Home / Informações / A Cigarra e Suas Características Peculiares

A Cigarra e Suas Características Peculiares

Os insetos ainda são fonte de grande espanto e curiosidade, em todas as culturas do mundo. E um deles em especial, em alguns países é associado as mudanças de estação, sendo utilizada como uma fonte nutritiva na culinária aborígene e tem participação em crenças antigas, além de ter muita relevância na agricultura. Como é o caso da nossa tão conhecida cigarra.

Exemplos de sua importância e uso, podem ser descritas em várias situações, como por exemplo, na cultura chinesa antiga, que criavam formas de cigarras a partir de jades funerárias, estas depositadas sobre as línguas de seus entes falecidos, crendo que o ato induziria a ressurreição da pessoa querida. Além de ter uso medicinal, sendo prescrito muitas vezes para enxaqueca e infecções auditivas. E quando a cigarra adquire um fungo chamado Cordyceps sobolifera, ela ainda é usada para enfermidades como doenças que afetam o trato respiratório. Em se falando sobre culinária, a cigarra adulta e suas ninfas tem grande valor nutritivo para alguns povos, como é o caso dos aborígenes da Austrália Central e do povo Ekagi.

Estes insetos tem ganhado, também, grande destaque e importância na agricultura, pois são considerados prejudiciais, principalmente em cultivos de café, no Brasil, de maçã e plantas ornamentais, nos EUA, de cana-de açúcar, no Japão e da erva mate, na Argentina.  Com os desmatamentos e substituição da flora nativa por mono cultivos, ocorreu um desequilíbrio e com isso, os animais, no nosso caso, os insetos, foram obrigados a se adaptar e se associar com as novas plantas cultivadas, se tornando o que chamamos de pragas, pois elas se alimentam, principalmente em sua fase de ninfa, de seiva da raiz dessas plantas.

Características da Cigarra

As cigarras pertencem a ordem Hemiptera, da superfamília Cicadoidea, está dividida ainda em duas famílias, a Cicadidae (grupo que contém espécies de grande importância econômica no Brasil) e a Tettigarctidae.

Hoje iremos falar das características dos insetos que fazem parte da família Cicadidae, onde estão presentes as verdadeiras cigarras.

Elas se diferem, das outras espécies, em suas estruturas, pois apresentam, três ocelos no vertex, antenas septiformes, um bem desenvolvido pronotum transverso, asas, sendo que boa parte das espécies da família, tem asas membranosas, os aparelhos genitais, tanto masculinos como femininos bem definidos, o que auxilia na sua distinção, e não podemos esquecer do aparelho timpânico, presente apenas nos machos, enquanto que nas fêmeas é ausente ou não é bem desenvolvido. Este aparelho é responsável pela produção do som tão característico desses insetos.

As cigarras podem apresentar várias colorações, entre elas, misturas de vermelho e preto, verde, marrom, preto e amarelo, e medir de 25 mm (milímetros) a 45 mm, dependendo da espécie.  Estes insetos não tem hábitos que exigem muito gasto de energia, como caçar seu alimento, sua presença é perceptível principalmente devido aos sons que emitem. Podem ser vistos em praticamente o mundo todo, porém sua maior diversidade em espécies e número é vista em regiões neotropicais e topicais. Em períodos do ano com presença maior de sol e chuva.

Sua alimentação varia de acordo com sua fase de vida. Quando estão em sua fase larval e depois ninfa, as cigarras se alimentam da seiva do xilema das plantas, pelas raízes das mesmas. Já adultos, esses insetos se alimentam sugando brotos e os ramos novos das plantas.

Cigarra
Cigarra

O período de vida das cigarras pode várias entre as espécies, e também fase de crescimento, quando em forma de ninfa, as cigarras podem viver, em torno de 2 anos ou até 17 anos embaixo do solo, apenas se alimentando de seiva. Quando adultos, caso não tenham virado alimento para algum predador, com as aves, vivem apenas por um mês aproximadamente, tempo suficiente para se desenvolver, crescer, se reproduzir e no caso das fêmeas, depositar seus ovos.

Em se falando de reprodução e crescimento desses insetos, após a cerimônia barulhenta de atração e acasalamento entre o macho e a fêmea, esta vai depositar seus ovos, geralmente em interior de ramos de plantas mortas ou vivas. Quando os ovos “chocam”, suas larvas saem e rapidamente alcançam o solo, para então, começar um trabalho árduo, escavando a terra até conseguir chegar às raízes das arvores para poder se alimentar da seiva e crescer,  virando ao final dessa fase, uma ninfa.

As cigarras em sua forma de ninfa, depois de um longo tempo de desenvolvendo, no mundo subterrâneo, surge então, em sua época de crescimento final e reprodução, saindo de seu buraco na terra, para começar outra jornada, escalando os troncos das arvores. Ao longo de seu caminho, a cigarra, vai realizando sua metamorfose, que no seu caso é considerada uma metamorfose incompleta, devido sua similaridade estrutural com sua forma adulta. Ela  então, deixa para trás sua exúvia, adquire tamanho, cores novas e asas, além de um sistema reprodutor agora bem desenvolvido.

Como e porque as cigarras cantam?

O canto, ou para algumas pessoas, apenas um ruído irritante e estridente, é realizado apenas pelos machos dessas espécies e sua função é atrair as fêmeas para o acasalamento. É importante ressaltar que cada espécie de cigarra, reproduz um som diferente e característico.

O canto é produzido, pelos machos, devido ao aparelho timpânico, situado na região de base abdominal, que contém estruturas chamadas de timbales, definidas como sendo placas estriadas localizadas em uma membrana e dentro destas, estão presentes sacos aéreos traqueais, que atuam como câmaras de ressonância. Além dessas estruturas, temos dois músculos envolvidos no processo, e um tendão quitinoso.

A formação do som característico se deve através da contração desses dois músculos, de forma simultânea, que imediatamente é seguida por um momento de relaxamento, agindo como nas membranas elásticas. O processo consiste em faze-las se achatar e voltar ao seu tamanho normal, alternadamente, repetidamente e sempre cada vez mais rápido, ocasionando o que chamamos de vibração e o som tão característico do inseto.

Curiosamente, um inseto relativamente pequeno como a cigarra, consegue produzir um som, que pode chegar a incríveis 120 decibéis, sendo comparado ao barulho que um avião comercial grande emite. Ou seja, bastante ensurdecedor, não acham? Com um canto nupcial tão alto, vamos combinar que nenhuma cigarra fêmea poderia resistir.

Referências:

  1. https://www.ffclrp.usp.br/imagens_defesas/02_05_2013__16_12_59__45.pdf
  2. http://www.scielo.br/pdf/aseb/v26n1/v26n1a18
  3. http://seaentomologia.org/Publicaciones/PDF/BOLN43/453_457BSEA43EtnoentomologiaCigarras.pdf
  4. http://www.ufrrj.br/institutos/ib/ento/tomo03.pdf
  5. https://www.oeco.org.br/colunas/colunistas-convidados/27722-a-luta-de-vida-e-morte-por-tras-do-canto-das-cigarras/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *