Home / Informações / Características Das Arraias: Locomoção, Respiração E Alimentação

Características Das Arraias: Locomoção, Respiração E Alimentação

As arraias são animais conhecidos pela maioria das pessoas quando pensamos nas criaturas que habitam os mares. Apesar de ser conhecida, suas características não são muito difundidas e o que é conhecido  sobre elas acaba sendo genérico, vasto. Vamos mudar este cenário? Conhecendo um pouco mais as particularidades desta espécie?

Arraias: Como Podemos Começar?

As arraias também são chamadas de raias ou ainda peixes batoides. São peixes cartilaginosos que integram a superordem Batoidea que também comporta os tubarões.

São animais de corpo achatado com as fendas branquiais localizadas na parte de baixo da cabeça, sendo esta a principal diferença com relação aos tubarões. As brânquias são as estruturas responsáveis pela troca gasosa nos peixes.

Costumeiramente, a depender da espécie, vivem nas profundezas dos mares, exceto as jamantas (uma espécie de arraia) que possui o hábito de viverem nas regiões pelágicas. Normalmente os animais que não dependem das profundezas do mar para sobreviverem são localizados na região pelágica.

Arraias
Arraias 

Vale aqui destacarmos que embora sejam genericamente chamados de arraias, são classificados neste mesmo grupo e assim denominadas (de arraias) além das verdadeiras arraias (aquelas que possuem uma barbatana peitoral que se estende como uma extensão de seu corpo com uma extremidade em formato arredondado ou em losango em sua cauda) as arraias elétricas, os ratões (peixes com espinhos venenosos em sua cauda), o peixe guitarra, o peixe serra e também os tubarões anjo.

O tubarão anjo possui as brânquias, diferentemente das arraias verdadeiras, localizadas mais lateralmente, o que por vezes o coloca na denominação de tubarão.

De fato não podemos negar que são animais muito próximos (os tubarões e as arraias) do ponto filogenético, inclusive estando classificado na mesma subclasse.

Em relação ao seu habitat, as arraias habitam normalmente águas salgadas, tendo apenas uma única família a habitar águas doces. Está família, a Potamotrygonidae é encontrada nos rios do Pantanal em nosso país, mas se estende também por outras regiões da América do Sul. São espécies que possuem na extremidade da causa um espinho venenoso que pode causar estragos em um ataque acidental.

As Arraias No Brasil

As arraias são encontradas em todos os oceanos ao redor do mundo e no Brasil são mais frequentes na costa do litoral brasileiro. São animais com o formato de disco que por vezes (a depender da espécie) pode apresentar as extremidades de seu corpo (que é em formato de disco) arqueadas, mas isso depende da espécie. No Brasil é comum encontrarmos cerca de trinta espécies diferentes.

Locomoção Das Arraias

Para falarmos sobre a locomoção das arraias é preciso falarmos um pouco mais sobre a sua estrutura física. São animais de corpo achatado sem a nadadeira anal, com fendas braquiais na lateral de suas nadadeiras peitorais que com as quais se locomove. As arraias se locomovem como se fossem pássaros batendo suas asas dentro dos mares. São nadadeiras extremamente eficazes e velozes, movimentando-se por meio de movimentos ondulatórios das nadadeiras peitorais. São animais graciosos se olharmos seu nadar nas profundezas do mar.

Seus dentes assim como os dos tubarões são serrilhados e a sua alimentação é composta de pequenos animais marinhos como crustáceos, pequenos peixes, plânctons e moluscos.

Em relação a sua reprodução há espécies que são ovíparas, ou seja, as fêmeas após a cópula colocam os ovos que futuramente darão à luz aos filhotes e há espécies ovovivíparas, cuja postura dos ovos não ocorre e os filhotes de desenvolvem no interior dos ovos que ficam dentro das fêmeas. Neste caso os nascimentos são de filhotes bem desenvolvidos com cerca de dezesseis centímetros de comprimento.

Respiração Das Arraias

A nossa respiração é feita pelo pulmão, mas não é apenas este tipo de respiração que existe no mundo animal. Uma das outras formas de realizar a troca gasosa entre o indivíduo e o ambiente é por meio das brânquias. Em outras palavras a respiração branquial.

As arraias assim como outros peixes que conhecemos realizam a troca gasosa por meio de suas brânquias e o sistema branquial. É por meio desta estrutura (as brânquias) que a troca gasosa ocorre.

Por meio da abertura das brânquias as mesmas filtram a água que entra e retiram dela o oxigênio presente que será utilizado para a sobrevivência do peixe. Após esta retirada, o oxigênio, através do sangue é levado ao coração que bombeará este sangue com oxigênio a todas as células do corpo.

Curiosidades E informações Pertinentes

Ao todo são estimadas mais de quatrocentas espécies diferentes de arraias em todo o mundo. O porte destas espécies fica entre quinze centímetros de envergadura a até sete metros. O formato é composto de um disco com uma cauda que se estende em uma das extremidades de seu corpo. Uma cauda fina e comprida que pode possuir ou não ferrões venenosos que em caso de acidentes ocasionam ferimentos graves.

Ainda em relação à estrutura de seu corpo, possuem próximo aos seus olhos os chamados espiráculos, que consiste em uma fenda que atua diretamente no processo respiratório, sendo diretamente ligada a câmara branquial.

A maturidade sexual da espécie chega por volta dos dois anos e a prole pode atingir dez filhotes, mas em média chegam a quatro por gestação.

São animais que vivem normalmente de maneira solitária exceto no período de migração, quando podem acabar formando um grupo de viajantes, por assim dizer.

As raias-elétricas obtêm o seu alimento de uma maneira curiosa, ficando totalmente imóveis a espera de um peixe distraído que possa capturar. Em relação a sua capacidade de choque elétrico, podem chegar a 25 volts por meio de dois órgãos que ficam localizados próximos a sua cabeça.

Arraias
Arraias

Ainda sobre essa característica de ficar imóvel, as arraias em geral costumam ficar imóveis enterradas normalmente em lodo. Mesmo as não elétricas ficam esperando a sua presa para poder atacá-la assim que a mesma se aproxima.

Em relação a sua pele e coloração, a maior parte das espécies possuem a pele áspera e que pode ou não apresentar padrões de “desenhos” ou cores.

A arraia jamanta, a maior existente, encontra-se em estado vulnerável de conservação, e é um animal de porte impressionante, podendo chegar a sete metros de envergadura e mais de mil e trezentos quilos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.