Home / Informações / Besouro Bicudo: Características, Curiosidades e Fotos

Besouro Bicudo: Características, Curiosidades e Fotos

Considerado uma praga em diversas plantações, o besouro bicudo faz parte da família Curculionídeos, que também são conhecidos como gorgulhos. A característica que define esse grupo é seu rosto comprido junto com um bico ou tromba curvada. É daí que vem o nome “bicudo”. Neste mesmo local podemos observar suas antenas, no centro da peças bucais. 

É um animal que se movimenta de forma lenta e raramente voa, mesmo podendo realizar tal feito. Ele só põe essa habilidade em prática quando se dirige para a hibernação. Os bichos que habitam os Estados Unidos fazem isso durante o inverno para sobreviverem, já que a região tem temperaturas baixas nesta época do ano. Já no Brasil, esse processo é diferente devido ao clima tropical, sendo assim, o besouro bicudo não fica totalmente parado durante os meses de frio. 

Quando passa esse estágio de “descanso”, o macho já se encaminha para a plantação de algodão mais próxima. Este é atraído pelo cheiro da planta. Em seguida, ele começa a se alimentar das folhas novas do vegetal. É neste momento que a criatura libera seus feromônios, atraindo as fêmeas também para aquele local. O que começou com um indivíduo, se transforma numa família em grande escala, que se não parada a tempo, tem a capacidade de destruir toda a cultura. 

Besouro Bicudo
Besouro Bicudo

Hábitos e reprodução

A maior parte dos adultos chegam a área durante o aparecimento dos botões das flores, sua parte preferida e que serve de alimentação. Aliás, ele as consome perfurando-as. O bicho também pode aparecer durante o estágio de postura. 

Com seu bico curvo, fura a planta até alcançar o pólen do botão, neste mesmo orifício a fêmea bota um ovo, que em seguida é coberto por uma substância, agindo como uma capa protetora. O recipiente do bebê é branco e pequeno, em forma de grão. 

A mãe tem o poder de colocar seis ovos por dia, o que totaliza 200 durante toda a sua vida. Seu tempo de vida dura cerca de um mês. Este número pode variar de geração a geração e também de acordo com a plantação. Essa numeração é maior quando a fêmea invade lavouras novas. Conforme for mais avançada a cultura do algodão, ou seja, ela passando pelas fases de germinação, florescimento, frutificação e maturação, menor será a quantidade de ovos colocados pela mãe. Com uma cultura mais desenvolvida, a mãe pode colocar apenas um ovo a cada dois dias. 

Besouro Bicudo
Besouro Bicudo

Depois de dois a quatro dias, os ovos eclodem e nascem as larvas, que comem todo o interior do botão, que cai em uma semana, o mesmo tempo de vida da larva – seis a doze dias. Este indivíduo se transforma em pupa no chão, ainda dentro deste local, passando por este estágio nos próximos três a cinco dias. Toda a sua evolução, do ovo a fase adulta dura cerca de 11 a 21 dias, mas isto vai depender de questões como temperatura e umidade. 

Para que os filhotes possam sobreviver, o clima deve ser de em torno 24 a 25 graus, já o segundo fator precisar alcançar os 90%. 

Quando passam da fase pupa para adultos, estes saem dos botões onde nasceram fazendo um buraco no local, bem característico da espécie. 

Quando emergem, se direcionam para uma planta para começar a reprodução. Antes de seguir com a cópula, eles precisam de se alimentar pelos próximos cinco a seis dias. Cada indivíduo tem a capacidade de gerar sete gerações por ano. 

Devido ao estágio da cultura, a última leva acaba surgindo em forma de hibernação. Por causa disso, estes seres terão uma taxa maior de gordura, o que vai facilitar sua sobrevivência durante os dias com pouca comida. Estes também têm uma expectativa de vida maior, podendo viver até 300 dias. Mas esse número equivale para um adulto a cada duzentos que nascem no período de hibernação. 

Propagação e controle 

Assim como a maioria das pragas, o bicudo tem uma reprodução muito rápida e que chega ser assustadora. No início do seu ciclo, uma casal pode dar origem até 12 milhões de descendentes ao fim de uma safra. Porém, tudo isso depende de várias coisas. Por causa do meio ambiente, como clima, inimigos naturais, competição por comida, entre outros, esse número cai para 2 milhões. Mesmo assim, é uma quantidade mais que suficiente para destruir uma produção inteira. Esse número pode variar conforme a geração, com esta quantidade podendo ser de cinco a dez vezes maior, se as condições forem mais favoráveis. 

Infelizmente, é um animal difícil de matar, pois ele fica protegido pelo botão até a fase adulta. Em decorrência disso, o controle biológico natural, ou seja, por meio de seus predadores não é muito eficiente. Apenas dois indivíduos conseguem entrar neste local e tirar o besouro bicudo: Bracon mellitor e Solenopsis, conhecida como formiga lava-pés. Ambos só são efetivos se tiver cerca de 200 ninhos do bicudo em um hectare, o que é muito difícil de acontecer. Sendo assim, esse método não é a melhor opção para acabar com a criatura. 

O uso de inseticida também é perigoso, pois ele causa a quebra do equilíbrio ecológico, ou seja, dos caçadores naturais deste animal, além de outros elementos benéficos para a plantação. 

Besouro Bicudo
Besouro Bicudo

Sendo assim, a forma mais eficiente de eliminar ou pelo menos diminuir a população do bicudo é investindo em ações que evitem o seu aparecimento. Como incentivar o aparecimento dos predadores da espécie, assim como o manejo adequado da terra e todos os itens essenciais para que a planta recebe os nutrientes necessários, não dando margem para o aparecimento de pragas como o besouro bicudo. Como já dito anteriormente, as pragas só aparecem quando a cultura apresenta algum déficit ou excesso de alguma substância, ou seja, quando a plantação está em desequilíbrio. Sendo assim, a forma mais eficiente de acabar com o bicudo é não deixar que ele aparece. Afinal, é muito menor e menos prejudicial evitar uma doença do que combatê-la quando ela já se alastrou. 

Como diz o ditado, é melhor prevenir, do que remediar. 

Não esqueça de compartilhar!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *