Home / Informações / Equidna-de-bico-curto: Características e Curiosidades

Equidna-de-bico-curto: Características e Curiosidades

Para quem se depara com a equidna-de-bico-curto pela primeira vez, pode se assustar com sua aparência um tanto quanto exótica, mas o animal também causa “estranheza” por suas características físicas. Assim como ornitorrinco, é um fóssil vivo, isso ocorre porque a equidna apresenta características de três espécies: mamíferos, aves e répteis.

Na história da evolução, é considerado um verdadeiro sobrevivente de uma época onde os mamíferos estavam se distanciando dos répteis. Esse animal é comumente encontrado na Austrália, onde também são conhecidos como tamanduá-de-espinhos e de equidna-ouriço.

Ao todo, existem três espécies de equidnas; a equidna-de-focinho-curto e mais outras duas chamadas de equidna-de-focinho-longo. No primeiro caso, os de focinhos curtos vivem em regiões da Austrália e na ilha da Tasmânia. Já a segunda e a terceiros são encontradas apenas na ilha da Nova Guiné. Seu habitat natural são as florestas, desertos, montanhas e áreas cultivadas.

Equidna-de-bico-curto
Equidna-de-bico-curto

Características

  • Um dos motivos pelos quais os colocam junto ao ornitorrinco é que, assim como seu “parente” são um dos únicos mamíferos que botam ovos.
  • Suas características físicas diferentes começam pelo corpo atarracado com cauda curta e grossa.
  • A cabeça é pequena e dá a impressão de emergir do corpo sem um pescoço entre esses dois membros.
  • Seu pelo de tonalidade marrom mistura-se com seus espinhos – o corpo coberto de espinhos torna-se uma ótima proteção contra seus predadores -, que podem chegar a 6 centímetros de comprimento, normalmente em tons de amarelo, com as pontas pretas. Porém, alguns apresentam toda a extensão dos espinhos em cores amarelas.
  • Já a pelagem que fica por baixo dos espinhos são escuras, e o ventre é coberto por pelos grossos.
  • Possuem garras fortes, perfeitas para escavação.
  • A boca é pequena, porém, possui uma língua longa e viscosa, o que ajuda bastante no seu tipo de alimentação, composta, principalmente, de formigas e cupins. Além disso, esse espécime não possui dentes.
  • Quanto ao seu cumprimento, a equidna-de-focinho-curto pode medir de 30 a 45 centímetros, pesando de 3 a 6 quilos.
  • Seu focinho reto aponta para frente, o que o diferencia da equidna-de-focinho-longo, que tem o focinho voltado para baixo.
Equidna-de-bico-curto
Equidna-de-bico-curto
  • As equidnas-de-focinho-longo também costumam ser maiores, medindo de 45 a 78 centímetros.
  • No caso da equidna, assim como do tamanduá, o focinho serve mais como uma órgão tátil do que olfativo, isso porque a região é bem sensível, o que ajuda também na forma como ele se alimenta (introduzindo a língua pegajosa em formigueiros ou cupinzeiros).
  • Ambos os sexos possuem uma espécie de esporão nos membros traseiros do corpo, que são ocos e não produzem veneno, ao contrário da espécie Ornithorgtnchus anatinus.
  • Com olhos localizados na base do focinho, isso possibilita a equidna um campo de visão mais voltado para a dianteira.
  • Quanto ao comprimento, seus olhos são pequenos.
  • Os machos apresentam outra curiosidade: não possuem escroto e os testículos ficam na parte interna de seus corpos.
  • Esse mamífero tem uma estimativa de vida grande, normalmente os espécimes chegam aos 45 anos de vida. Porém, uma equidna que viveu no Zoológico da Filadélfia chegou aos 50 anos de idade.

Reprodução

Quanto a reprodução, as fêmeas geralmente geram apenas um único ovo coriáceo por ano. A equidna fêmea carrega esse ovo numa espécie de bolsa ou dobra no ventre, chamada de marsúpio, que surge apenas neste período. Após botar o ovo, ele eclode cerca de 10 dias depois. Passado isso, o filhote continua vivendo nessa bolsa por cerca de dois meses e se alimenta por meio de pêlos especiais existentes no corpo da mãe.

O filhote só consegue ser independente e se alimentar sozinho após ganhar pêlos e espinhos. A partir disso, ele está apto a achar sua comida por si só. Isso acontece, normalmente, no sexto mês de vida do pequeno equidna. Este, porém, só se torna adulto com um ano e meio de vida.

O período de reprodução desse mamífero ocorre entre os meses de junho a agosto. Apesar de ser “procurada” por diversos machos, a fêmea forma um casal fixo durante o período reprodutivo. 

Este é um animal de costumes noturno e diurno. Durante o dia, fica escondida dentro de tocas cavadas na terra. Essa toca também serve para sua hibernação, que ocorre do início de outubro até o fim da primavera.

Outra coisa que o difere de outras equidnas, é o seu tamanho, é considerado o menor da espécie. E quanto a mortalidade do animal, os maiores responsáveis são os cães, gatos errantes, a raposa-vermelha e humanos.

Equidna-de-bico-curto
Equidna-de-bico-curto

Curiosidades

Existem diversas curiosidades a respeito do mamífero:

  • Uma delas é que, de acordo com lendas de nativos aborígenes da Austrália, acredita-se que um guerreiro foi traído por sua tribo e perseguido por seus ex-companheiros. Durante a perseguição, o guerreiro levou várias flechadas e, por este motivo, ficou com o corpo coberto de flechas. Este, se escondeu em um buraco e dormiu. Quando acordou, o guerreiro tinha se transformado em uma equidna.
  • Outra curiosidade que cerca a equidna é que o animal é muito famoso na Austrália, sendo, inclusive, a face da moeda de cinco centavos do dólar australiano desde de 14 de fevereiro de 1966.
  • Também foi parte de uma série de moedas comemorativas lançadas ao longo dos anos. A equidna também já apareceu em selos em 1974, 1987 e 1992.
  • Millie, uma antropomórfica equidna foi escolhida para ser o mascote dos Jogos Olímpicos de Sydney, em 2000.
  • Knuckles The Echidna, da série Sonic The Hedgehog, também foi inspirado numa equidna-de-focinho-curto.
  • Esse espécime é amplamente retratado na cultura animista dos aborígenes australianos, inclusive sua imagem virando totem para alguns grupos, entre eles, o povo Noogar da Austrália Ocidental.
  • Outra lenda que cerca esse animal é que ele foi criado quando um grupo de homens, jovens e famintos, estavam caçando a noite e se depararam com um vombate (marsupial original da Austrália). O grupo lançou suas flechas contra o animal, mas o perderam de vista. Com as flechas em seu corpo, o vombate aderiu as flechas como um modo de defesa e, então, tornou-se uma equidna.

Muitas histórias interessantes cercam a equidna-de-focinho-curto. Gostou de saber mais sobre ela e suas curiosidades? Conte-nos o que mais gostou e não esqueça de compartilhar em suas redes sociais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *