Home / Informações / Elefante-marinho: Curiosidades, Fotos e Reprodução

Elefante-marinho: Curiosidades, Fotos e Reprodução

Quando falamos de elefante, provavelmente certos detalhes já pré concebidos vem a sua mente. Um animal grande, cinza, com tromba, chifres, enormes orelhas, etc. O que não deixa de ser certo, mas, neste caso, estamos descrevendo o bicho terrestre. E quanto ao marinho? Sim, você não não leu errado. Existe um elefante-marinho. 

Sobre o elefante-marinho 

Conhecidos cientificamente como Mirounga sp, ele é um indivíduo carnívoro do tipo ponípede, ou seja, faz parte do grupo de mamíferos carnívoros. 

Pertencente a família Phocidae,  o elefante-marinho é completamente adaptado à vida aquática. 

Mas ao contrário do que você deve estar imaginando, ele não tem as mesmas características que um elefante terrestre. A única semelhança entre os dois, a não ser o nome, é o focinho deste, que lembra muito o do morador das savanas da África. Quando inflado, a tromba pode atingir 40 centímetros. Em questão de aparência, ele é mais semelhante às focas. 

Elefante-marinho
Elefante-marinho 

Ao todo, existem duas espécies desse animal: M. angustirostris, que habita o hemisfério norte, e o M. leonina, morador do lado sul. 

Ambos são bem grandes, mas os sulistas ganham neste quesito. O macho costuma ter 6 metros de comprimento e pesar 3 toneladas. Já os nortenhos chegam, no máximo, aos 5 metros, com uma massa de 2,7 toneladas. Em ambos as espécies as fêmeas não alcançam a metade do tamanho do sexo masculino. 

E lembra que comentamos que ele parece com as focas? Bom, eles não fazem parte da mesma família, a Otariidae, que é composta por este citado acima, assim como leões e lobos marinhos devido a certas características físicas: a ausência de orelhas e pelo fato dele se movimentar em terra se apoiando na sua superfície ventral ao invés das nadadeiras. 

Como é de se imaginar, não se movimenta muito bem em terra em decorrência do seu peso, mas o mesmo não acontece quando ele está no mar. As fêmeas, por exemplo, podem mergulhar a uma profundamente de 1.255 metros em busca de comida. Mas a média costuma ser de 500 a 800 metros para elas. Já para os machos esse número gira em torno de 200 a 400 metros. 

Ambos conseguem ficar submersos por cerca de 27 minutos. 

Sua dieta é composta de raias, polvos, lulas, sépias e pequenos crustáceos. 

Reprodução do elefante-marinho

Por volta do fim de agosto, os animais se locomovem até a praia para iniciar os preparativos para o acasalamento. As fêmeas só chegam no local um mês depois, no final de setembro. Durante esse período, os bichos se reúnem em grandes números, com os machos maiores tendo até 20 companheiras, ao mesmo tempo. 

Após isso, as parceiras passam por uma gestação de quase um ano, 340 dias. Assim que o bebê nasce, ele é amamentado pelas próximas quatro semanas. 

E eis um fator inesperado: a criatura tem pelos. Sim, os filhotes nascem com uma pelagem negra que gradualmente vai sendo substituído por uma outra em tom de cinza, que cresce durante o período de desmame. 

Quando completam um ano de idade, estes têm uma coloração amarela que vai escurecer assim que ele virar um adulto, adotando tons de marrons-escuro. 

Logo após a reprodução, macho e fêmea voltam ao mar, ficando neste ambiente pelos próximos dois meses, se alimentando. 

Ele retornam a terra quando ocorre a troca de pelos, mas ambos fazem isso separados um do outro. 

Assim que a mudança se completa, mais um vez eles retornam a água, onde ficam até a próxima primavera. 

22 Curiosidades do elefante-marinho

  1. Passa a maior parte da sua vida nos oceanos. 
  2. Foi pesquisado por muitos anos pelos cientistas que queriam saber como ele consegue viver nas regiões mais frias do planeta. 
  3. Os sulistas habitam a zona da Antártida, os que moram no norte ficam na parte baixa da Califórnia. 
  4. Os moradores do sul tem que suportar as baixas temperaturas, por outro lado, a oferta de comida é maior por lá. Por isso eles são maiores que os primos do norte. Algas marinhas, krill – um tipo de camarão – e pequenos tubarões fazem parte da sua dieta. 
  5. Ruge sua tromba para espantar os rivais. Ela também é usada para absorver a umidade do ambiente. 
  6. As fêmeas medem 3 metros e pesam 900 quilos. Por causa disso é o mamífero que apresenta o mais alto grau de dimorfismo sexual.
  7. O macho atinge a maturidade sexual aos seis anos de idade, mas só começa acasalar com nove. 
  8. Travam disputas entre si para conquistarem as fêmea. Apesar de violenta, a luta não é mortal. 
  9. O macho pode formar um harém com até 100 esposas, produzindo por ano 500 crias. Aqueles que são deixados de fora tentarão se reproduzir com as fêmeas que ficam nas áreas periféricas dos haréns. 
  10. A fêmea já é capaz de dar a luz com três anos, dando cria a cada um ano. Ela passa 11 meses na água e só volta a terra firme para o nascimento do bebê. 
  11. Os filhotes já nascem com 40 quilos. 
  12. Durante o período de amamentação, a mãe fica na praia, sem comer nada. 
  13. Assim que ocorre o desmame, mãe e filho entram no mar. A fêmea voltará a acasalar dali há algum tempo. 
  14. Enquanto está se alimentando do leite da mãe, o filhote triplica sua massa. 
  15. É rápido na água devido a sua barbatana com cinco dedos e o corpo em formato de torpedo. 
  16. Seus olhos negros possibilita o animal de ver suas presas na escuridão do mar. 
  17. O elefante-marinho realiza uma espécie de armazenamento de gordura enquanto está no mar. Essa será usada quando ele estiver em terra, hibernando. 
  18. Para poder ficar bastante tempo submerso, o animal precisa de muito oxigênio. Isso é possível na espécie graças ao volume de sangue que produz e também devido a uma grande quantidade de hemoglobina que é capaz de formar. 
  19. Durante com acasalamento, o macho costuma reforçar sua pelagem. Isso impede que ele tenha ferimentos graves durante as lutas. 
  20. Migra duas vezes por ano e pode percorrer até 34 mil quilômetros. 
  21. Mesmo estando em grandes grupos durante a cópula, é um bicho de hábitos solitários. 
  22. É caçado por “baleias assassinas”, tubarões e, obviamente, pelo homem, que quase levou o animal a extinção. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *