Home / Informações / Características da Doninha do Ártico: Alimentação e Reprodução

Características da Doninha do Ártico: Alimentação e Reprodução

Navegando pela internet, você já deve ter ouvido falar da doninha anã ou do ártico, certo? Esses animais pequeninos e fofinhos. O que vem atraindo atenção para esse peludinho são seus pelos brancos, que os deixam ainda mais irresistíveis. Abaixo, vamos falar mais sobre esse bichinho que se camufla na neve. 

Características 

A doninha-anã ou Mustela nivalis é uma das espécies que fazem parte do grupo de doninhas. É um mamífero de estatura pequena, carnívoro e integrante da família dos mustelídeos. Mede cerca de 23 centímetros de comprimento, o que o faz ser o menor mamífero carnívoro existente na terra, da ordem Carnívora. Não confunda isto com o fato dele ser o menor indivíduo que se alimenta de carne, este título pertence ao musaranho. Pesa entre 70 a 170 gramas. 

É pequeno, com patas curtas e um corpo alongado, além de ser um animal super ágil, o que facilita na hora deste adentrar na toca de roedores. Este bicho é muito parecido com seus primos, como o furão, arminho, e a doninha-das-montanhas. Todos fazem parte do gênero Mustela. 

Doninha do Ártico
Doninha do Ártico

Uma das coisas que chamam atenção para espécie é seu pelo. Normalmente esta tem um tom de marrom claro, mas, durante o inverno ele fica completamente branco. Mas, muito além de deixá-lo com uma aparência mais fofinha, essa mudança de pelagem acontece para que o animal se camufle com mais facilidade em meio a neve. Quando esta estação acaba, seu corpo volta para a tonalidade anterior. 

São indivíduos solitários e agressivos, inclusive com outros de sua própria espécie. 

A fêmea é menor que o macho, medindo entre 16 a 19 centímetros, e pesando de 40 a 90 gramas. Ou seja, existe dimorfismo sexual entre os sexos. Tem uma expectativa de vida de 2 a 4 anos, com essa valor podendo ser alterado conforme a disponibilidade de predadores na região que o bicho habita. 

Alimentação 

Com um corpo esbelto, este permite que ele cace pequenas presas. Sua dieta é composta de coelhos, roedores e outros mamíferos de pequeno porte. Também consome aves, répteis, anfíbios e alguns vegetais. 

Doninha do Ártico Alimentação
Doninha do Ártico Alimentação

Distribuição

A doninha-do-ártico pode ser encontrada na América do Norte, Ásia e Europa, normalmente nas regiões mais ao norte. Mas ele também já habitou áreas da África. 

Foi introduzido de forma artificial pelo homem na Austrália e na Nova Zelândia com a intenção de eliminar a grande quantidade de coelhos e outros roedores.

Está ausente na Irlanda, Islândia e Córsega. 

Habitat 

A doninha está presente em diversos tipos de habitats, porém, evita as regiões mais úmidas. Sua escolha de moradia está diretamente relacionada a prática agrícola, que lhe oferece maior disponibilidade de comida, assim como a presença de moitas e pedras, permitindo que o bicho se proteja nestes locais sempre que necessário. 

Reprodução da doninha 

A época de acasalamento do indivíduo se inicia em fevereiro, com as crias nascendo entre março e julho, após uma gestação de 34 a 37 dias. Na gravidez, a fêmea gera de 4 a 6 filhotes, que são amamentados durante um mês e meio, sendo esta a total responsável pelos bebês. Na oitava semana os filhotes já estão aptos a caça. A separação da família acontece entre a nona e a décima segunda semana de vida. Sua maturidade sexual é atingida entre os 3 ou 4 meses de existência. 

Nos anos que a comida é farta, pode acontecer um segundo período de reprodução, que normalmente ocorre no final do verão ou durante um período contínuo de acasalamento entre fevereiro e dezembro. 

Temperamento 

Como dito anteriormente, a doninha é uma espécie solitária. Tem hábitos diurnos. Entre eles, existem três tipos diferentes de comportamento: as espécies residente sedentárias, os temporários e os errantes. 

Os primeiros costumam defendem seu território de outros do mesmo sexo. Sendo o território das fêmeas podendo se sobrepor ao dos machos. O indivíduo dominante também defenderá o local se estiver com cria. Os moradores templários ocupam uma certa região por um curto período de tempo. Normalmente estes são adultos ou jovens que não conseguirão uma moradia fixa e moram nos limites dos territórios de machos dominantes. 

Já os “errantes” se estabelecem em uma determinada áreas e não detém um local marcado. As doninhas podem mudar essa situação ao longo de suas vidas. 

Elas normalmente ocupam uma região de 1 a 4, hectares para as fêmeas, e 1 a 25 para os machos. 

Predadores 

Os predadores naturais desse indivíduo são: aves de rápida, diurnas e noturnas, lince-ibérico, gato-bravo e também os domésticos. 

Status de conservação

Segundo o anexo III da Convenção de Berna, a espécie não está ameaçada. O abate ou captura do animal é permitido em algumas ocasiões. Não é um indivíduo que pode ser caçado. 

Curiosidades sobre a doninha 

  • Consegue emitir alguns sons, como gorjeios e assobios. 
  • Quando está caçando, é capaz de adentrar locais com apenas 3 a 4 centímetros de comprimento. 
  • Muitas vezes utiliza a própria toca de suas caças como abrigo. 
  • Para aquecer seus filhotes, também utilizam a pelagem das presas na construção da sua casa. 
  • Está perdendo sua capacidade de se camuflar na neve devido o aquecimento global. Na floresta polonesa Bialowieza a neve está desaparecendo cerca de um mês antes do previsto, fazendo com que a pelagem do animal volte a cor normal precocemente, deixando-o mais exposto aos seus predadores. 
Furão do Ártico
Furão do Ártico
  • A espécie Amazônia é considerada rara, pois em 150 anos de descoberta da animal, foram registrados apenas 30 exemplares. 
  • A espécie brasileira faz parte de família da Irara, furão silvestre, lontra e ariranha. Mede cerca de um metro. 
  • Devido ao seu alto metabolismo, varia entre períodos de grande atividade e descanso. 
  • Se locomove por meio de saltos e consegue escalar árvores facilmente. 
  • Ataca suas presas na nuca. Normalmente se aproxima destas em silêncio absoluto. 
  • Costuma beber o sangue das suas caças e as arrasta para um lugar seguro, que serve como uma espécie de despensa. 
  • Os machos são melhores caçadores.
  • Brigam por não gostarem da companhia de outros da mesma espécie. 
  • Apesar de não ser de fácil criação, é mantido como animal de estimação. 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *