Home / Informações / Pássaro Mutum Amazônia

Pássaro Mutum Amazônia

1O mutum é uma espécie de ave da família Cracidae e ordem galliforme, é encontrado no norte do Brasil, leste da Colômbia, oeste da Guiana e sul da Venezuela.

Família Cracidae

A família Cracidae inclui a ordem Galliformes, abriga nove gêneros. São consideradas a avifauna mais antiga do hemisfério sul, aparentemente tendo início no Cretáceo. O fóssil mais antigo atribuído à família é datado do Eoceno (é a segunda época da era Cenozoica, está compreendida entre cerca de 55 milhões de anos atrás e cerca de 36 milhões de anos atrás). No Brasil os fósseis mais antigos são datados do Pleistoceno (período quaternário que ocorreu entre 1,8 a 11 milhões de anos atrás.

Família Cracidae
Família Cracidae

Os representantes da família Cracidae apresentam características bastante homogêneas, como os demais representantes da Ordem Galliformes. Contudo, podem ser reconhecidos em quatro formas distintas, conhecidas popularmente como: “aracuãs”, “jacus”, “jacutingas” e “mutuns”. São aves relativamente grandes e fortes, podendo chegar a 92 cm e pesar 4800 gramas, a menor espécie dentro da família possui em média 400 g e 42 cm de comprimento. Em geral, possuem a cabeça pequena, enfeitada com um penacho ou crista (mais destacado nas jacutingas e mutuns) e o pescoço longo, com uma babela vivamente colorida, como nos jacus jacutingas. Na maioria dos grupos, o bico é fraco e levemente recurvado, embora exista grande variação no tamanho. Além disso, a ranfoteca (menbrana que recobre o bico das aves) dos Cracidae possuem colorações vivas e distintas, além de apresentar uma intumescência na maxila superios ou em ambas.

Cracidae
Cracidae

Descrição física

De uma forma geral, os Cracidae possuem o corpo arredondado, a cauda longa e arredondada na sua extremidade e as asas grandes e fortes apresentam as primárias modificadas, com os vexilos externos bem afilados. Essa assimetria em algumas penas está relacionada à produção de sons quando as aves voam de uma árvore à outra, chamado pelos pesquisadores de “rasgar ou riscar de asas”, bastante característicos dentro do grupo. Os tarsometataros (ossos da pata ou membros posteriores) também apresentam colorações distintas, podendo variar o tom entre o amarelado, córneo avermelhado e cinza-escuro, sendo que nas espécies mais terrícolas como os mutuns são os mais longos e nas mais arborícolas como os aracuâs, jacus e jacutingas, mais curtos. Possuem os dedos compridos, adaptados a empoleirar-se até mesmo em galhos mais finos. A plumagem pode variar do marrom pardo, marcado por estrias, ao negro brilhante, especialmente nos representantes dos gêneros Aburria, Oreophasis e Craxa plumagem críptica é considerada ancestral com relação à plumagem negra iridescente, marcada de branco, que parece ter surgido como uma tendência evolutiva.

Pássaro Mutum Amazônia
Pássaro Mutum Amazônia

Alimentação

São os principais representantes da ordem Galliformes com hábito arborícola, tendo a musculatura peitoral bem desenvolvida, embora a maioria das espécies tenha capacidade de vôo reduzida. Alimentam-se preferencialmente de frutos, folhas e sementes, mas podem variar a dieta com pequenos invertebrados. Os representantes do gênero Penelope e Aburria tendem a buscar as folhas e frutos no alto das árvores, enquanto que os dos gêneros Ortalis, Crax, e Pauxi buscam frequentemente o alimento caído no solo.

Dispersores de sementes

Pássaro Mutum
Pássaro Mutum

Os cracídeos são importantes dispersores de sementes, sendo as espécies arborícolas as mais eficientes nesse papel, contribuindo fortemente na manutenção e regeneração de florestas. As espécies terrícolas e de maior porte como os mutuns são consideradas mais destruidoras do que dispersoras de sementes. Também impacta econômica e culturalmente como fonte de proteína para as populações humanas.

Degradação florestal

Os cracidae são sensíveis à degradação florestal, sendo considerados “bioindicadores de habitats”. As aves de grande porte, como os mutuns, e as jacutingas, necessitam de grandes áreas em bom estado de conservação, onde existam árvores frutíferas de grande porte, além de oorrerem em baixa densidade populacional.  Além disso, os cracidae pertencem ao grupo das mais importantes aves cinegéticas, servindo como fonte alimentar de diversas comunidades tradicionais e indígenas tropicais.

Bioindicadores de habitats
Bioindicadores de habitats

Extinção

Atualmente, fazem parte do grupo de aves mais ameaçadas de toda a América Latina, em decorrência da caça indiscriminada e do desmatamento. Mais de um terço das espécies está ameaçada de extinção e as demais se encontram com status vulnerável ou em perigo.

Reprodução

Os cracídeos são em sua maioria monogâmicos, com o macho e a fêmea participando da confecção dos ninhos, os quais são construídos na maioria das vezes, no alto das árvores. A fêmea tem de dois a quatro ovos de coloração branca e a incubação fica entre os 27 dias a 32 dias. Os filhotes ao nascerem já estão super desenvolvidos, de olhos abertos e com a plumagem criptica.

Família Cracidae
Família Cracidae

Descrição física

O comprimento médio é de 84 cm. A plumagem tem coloração azul preto, as laterais, a barriga e a ponta da cauda são marrons. O bico é suavemente arqueado e comprimido vermelho. As pernas são de cor laranja. Há dimorfismo sexual, as fêmeas são um pouco menores e diferentes na aparência. O macho é entre 77 cm e 93 cm e pesa entre 2 a 3 kg. O seu bico é semelhante ao das galinhas domésticas curto, forte e ligeiramente curvo.

Cracidae Físico
Cracidae Físico

As penas são geralmente bonitas e nutridas. Eles têm grandes pernas fortes particularmente adequados para a locomoção terrestre e movimento ao longo dos galhos das árvores, com três dedos da frente e um esporão forte, tudo na mesma altura. As asas são relativamente curtas e arredondadas. Seu vôo é baixo e de curta duração, horizontalmente. Os machos produzem um zumbido (vocalização) muito baixa frequência, que é a sua canção territorial. Durante a estação seca ficam agrupados, mas o resto do ano permanecem separados em casais ou solitários.

Distribuição geográfica

Eles vivem na floresta tropical perto de riachos, do sul do México até o Brasil e Paraguai.

Fotos de Pássaro Mutum Amazônia e Família Cracidae

E aí, gostou? Compartilhe esse texto com os seus amigos! Combinado? Saiba que todos os dias aqui no blog tem conteúdo atualizado sobre o mundo animal. Caso você queira receber artigos exclusivos no seu e-mail como este post, é só se inscrever em um campo que fica à sua direita na tela. Antes de fechar esse post, sugiro que você deixe sua opinião, sugestão ou exponha alguma dúvida logo abaixo, nós com certeza leremos todos os comentários e responderemos.

Um abraço! Até breve!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *