Home / Informações / Espécies de Esquilos, Curiosidades e Reprodução

Espécies de Esquilos, Curiosidades e Reprodução

Os esquilos constituem um grupo de roedores que formam a família Sciuridae. São mamíferos encantadores de porte pequeno a médio.

Características Gerais e Curiosidades dos Esquilos

Os esquilos são normalmente animais com corpos longos e esguios, pelagem fina e macia e orelhas pontudas. Em algumas espécies, o pelo é mais grosso e espinhoso. A maioria das espécies de esquilos têm bochechas que armazenam alimentos provisoriamente. Esses animais apresentam comportamentos de comunicação muito sofisticados, que inclui gritos, movimentos rápidos, sinalização de cauda, dentre outros que variam de comunicação de advertências a sinais de acasalamento.

Esquilos
Esquilos

As espécies variam bastante em tamanho desde muito pequenos, como os esquilos pigmeus africanos que pesam aproximadamente 10 gramas, até consideravelmente grandes, como as marmotas dos Alpes que chegam a pesar oito quilos. Uma enorme variedade de cores também é observada dentre os esquilos, existindo espécies com pelagem preta, branca, vermelha e marrom. Os esquilos também apresentam a capacidade de mudar a cor da pelagem durante a época de acasalamento.

As características que reúnem todos os esquilos e que são distintivas do grupo são a arquitetura do crânio, a estrutura da mandíbula, que é relativamente primitiva e a posição do canal infra-orbital em relação ao sistema dentário. O crânio é levemente construído, curto, com longos processos pós-orbitais e abertura infra-orbital pequena. Os esquilos apresentam quatro grandes dentes incisivos que são utilizados na alimentação, já que são roedores. Esses dentes crescem continuamente, desde que sejam usados.

Algumas espécies de esquilos apresentam hábito solitário, enquanto outras vivem em comunidades de centenas de indivíduos com estruturas sociais complexas. Os esquilos apresentam um hábito alimentar majoritariamente herbívoro, ingerindo sementes, nozes, frutas e outras matérias vegetais. No entanto, fontes de matéria animal também podem ser ingeridas, como insetos, ovos e pequenos vertebrados.

Tipos e Espécies de Esquilos

Os esquilos constituem um grupo muito diverso que inclui cerca de 280 espécies de esquilos terrestres, arborícolas e voadores. As espécies estão distribuídas em 51 gêneros e em cinco subfamílias que são Ratufinae, Sciurillinae, Sciurinae, Xerinae e Callosciurinae.

A subfamília Ratufinae inclui o esquilo gigante arborícola, Ratufa indica.  A subfamília Sciurillinae é representada pelo esquilo pigmeu Neotropical. O grupo Sciurinae inclui esquilos voadores e os esquilos arborícolas. Em Xerinae podemos encontrar muitos esquilos terrestres. Os Callosciurinae incluem os esquilos de palmeira e esquilos arborícolas asiáticos.

Espécies de Esquilo
Espécies de Esquilo

Existem três morfologias básicas de esquilos. Os esquilos terrestres tendem a ter pernas dianteiras mais largas, curtas e resistentes que são usados ​​para cavar. Essas espécies são geralmente mais robustas que as demais e suas caudas são mais curtas.

Os esquilos arborícolas possuem pernas longas e musculosas, orelhas grandes, caudas largas e espessas, garras afiadas e, às vezes, tufos auriculares bem desenvolvidos. Também apresentam membros com quatro dedos e um polegar vestigial que lhes permitem subir rapidamente nas árvores.

Os esquilos voadores são caracterizados pela presença de uma membrana deslizante que se liga aos membros, se estendendo entre o pulso e o tornozelo, lhes permitindo deslizar entre as árvores. Os esquilos voadores têm os membros mais longos em relação ao tamanho do corpo, em comparação com os demais esquilos.

Distribuição Geográfica e Habitat dos Esquilos

Os esquilos constituem um grupo cosmopolita de roedores, sendo encontrados em ambientes terrestres de todo o mundo, com exceção da Austrália, Madagascar, sul da América do Sul, Antártica, Groenlândia, algumas ilhas oceânicas e certas regiões desérticas, como o Saara. Algumas espécies foram introduzidas artificialmente pelo homem na Austrália.

Os esquilos habitam uma grande variedade de habitats que vão da tundra à floresta tropical, de árvores a tocas subterrâneas. Podem ser encontrados em altitudes muito elevadas de até 5000 metros.

Reprodução dos Esquilos

Os esquilos apresentam um sistema de acasalamento do tipo poliginandria, com vários machos se acasalando com várias fêmeas em uma única estação reprodutiva. Algumas espécies de esquilos vivem em grupos sociais nos quais os machos defendem um pequeno território para atrair as fêmeas. Na América do Norte, muitas espécies apresentam duas épocas reprodutivas a cada ano, de dezembro a janeiro e de maio a junho.

A época de reprodução dos esquilos é marcada pelo desenvolvimento dos testículos nos machos e pelo inchaço das fêmeas. Os machos podem seguir o cheiro deixado pelas fêmeas no cio. Grupos de machos, variando de quatro a nove indivíduos, perseguem uma fêmea de galho em galho a velocidades máximas, comportamento conhecido como perseguição de acasalamento. Normalmente, um macho dominante se destaca dos demais.

Esquilo Reprodução
Esquilo Reprodução

Os esquilos terrestres têm um sistema de acasalamento diferente, já que hibernam durante o inverno. As fêmeas entram no cio logo após a hibernação, marcando o início da estação reprodutiva. A receptividade feminina varia entre as espécies. Os rituais de acasalamento do esquilo terrestre ocorrem no solo ou no ninho.

A gestação dos esquilos varia de 29 a 65 dias, dependendo do tamanho da espécie, sendo que espécies de menores tamanhos apresentam períodos de gestação mais curtos. Nas espécies que hibernam, o desmame dos filhotes deve ocorrer em tempo suficiente para que ganhem peso para a hibernação do inverno.

Filhotes de Esquilos
Filhotes de Esquilos

Todos os esquilos dão à luz a seus filhotes em um ninho. Embora um único macho possa fertilizar uma ninhada inteira, normalmente uma ninhada tem paternidade variada. As ninhadas consistem em uma média de quatro filhotes que nascem sem pelos, com olhos e ouvidos fechados. O desenvolvimento e a maturidade sexual variam entre as espécies, com alguns saindo do ninho após 25 dias e atingindo a maturidade sexual em quase 90 dias, até esquilos que estão completamente desenvolvidos após 42 dias, mas não atingem a maturidade sexual até três anos de idade.  Os esquilos que hibernam tendem a se desenvolver mais rapidamente, com o desmame ocorrendo em menos de 40 dias. Em esquilos arborícolas e voadores, a lactação dura em média 70 dias.

Todos os esquilos nascem dependentes e o cuidado parental envolve o fornecimento de alimento e cuidados. Nas espécies em que as fêmeas se agregam em um grupo, o território pode ser passado a seus filhotes, aumentando as chances de sobrevivência. Em alguns esquilos africanos, as fêmeas compartilham o cuidado de seus filhotes. Na natureza, os esquilos vivem de 8 a 14 anos, embora muitos não chegam a completar o primeiro ano de vida. Esquilos em cativeiro podem viver 16 anos ou mais.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.