Home / Informações / As Classificações Inferiores da Libélula

As Classificações Inferiores da Libélula

De asas semitransparentes, a libélula é um inseto que surgiu na era Paleozóica. Ela conseguiu manter suas características gerais até os dias atuais. Seu corpo é fusiforme, de abdômen muito alongado, e seus olhos são compostos por até 30.000 facetas, o que garantem a libélula um campo visual de 360 graus.

A libélula adulta consegue comer até 14% de seu peso se alimentando apenas de abelhas, moscas, besouros, vespas, pernilongos e até do mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue. Elas são bastante úteis ao homem no controle das populações de mosquitos e das suas outras presas. As larvas da libélula são carnívoras e muito agressivas, alimentando-se não apenas de insetos, mas de girinos e pequenos peixes também.

Libélula
Libélula

Elas não picam, pois suas mandíbulas são projetadas para a mastigação. Vive apenas de um a dois meses com suas asas, depois de ter passado até cinco anos no ambiente aquático, ela tem pouco tempo para encontrar parceiros e procriar. Enquanto vive na água, a libélula tem de fugir dos sapos, peixes e pássaros. Com asas, ela terá outros inimigos: aranhas, louva-deuses e outros pássaros.

As libélulas são um grupo com distribuição mundial. No Brasil, existem cerca de 1.200 espécies de um total 5.000 identificadas em todo o mundo. Esses animais têm preferência por ambientes de água calma e perene, zonas pantanosas ou próximas a riachos. Algumas libélulas podem medir entre 2 e 19 centímetros. As espécies mais rápidas podem voar a 85 quilômetros por hora.

Odonata
Odonata

As libélulas pertencem à ordem Odonata. Dentro desta ordem, há 10 famílias e, em cada família, há inúmeras espécies. Pensando na variedade de libélulas presentes em todo o planeta, separamos para vocês algumas famílias e suas peculiaridades.

Confira!

Aeshnidae – Anax parthenope 

Anax parthenope
Anax parthenope

A Anax parthenope pode ser encontrada no sul da Europa, no norte da África e em parte da Ásia. Sua característica mais marcante é a coloração azul presente no começo de seu abdômen. Durante o voo, essa espécie mantêm o corpo ereto, diferentemente de sua “prima”, a Anax imperator.

Seus olhos são verdes, ela é mais comumente vista de junho a setembro, podendo também ser observada em meados de novembro. Os machos e as fêmeas acasalam assim como as outras espécies. Os ovos são inseridos em plantas ou na lama e eclodem em dois meses. O desenvolvimento larval leva dois anos.

Calopterygidae – Calopteryx splendens

Calopteryx splendens
Calopteryx splendens

Essa é uma espécie euroasiática, que ocorre da costa atlântica para o leste ao lago Baikal e ao noroeste China. As fêmeas e os machos se diferem na cor e na forma. O macho tem as asas translúcidas com uma mancha preta azulada larga e escura na parte exterior. O corpo pode ser um azul metálico ou verde azulado ou uma combinação de ambas as cores, dependendo da época do ano e localização.

O remendo da asa escura do macho começa no nodus, localizado no meio da borda superior da asa e pode chegar até a ponta da asa. A fêmea tem as asas translúcidas, verdes pálidas com um remendo branco perto da ponta um verde metálico ou bronze no corpo. As fêmeas podem colocar até 10 ovos por minuto durante 45 minutos.

Gomphidae – Onychogomphus forcipatus

Onychogomphus forcipatus
Onychogomphus forcipatus

A Onychogomphus forcipatus é também conhecida como libélula-de-olhos-verdes. Esta libélula é bastante comum na maior parte da Europa. Os adultos crescem até seis centímetros de comprimento e podem ser encontrados de junho a setembro.

Os olhos da Onychogomphus forcipatus são verde acinzentados e amplamente separados. As duas linhas pretas no lado do tórax são relativamente estreitas. Essa libélula tem uma linha amarela no vértice. O abdômen nos machos é equipado com três ganchos (apêndices anal). A base das asas é angulada nos machos e arredondada nas fêmeas.

Libellulidae – Sympetrum striolatum 

Sympetrum striolatum
Sympetrum striolatum

A Sympetrum striolatum é uma libélula da família Libellulidae. Ela é nativa da Europa e da Ásia e é também conhecida como Darter. Esse tipo de libélula é comumente encontrada em ambientes aquáticos, ideais para os períodos de reprodução. Os adultos são normalmente vistos voando de junho a novembro e algumas vezes no mês de dezembro.

Os registros de biólogos especialistas indicam que esta espécie é mais comum e mais difundida na Irlanda. Fêmeas possuem uma cor amarelada no tórax e no abdômen. Já os machos vão ficando vermelhos à medida que se desenvolvem, enquanto as fêmeas escurecem com a idade, adquirindo uma coloração chocolate castanho escuro. É comum também que as fêmeas desenvolvam uma coloração azul na parte inferior do abdômen. As asas também escurecem no decorrer do tempo e, em todos os casos, existem faixas amareladas nos pés sobre um fundo preto.

Lestidae – Lestes sponsa 

Lestes sponsa
Lestes sponsa

A libélula-esmeralda ocorre em algumas áreas do norte da África, em torno do Mar Mediterrâneo e em algumas partes da Europa e da Ásia. Todas as espécies do gênero Lestes são muito semelhantes e difíceis de diferenciar em campo. Ambos os machos e fêmeas têm uma cor verde metálico.

No norte da Europa, por exemplo, há cinco espécies de Lestes. Por isso, a identificação pode ser problemática. O aconselhável é olhar para o maior número possível de características. Em Lestes sponsa, o apêndice anal é preto com o apêndice superior. O apêndice inferior é alongado e cilíndrico.

A libélula Lestes sponsa possui um corpo verde metálico e asas afastadas do corpo em repouso. O abdômen tem de 2,6 a 3,3 centímetros de comprimento e as asas têm de 1,9 a 2,3 centímetros de comprimento.

Os machos maduros têm uma cor azul no pró-tórax e nos segmentos 1-2 e 9-10 do abdómen. Machos maduros têm olhos azuis, enquanto os machos imaturos são dotados de olhos castanhos e de corpo quase branco.

Além das famílias citadas, há outras cinco: Coenagrionidae, Cordulegastridae, Corduliidae, Macromiidae e Platycnemididae.

2 comentários

  1. Olá, boa noite !!!

    Eu me chamo Sandro e sou fotografo amador.
    O motivo do meu contato com vocês é o seguinte:
    Eu fiz umas fotos de uma libélula e estava procurando algumas informações a respeito dela
    e achei um comentário a respeito dela aqui no site de vocês.
    Gostaria de saber de vocês se vocês me autorizariam eu usar uma pequena pauta desta informação para eu poder esta divulgando junto com minha foto?
    Desde de já eu agradeço independente de qual seja a resposta.
    Meu muito obrigado !!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *