presas maiores que si mesmos. 

Os animais das zonas abissais 

Agora que descobrimos o que é zona abissal, vamos alguns de seus moradores. 

1 – Pescador fanfin 

O peixe Caulophryne jordani pertence a família Caulophrynidae. Ele mede cerca de 5 a 40 centímetros de comprimento, exibindo uma boca gigantesca com dentes afiados e no mínimo assustadores. É redondo e apresenta órgãos sensíveis em formato de espinhos, estes servem para detectar os movimentos de suas presas. Já suas antenas atraem e prendem sua comida. 

2 – Tubarão-cobra 

O Chlamydoselachus anguineus é considerado um fóssil vivo, isso porque ele é uma das espécies mais antigas do planeta e que não sofreu nenhuma mudança durante a sua evolução desde a pré-história. Ele é grande, com até 2 metros de comprimento, embora alguns exemplares cheguem aos 4. Sua mandíbula conta com 25 fileiras com 300 dentes. É uma criatura forte, o que faz com que ele consiga consumir indivíduos bem maiores que ele. 

Ainda apresenta seis brânquias e nada com a boca aberta. 

Sua alimentação é composta de tubarões, lulas e peixes. 

3 – Polvo-dumbo 

O nome de Polvo-dumbo é utilizado para nomear os animais do gênero Grimpoteuthis dentro da ordem dos octópodes. A nomenclatura advém de uma característica física notável na criatura: duas barbatanas que ficam sobre sua cabeça, parecendo que ele tem grandes orelhas como o elefante Dumbo, do desenho animado. Mas estas, na verdade, servem para dar impulso para o animal quando ele precisa nadar. 

Vive entre 2 a 5 mil metros de profundidade e se alimenta de caracóis, vermes, copépodes e bilvaves, tudo isso graças a suas “orelhas de Dumbo”. 

4 – Tubarão-duende 

O Mitsukurina owstoni surpreende por seu tamanho. Ele pode medir até três metros. Outro destaque característico é sua mandíbula que se projeta para frente e é repleta de dentes bem afiados. Essa projeção acontece quando ele abre a boca. Sua dieta é composta de caranguejos, cefalópodes e peixes teleósteos. 

5 – Peixe diabo-negro 

Com 20 centímetros de comprimento, o Melanocetus johnsonii ou peixe diabo-negro mora entre os mil e três mil e seiscentos metros de profundidade. Além de ter uma aparência que com certeza nos assustaria se ele vivesse próximo a superfície, ele ainda possui um corpo gelatinoso, o que deixa o animal ainda mais estranho. 

Esta entre as espécies que brilham no escuro. Usa essa luz para iluminar o ambiente a sua volta. 

6 – Peixe-dragão 

O Peixe-dragão (Stomias boa) detém uma corpo longo e plano, com cerca de 40 centímetros de comprimento. Mais um bicho com uma boca grande e dentes longos e afiados. E eles são tão desproporcionais que muitos indivíduos mal conseguem fechar a boca. 

7 – Verme-de-pompéia 

Exigindo tentáculos na cabeça e com uma aparência “peluda”, o Verme-de-pompéia (Alvinella pompejana) mede cerca de 12 cm. Ele vive grudado em paredes das fontes hidrotermais vulcânicas, nas fossas oceânicas. Um fato interessante sobre ele, além do seu local de moradia bem horripilante, é que ele consegue tolerar uma temperatura de cerca de 80 graus. 

8 – Peixe-víbora 

Com um corpo alongado e com cerca de 30 cm de comprimento, o Chauliodus danae vive numa região com 4.400 metros de profundidade. Tem dentes mais afiados que agulhas, que utiliza para atacar sua presa logo depois de atraí-la com sua “luz”, que emana de todo o seu corpo. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *