Home / Informações / Mutum de Alagoas Características

Mutum de Alagoas Características

O mutum de Alagoas, região onde habita, também tem o nome de mutum do Nordeste, outra região onde habita.

O nome da sua espécie é mitu mitu, além das regiões citadas habita somente um país, o Brasil. Fora estas duas regiões, o Pernambuco. Nessas regiões e em seu habitat natural em geral habitam a Mata Atlântica seca e vivem maior parte do tempo no chão, se alimentando de frutos que caem das árvores.

Mutum de Alagoas Como são Classificados

São da família cracidade, família de aves galliformes que têm o habitat em florestas de clima tropical e semitropical em regiões da América em geral, que inclui os mutuns. As aves desta família, têm a aparência parecida com os perdizes e faisões, também presentes na mesma família, geralmente com penas negras, topetes e bicos coloridos. Seu gênero é o mitu, em que além dele são pertencentes outras três espécies de mutuns, o Mitu tomentosum, o Mitu Salvini e o Mitu tuberosum.

Como Estes Pássaros se Parecem

O mutum de Alagoas, como uma típica ave galliforme, tem o porte médio, mede cerca de oitenta e três centímetros de comprimento e pesa cerca de dois quilos e meio a três quilos.

É uma espécie um tanto tardia quanto a reprodução, a fêmea atinge a maturidade sexual somente aos três anos de idade.

Quando acasala e reproduz põe somente dois ovos por postura em ninhos construídos a uma distância média do chão, bem escondido entre folhas e galhos. Caracteristicamente seus ninhos não são fofos e confortáveis, como os da maioria das espécies de pássaros, são práticos já que os filhotes acabam saindo bem cedo do ninho, assim que os ovos eclodem e os mesmos nascem.

Mutum de Alagoas Estão Extintos

O texto seria muito melhor se estivéssemos falando de uma ave encontrada na natureza vivendo de forma selvagem em seu habitat, mas não é o que acontece atualmente, a última vez em que foi vista desta forma na natureza foi em 1970 com a população de cerca de somente vinte mutuns, a partir desta data, só é vista vivendo em cativeiros que têm o mesmo objetivo, preservar a sua espécie considerada extinta. Atualmente oito instituições participam desta ação nacional, o Crax (Sociedade de Pesquisa da Fauna Silvestre), localizada em Minas Gerais, onde das duzentas e cinquenta aves desta espécie, duzentas estavam sendo preservadas, o Criadouro Científico e Cultural Poços de Caldas, também localizado em Minas Gerais, O Instituto Pauxi Mitu, localizado em São Paulo, o Criadouro fazenda Cachoeira, também localizado em Minas Gerais, o Zoológico Foz do Iguaçu, localizado no Parque das Aves, no Paraná, o Zooparque, também localizado em São Paulo, o Zoológico de Sorocaba, também localizado em São Paulo e o Criadouro Onça Pintada localizado no Paraná.

Seis anos depois dos últimos mutuns desta espécie serem avistados, em mil novecentos e setenta e seis, tomando conhecimento da sua quase extinção na época, o criador Pedro Mario Nardelli, conseguiu encontrar somente uma espécie deste mutum, em Alagoas, uma fêmea e preservar, mas pouco tempo depois a ave veio a óbito, três anos depois, em mil novecentos e setenta e nove, o mesmo acabou achando mais cinco mutuns de Alagoas mais uma vez, novamente em Alagoas, em que formou dois casais já que para preservar a espécie seria necessária a reprodução, reprodução esta que além de serem estimuladas entre a mesma espécie, era misturada com a espécie de mutum de cavalo, gerando híbridos, mas somente um casal e outra fêmea com o mesmo macho do primeiro casal acabou se reproduzindo. Na época ele criou, reproduziu e preservou estas espécies em seu aviário, chamado de Criatório Nardelli, localizado no Rio de Janeiro, onde somatizou mais de duzentas espécies, instituto este que futuramente viria a ser o citado Crax, por motivo de falência da instituição.

O que a levou a este fato, foi a caça ilegal, (lembrando que caçar animais silvestres para criação, para consumo ou para a comercialização sem regulamentação do IBAMA é crime) e o desmatamento do seu habitat para a plantação de cana de açúcar que estava em ascensão na época. Este caso se torna ainda mais triste pela questão de ser um dos primeiros casos de extinção de uma espécie de animal por interferência do homem na natureza. A sua reintrodução seria necessária para assegurar a preservação da espécie, mas atualmente seus habitats naturais se encontram praticamente desmatados. Neste caso, além de uma reintrodução, seria necessário proteger a área e reeducar a população para não acabar caçando os poucos mutuns desta espécie restantes.

Apesar destas condições, em dois mil e dezessete, um casal de mutum de Alagoas foi reintroduzido a natureza, em um viveiro garantindo a sua segurança em seu habitat natural , local este muitos metros quadrado. Em dois mil e dezoito, mais três casais foram expostos ao mesmo viveiro, em Alagoas e foi aberto a visitação pública. O mutum de Alagoas não é a única ave galliforme a ser extinta da natureza, tempos depois muitas outras espécies desta mesma ordem já foram extintas devido a caça ilegal para o abate e consumo de carne por parte da população local.

Responsabilidade Socioambiental

Culturalmente algumas espécies desta mesma ordem são criadas para o consumo de seus ovos e abate para o consumo de sua carne, como a galinha nos dois casos e o peru, com a última finalidade. Mas porque mutuns de Alagoas foram extintos e galinhas e perus não?

Estas aves não foram extintas porque de certa forma se adaptaram a esta cultura e são reproduzidas em massa em indústrias de carne. Algumas outras espécies de animais são vítimas da caça ilegal e acabam sendo extintas pelo mesmo motivo, como muitas espécies de pássaros criados por amadores e muitas vezes para a comercialização ilegal. Por isto se um dia você se interessar por ter alguma ave silvestre, se lembre que é necessário o reconhecimento do IBAMA por parte do vendedor que você que estará comprando, pois assim se tem o controle de quantas espécies existem na natureza e qual a situação dela para medidas nacionais serem tomadas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *