Home / Informações / Características Do Tatu Bola

Características Do Tatu Bola

Se nós te apresentássemos com o nome Tolypeutes tricinctus você saberia identificar de que animal estaríamos falando? Certamente não. Agora se o apresentássemos como a maioria de nós o conhece sem dúvida a sua imagem viria rapidamente a sua cabeça. Hoje falaremos do tatu bola que pode apresentar vários outros nomes, desde o seu nome científico de difícil pronuncia a tatu bolinha, apara e tranquinha.

Tatu Bola E As Informações Iniciais

A ordem do tatu bola é a ordem cingulata. Ordem na qual estão alguns mamíferos placentários da ordem Xenarthra. Superordem em que encontramos o tatu bola por exemplo. Como cingulados temos a ligeira definição de animais de membros pequenos envoltos em um tipo de carapaça de proteção e coberto por um tipo de escama sobreposta.

Juramos que as informações muitos técnicas e com nomes complicadíssimos acabam aqui e vamos as características e de mais informações sobre este animal.

O tatu possui vinte espécies diferentes, das quais podemos encontrar no Brasil oito delas.

Tatu Bola
Tatu Bola

Uma destas oito é o tatu bola que curiosamente é uma das subespécies endêmica, aliás é a única subespécie endêmica. Mas o que vem a ser endêmica? O tatu bola é um animal que está presente apenas em nosso país. Isso mesmo, podemos dizer que é um tatu brasileiro mas pouco conhecido. Habita normalmente áreas bem específicas do nosso país. Podem ser encontrados naturalmente vivendo em áreas de caatinga e cerrado. Justamente por sua presença na caatinga podem ser nomeados também como tatu da caatinga.

Em alguns estados brasileiros já foi registrado a sua “visita”. Dentre eles temos a Bahia, Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso, Rio Grande do Norte, Piauí, Tocantins, Sergipe, Alagoas e Paraíba.

Tatu Bola É Realmente Uma Bola

O tatu bola ou apara pode chegar aos cinquenta centímetros e ao contrário de outras subespécies deste animal a sua cauda não é assim não expressiva, não atingindo nem mesmo cinquenta por cento do comprimento do seu corpo. A sua principal característica que justamente fez o seu nome “bola” se popularizar é a sua incrível capacidade que possui de se fechar completamente, lembrando bem o formato de uma bola, para se proteger de seus predadores. Com esse mecanismo de defesa conseguem proteger as partes mais sensíveis de seu corpo.

Os predadores do tatu bola são as jaguatiricas e a onça pintada. Assim como outros animais o tatu também não está isento da caça humana isso principalmente devido ao que se comenta sobre a sua carne ser saborosa.

Tatu Bola
Tatu Bola

Atualmente o tatu bola encontra-se criticamente ameaçado de extinção com previsão de serem extintos a médio prazo. Parte do que também contribui para este cenário é a sua reprodução tão baixa que falaremos logo em seguida. Além da questão de sua reprodução temos a caça humana histórica que já nos deixou com um número incontável de animais mortos.

Em contrapartida a sua extinção, vamos falar da sua reprodução. Ao contrário do tatu galinha em que a fêmea é vista apenas com um único reprodutor e a sua ninhada é farta o tatu bola não. A fêmea é vista com mais de um macho e a sua reprodução é um tanto quanto escassa, podendo dar à luz a somente um filhote, no máximo dois.

Os seus filhotes já nascem totalmente desenvolvidos e fisicamente formados.

O Fuleco O Mascote Da Copa

O Fuleco foi o mascote escolhido para a Copa de 2014, realizada no Brasil. O nome do mascote vem da junção de futebol e ecologia, Fuleco.

Como não poderia ser diferente a escolha do tatu bola como mascote da Copa no Brasil vem do fato deste animal ser endêmico, ou seja, presente apenas em nosso país. A escolha também teve como objetivo mobilizar a comunidade, a Federação Internacional de Futebol das Américas (FIFA) atletas e torcedores sobre o risco real deste gracioso animal ser extinto. Nos últimos dez anos a população de tatus bola caiu consideravelmente e o risco de extinção é real.

Apesar da capacidade de se transformar em uma bola, o que permite que o tatu se torne inacessível por algumas animais o simples fato de depender de tocas abandonadas para se esconder e contar apenas com a sua capacidade de se fechar o deixa extremamente vulnerável a caça humana.

A Sua Alimentação Simples

A alimentação do tatu pode variar de acordo com a disponibilidade de seu habitat. Costumeiramente consomem insetos mas algumas espécies, de acordo com o local onde estão pode manifestar um comportamento onívoro, onde além de consumir insetos e invertebrados adiciona a sua alimentação folhas, frutos e vegetais.

O tatu bola por sua vez como já se mostrou tão diferente de outras espécies possui uma alimentação igualmente diferente. Concentra-se basicamente em formigas e cupins. Por conta de seu jeito de se alimentar acaba ingerindo também muita areia, folhas, raízes e gravetos.

Mais Do Que Apenas Um

Embora chamemos genericamente de tatu bola há duas variáveis nessa espécie. Uma dela é o tatu bola brasileiro com o nome científico T. tricinctus e o tatu-bola do sul chamado de T. matacus. São apenas estes dois tipos distintos tatus com a capacidade de se transformarem em uma bola como comentamos inicialmente. O matacus é uma espécie que ao contrário do tatu bola está classificado com chance de ser ameaçado. Ainda entre as diferenças entre ambos, o tatu bola está presente somente em nosso país. No caso do matacus ou mataco é possível encontrá-lo no Brasil, na Argentina, a Bolívia e no Paraguai.

O PAN

O PAN ou Plano de Ação Nacional tatu bola, foi aprovado em 2004 pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade e tem o intuito de conservar as duas espécies de tatu bola, tanto a matacus quando a tricinctus. Em cinco anos o objetivo das ações propostas era tirar o tatu tricinctus da categoria em perigo e levá-lo para o status de vulnerável a extinção, o que já seria uma evolução do quadro atual.

Para o matacus o objetivo era reunir dados sobre a sua presença em nosso país visto que seus dados são considerados insuficientes para qualquer diagnóstico.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *