Home / Informações / Alimentação do Sanhaço: O Que o Sanhaço Come?

Alimentação do Sanhaço: O Que o Sanhaço Come?

O sanhaço é um pássaro da família thraupidae, mais conhecido como o famoso tiê. Pássaros desta família são oriundos da América em sua maioria. Seu gênero é o thraupis, que incluem nove espécies de sanhaços, que são pássaros de médio porte.

Os sanhaços são oriundos da América Latina e da América Central basicamente. Sua alimentação vem de seu habitat que habitualmente são florestas e lugares arborizados, de climas úmidos a temperados. Geralmente alimentam-se a base de frutos, insetos e aracnídeos de pequeno porte.

Quanto ao comportamento, andam em bandos consideráveis de cerca de cinquenta pássaros ou em casais quando em período fértil. Quando reproduzem, o ninho é construído em forma de cesta com materiais encontrados em seu habitat para deixar o ninho fofinho para o novo filhote. A postura da fêmea é de geralmente de três ovos e a incubação dura cerca de quinze dias. E quando eclodidos os ovos e após os filhotes nascerem, ficam em média de quinze a vinte dias no ninho para finalmente saírem e se juntarem ao bando.

Sanhaço: Quais as Suas Espécies?

Como dito, são doze as espécies de sanhaço. Pássaros da família thraupidae e do gênero thraupis. Como vocês vão notar no decorrer das apresentações, diferente de alguns pássaros, como os pintassilgos, suas espécies são caracteristicamente individuais e de fácil identificação e reconhecimento.

Outra diferença é o dimorfismo sexual que é presente raramente em algumas espécies distinguindo da maioria das espécies de pássaros novamente, como os pintassilgos. Vamos a algumas delas:

Thraupis Abbas ou Sanhaço Mancha Amarela

Ambos os sexos desta espécie de sanhaço, tanto o macho quanto a fêmea, apresentam a mesma aparência. Reconhecer o sexo entre eles é uma tarefa bem mais difícil do que entre os pássaros que possuem dimorfismo sexual.

Têm cerca de dezoito centímetros de comprimento. Têm uma pequena mancha amarela em sua asa que é bem característica entre os sanhaços. Por esse motivo seu nome, sanhaço da mancha amarela, sendo desta forma mais fácil o reconhecer entre tantos outros sanhaços por aí.

Além da mancha amarela, suas penas são cinza azuladas, mais azuladas na cabeça, bicos, pés, pernas. Seus olhos são pretos, com mancha preta em volta lembrando um sombreado, o final de sua cauda e suas asas são um tom de azul marinho. E no começo das asas temos uns pontinhos ou pintinhas pretas com alguns riscos também, como a maioria dos pássaros, parece até que foi pincelado a mão.

Outra característica individual é o seu canto, que é bem alto, parado ou em movimento voando. Entre a América Central é mais presente nos países, Guatemala, Nicarágua, Honduras e El Salvador. E na América Latina, no México.

Thraupis Bonariensis ou Sanhaço Amarelo ou Sanhaço Papa Laranja

O macho e a fêmea possuem forte dimorfismo sexual. O macho assim como a primeira espécie de sanhaço, é bem característico. É colorido com cores vivas e destoantes.

O peito é laranja amarelado. A cabeça, a face, as asas e a cauda são azuis claras. Os pés e as pernas são finos e rosados. A parte inferior do bico é branco e a posterior, é no mesmo tom de azul, os seus olhos são marrons. Possuem algumas manchas pretas na separação das cores diferentes das asas.

A fêmea, é totalmente diferente, é toda cinza puxando para o marrom, com algumas partes mais escuras e outras mais claras. Ambos medem de dezesseis a dezoito centímetros. Caracteristicamente seu canto é barulhento. E curiosamente possuem quatro subespécies.

O thraupis bonariensis bonariensis, o thraupis bonariensis compósita Zimmer, o thraupis bonariensis darwinii e o thraupis bonariensis schulzei brodkorb. Apesar de ser uma espécie de sanhaço bem presente e de população grande, se encontram mais aqui no Brasil, Paraguai, Uruguai, Argentina, Bolívia, Equador, Chile e Peru. Em matas abertas, plantações, bosques e parques são mais comuns Também se alimentam de folhas além da alimentação dos sanhaços em geral já aqui citados.

Thraupis cyanocephala ou Sanhaço Olivaceo

É parecido com a segunda espécie de sanhaço no quesito das cores das penas. Seu peito, face e cabeça são azuis escuros, de cor bem viva. Suas asas e caudas são oliva, algumas partes mais claras, outras mais escuras. Seus bicos são cinza, seus olhos pretos com manchas que lembram um sombreado preto. Seus pés e pernas são cinza.

Thraupis Cyanoptera ou Sanhaço de Encontro Azul

Além da alimentação já citada dos sanhaços em geral, se alimentam também de sementes, larvas e vermes.

Sua espécie de sanhaço tem diminuído devido à agricultura e urbanização de seu habitat natural, o tropical. Apesar da diminuição preocupante, quando falamos em tropical claro que nos lembramos do Brasil, e é por aqui mesmo que mais se encontram, mais especificamente no sudeste do Brasil, em Minas Gerais, Espírito Santo, Rio Grande do Sul e principalmente Serra do Mar.

Sua aparência é toda azul, com tons diferentes. As asas e caudas são mais escuras, enquanto o peito, face e cabeça são mais claros. Seus pés, pernas e bicos têm o mesmo tom de azul, seu olhos por sua vez são são pretos.

Thraupis Episcopus ou Sanhaço da Amazônia

Além destes nomes, é conhecido por muitos outros, como de pipira azul, por exemplo, nome mais especificamente utilizado no Maranhão. Sanhaço do mamoeiro por gostar de consumir a fruta mamão, e sanhaço azul.

Medem cerca de dezessete centímetros de comprimento. Suas penas são tons de azul diferentes com manchas brancas. Curiosamente essa mancha é usada pelo macho para atrair a fêmea ao ser exibida como forma de conquista para acasalamento e reprodução.

Ainda sobre sua reprodução, atingem a maturidade sexual somente no primeiro ano de vida. Sua cabeça, face e peito são azul mais claro, quase que um azul bebê. Suas asas mesclam-se em camadas. O final das asas e da cauda tem o mesmo tom de azul, mais forte. Seu bico, perna e pé têm o mesmo tom de cinza e seus olhos são pretos.

Sanhaço da Amazônia Sentado no Galho de Uma Árvore
Sanhaço da Amazônia Sentado no Galho de Uma Árvore

Se encontram por quase toda a América Central e Latina, inclusive aqui no Brasil, em variadas regiões.

Assim como o sanhaço amarelo, possui subespécies. Mas no caso desta espécie, muito mais, cerca de quatorze subespécies reconhecidas que se diversificam em tom e cor de penas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *