Home / Informações / Bicho-preguiça: Características, Reprodução e Alimentação

Bicho-preguiça: Características, Reprodução e Alimentação

Com certeza você já deve ter ouvido falar do bicho-preguiça, certo? Um animal de porte médio, com pelos cinzas, que sempre parece que está sorrindo e conhecido por ser um dos animais que habitam a fauna brasileira. Mas a característica que deixou o bicho famoso está justamente relacionado ao seu nome. Como ele próprio já diz, esse indivíduo é conhecido por sua preguiça, já que este tem movimentos lentos e passa a maior parte da sua vida numa mesma posição. 

Bicho-preguiça
Bicho-preguiça

Características do bicho-preguiça

A preguiça é um mamífero, que pode ser encontrado apenas na América do Sul e Central. Ela faz parte da ordem Xenarthra – que também integra tamanduás e tatus – e faz parte de um grupo de espécies que levam o nome de bicho-preguiça: duas são chamadas de Choloepus e outras quatro espécies são denominadas de Bradypus, sendo a Bradypus pygmaeus a única espécie que não pode ser encontrada no Brasil, apenas em uma ilha na costa do Panamá. 

Tem uma característica que não é muito comum nos mamíferos: a presença de articulações extras em suas vertentes lombares. Também possuem placentas complexas, o que possibilita que estes gerem seus filhotes dentro do útero. 

São indivíduos famosos por seus movimentos, apesar destes não terem nada a ver com preguiça. Isso porque o fato de se locomoverem de forma lenta não é uma opção do animal, mas, sim, por causa do seu metabolismo, que é lento. 

Eles são chamados de folívoros, isso porque possuem uma dieta baseada quase que exclusivamente em folhas, sendo que apenas algumas espécies se alimentam de flores e frutos. Detém dentes propícios para a trituração, o que auxilia na eficiência na hora de comerem. Também são dotados de câmeras digestivas com organismos simbiontes. São sedentários e, com dito anteriormente, detém um metabolismo baixo. Isso quer dizer que eles demoram um dia todo para digerirem uma única folha. Isso mesmo, 24 horas para fazerem digestão de uma única folhagem, por este motivo que seus movimentos são tão lentos. Isso também acaba deixando eles mais expostos à predação e a sofrerem com as ações do homem. 

Seu corpo coberto por pelos lhe garante proteção extra na floresta, já que isso ajuda os indivíduos a se camuflarem entre as árvores. Mas, apesar da presença de pelagem, estes possuem baixa temperatura corporal. Por isso é tão comum vê-los tomando banho de sol, é assim que eles elevam a temperatura corporal. 

Reprodução

São indivíduos solitários, mas é possível encontrar mais de um no mesmo local na época de reprodução. A gestação da preguiça dura em torno de quatro a seis meses, com o filhote já nascendo com pelos. A amamentação ocorre entre as três e quatro primeiras semanas do bebê preguiça, mas é possível vê-lo comendo folhas logo na primeira semana de vida. Mãe e filho permanecem juntos por seis meses, sendo que neste período o filhote fica agarrado ao peito da fêmea preguiça. Depois disso, ele é deixado e passa a viver sozinho, como é comum entre sua espécie. 

Alimentação

Como dito, o bicho-preguiça é um animalzinho folívoro, o que quer dizer que sua dieta é composta 100% de folhas, brotos e raízes. Algumas espécies consomem frutas e flores. Normalmente a alimentação é feita na própria árvores onde o indivíduo mora, já que este não se locomove muito e também não costuma deixar seu habitat para realizar a maioria das tarefas. 

Espécies de bicho-preguiça

Como citado anteriormente, o nome bicho-preguiça na verdade não denomina apenas um animal, na verdade esse título reúne cerca de seis espécies diferentes e nós vamos falar sobre elas logo abaixo. 

Choloepus didactylus 

A preguiça-real ou Unau é conhecida por ter uma coloração de pelo marrom-acinzentada, com a cabeça e ombros mais escuros que os pelos presentes em seu rosto, por exemplo. Mede de 60 a 86 centímetros de comprimento e pesa algo em torno de quatro a sete quilos. 

Choloepus didactylus
Choloepus didactylus

Choloepus Hoffmanni 

Também conhecido como preguiça-real, este possui pelos marrons, sendo eles mais claros em sua parte anterior. Não tem manchas escuras nos ombros e pode pesar cerca de oito quilos, medindo de 54 a 70 centímetros de comprimento. 

Choloepus Hoffmanni
Choloepus Hoffmanni

Bradypus torquatus 

Conhecido como preguiça-de-coleira, tem todo o seu corpo com pelagem em tom de castanho-claro, menos no pescoço, onde a pelagem é mais escura, formando uma espécie de coleira – daí seu nome -. Esta, porém, não é tão nítida não filhotes, sendo mais visível nos adultos. Mede de 60 a 75 centímetros de comprimento, pesando até 10 quilos. É o maior espécies do gênero Bradypus. 

Bradypus torquatus
Bradypus torquatus

Bradypus pygmaeus

Está é a espécie que habita uma ilha no Panamá. Ela também é chamada de preguiça-anã-de-três-dedos. Tem pelos esverdeados, isso acontece sua pelagem favorece o crescimento de algas em seu corpo. É o menor da espécie, pesando até três quilos. 

Bradypus pygmaeus
Bradypus pygmaeus

Bradypus tridactylus 

Com uma pelagem em tom de marrom-acinzentado, a preguiça-de-bentinho ou preguiça-de-garganta tem a pelagem de sua garganta em coloração amarela e os ombros mais escuros. Nos machos é possível ver uma mancha no dorso em laranja, com uma linha preta bem no meio. Pesam quatro quilos e medem até 50 centímetros de comprimento. 

Bradypus tridactylus
Bradypus tridactylus

Bradypus variegatus 

Também chamado de preguiça-comum, marmota ou preguiça-de-garganta-marrom, este indivíduo detém pelos marrom-amarelado ou marrom-pálido, sendo possível avistar em alguns bichos pelos brancos. É possível ver também uma faixa em torno de seus olhos. Pesa até cinco quilos e mede 50 centímetros de comprimento – com alguns indivíduos chegando a um metro -. De todas as espécies, esta é a mais comum. 

Bradypus variegatus
Bradypus variegatus

Extinção

Como muitos animais, a preguiça também está ameaçada de extinção devido às ações de homem, que destroem seu habitat natural com queimadas ilegais ou as caçam para servirem de atração para os turistas. Das seis espécies, duas possuem status mais preocupantes: Bradypus pygmaes e Bradypus torquatus. Sendo a primeira classificada como criticamente em perigo e a segunda como vulnerável na lista da IUCN. Mais um animal que corre perigo por causa da ganância do homem. 

Gostou de saber mais desse bichinho símbolo do Brasil? Conte nos comentários o fato que achou mais interessante e não esqueça de compartilhar nas redes sociais com seus amigos. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *