Home / Informações / Lêmure Aye-aye: Características, Curiosidades e Fotos

Lêmure Aye-aye: Características, Curiosidades e Fotos

O Daubentonia madagascarienses também conhecido como aie-aie ou ai-ai, é um primata originário de Madagascar.
Ele é o único representante vivo da família Daubentoniidae.

Características gerais do Lêmure Aye-aye

De hábitos noturnos, esse bicho passa a maior parte do seu dia em árvores.
Tem um corpo coberto de pelos pretos e olhos amarelos e esbugalhados, que permitem que o animal enxergue muito bem a noite. 

Nas patas possui um dedo maior que os outros, e isto não é à toa. Este serve para que o bicho consiga capturar larvas em buracos nas árvores. Ele também é usado na hora que o animal vai beber algo e também na limpeza de sua boca. Este terceiro dedo fino e comprido se mexe com muita rapidez. Segundo os cientistas, ele chega a se movimentar a 3,3 cursos por segundo. 

Além disso, também tem a mão grande, que ajuda o ser a se locomover nas árvores, impedindo que ele caia no chão e pule de galho em galho.
Na juventude, tem uma focinho prata e curto, com o nariz rosado,  e uma faixa embaixo das costas. A ponta de seus pelos – estes são longos e grossos – costumam ser brancos, principalmente nas costas e na cabeça. No resto do corpo é amarelo ou castanho. 

Lêmure Aye-aye
Lêmure Aye-aye 

É uma espécie grande, pode medir de 36 a 46 centímetros de comprimento, sem a cauda, está adiciona mais 61 centímetros ao animal. O peso pode chegar a um quilo e oitocentas gramas.
Suas orelhas são cinzas, triangulares e móveis, ajudando na localização das larvas.
Seus dentes incisivos são grandes e continuam crescendo durante todas a vida do Aye-aye. Estes exibem revestimento de esmalte apenas na parte da frente. A criatura usa sua dentição para roer a madeira e ter acesso mais facilmente as larvas, parte da sua alimentação, como já dito. Este também serve para perfurar nozes e frutas com cascas duras. 

Glândulas e mamilos inguinais é uma característica única neste indivíduo. A fêmea ainda apresenta ovogênese – formação de gametas –  por toda a sua vida.
Outro fator interessante neste primata é que ele possui o maior cérebro entre os prosimianos. E, assim como os felinos, exibe uma membrana nictante que umedece os olhos contra o ressecamento e a sujeira, além de pedaços de madeira, já que o bicho tem costume de roer tal material.
É uma criatura de sangue quente e consegue manter a temperatura do seu corpo de forma constante. 

Distribuição e habitat 

O Lêmure Aye-aye só pode ser encontrado na Ilha de Madagascar, no sudoestes da África.
Ele gosta de ficar nas florestas tropicais no leste da região, mas é possível encontrá-los em outros locais devido a introdução artificial da espécie com intuito de conservação do primata. 

Se adapta muito bem a diferentes ambientes, inclusive aqueles afetados pelos humanos. Mas prefere as florestas perto do mar, assim como as secundárias e campos de plantações.
Contanto que o local tenha árvores para ele construir seu ninho, ele é visto até em zonas arbóreas secas. 

Alimentação

Ele é do tipo onívoro, consumindo animais e vegetais, mas isso vai variar de acordo com a disponibilidade de alimento na região que mora. A dieta também pode mudar de conforme a estação do ano. Nas meses de frio, por exemplo, ele consome cancros nas árvores. Já no verão prefere sementes e néctar.  

Lêmure Aye-aye
Lêmure Aye-aye

Comportamento 

Como dito, passam a maior parte de suas vidas nas copas das árvores e raramente descem ao chão. Tem hábitos noturnos, já durante o dia é visto em seus ninhos, dormindo. Quando a noite cai, passe metade desse tempo se locomovendo ativamente, e na outra comendo, se limpando, descanso ou se reproduzindo. Inclusive, na hora do repouso pode passar uma hora empoleirado de cabeça para baixo 

Tem um único predador, a Fossa.

São solitários, dormindo sozinhos e dificilmente dividem seu ninho com um parceiro, mas pode acontecer.
Costuma emitir vários sons para se comunicar entre si, como gemidos, por exemplo. Quando precisam fugir de predadores, produzem um grito parecido com um hai-hai. 

Reprodução do Aye-aye

Não são monogâmicos, e tanto as fêmeas quanto os machos podem cruzar com diversos parceiros. Sua temporada de reprodução é relativamente grande, entre outubro a fevereiro.
O cio dura de 21 a 65 dias e durante esse tempo a fêmea passa por uma mudança no seu corpo, com a vulva ficando maior e mais vermelha – está normalmente é pequena e cinza. 

A gestação ocorre pelos próximos 152 a 172 dias, com os bebês nascendo entre fevereiro e setembro. Estes nascem com 90 a 140 gramas, com os pelos bem parecidos com os dos adultos, mas seus olhos apresentam uma coloração mais esverdeada, já as orelhas ficam posicionadas nas laterais de sua cabeça e são mais visíveis.
Essa reprodução não acontece todo ano. As mães costumam ter um período de descanso de 2 a 3 anos, entre uma ninhada e outra. Isso acontece por elas dedicam seu tempo cuidado dos filhotes até que eles se tornem independentes, com um nascendo a cada ciclo. Este mama até a vigésima semana de vida, já a maturidade sexual ocorre aos dois anos e meio de idade, nos machos, e quase aos quatro nas fêmeas. 

Lêmure Aye-aye
Lêmure Aye-aye

Curiosidades 

  • Existe uma única espécie que chega próximo do Aye-aye, o Daubentonia robusta, mas este está extinto há mais de mil anos. 
  • Acredita-se que esse ser foi o responsável pela criação da palavra “lémur”, que em latim quer dizer “espírito noturno”. 
  • Sua predação de larvas têm um importante papel ecológico. Isso porque ele se alimenta dos bebê do besouro de madeira. Ele também é responsável pela dispersão das sementes das frutas. 
  • Em cativeiro consegue chegar aos 23 anos. 
  • Por dia, pode consumir de 240 a 342 calorias. A dieta costuma ser rica em gordura e proteína, principalmente no período de crescimento. 
  • Para encontrar as larvas, ele bate seu dedo na casca da árvore. 
  • Os locais de Madagascar acreditam que ver o Aye-aye é má sorte e por causa disso muitos exemplares foram mortos na ilha. 
  • Em 1933 foi considerado extinto. 
  • Acredita-se que existam 10 mil deles. Com 50 em cativeiros com intuito de preservação da espécie. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *