Home / Curiosidades / Tipos de Sanguessuga e seus Nomes Científicos: Gigante e Terrestre

Tipos de Sanguessuga e seus Nomes Científicos: Gigante e Terrestre

Animais gosmentos e rastejantes não costumam ser os preferidos entre as pessoas. Aposto que você não deve ser muito fã de cobras, sapos ou lemas, certo? Muito menos da sanguessuga que, além de ter essa aparência estranha, ainda se alimenta de sangue, humano, inclusive. 

Apesar de ter um visual meio desagradável e ser um pouco assustadora devido a sua dieta nada comum, a sanguessuga traz muitos benefícios para os seres humanos. Por exemplo, você sabia que ela pode ser usada para alguns tratamentos médicos, como doenças nas articulações ou para ajudar a restabelecer o fluxo sanguíneo após uma cirurgia de reimplantação de órgãos? Aliás, está é uma tarefa muito difícil, e é por este motivo que muitos médicos americanos estão usando o animal para realizar esse processo. 

Através dos tempos, o uso do bicho foi algo comum, tendo sido usado desde a época dos egípcios, que acreditavam que a sangria – a retirada do excesso de sangue do corpo humano – resolvia qualquer problema de saúde. O que não é verdade, porém, o fato da criatura realmente ter benefícios na área da saúde é verídico, como podemos ver atualmente, com pesquisas relacionadas a sanguessuga. 

Ela pode até não ter uma aparência das mais agradáveis, mas com certeza tem sua importância dentro do ecossistema. Vamos saber mais sobre este indivíduo? 

Sanguessuga
Sanguessuga

Sobre a sanguessuga 

A sanguessuga é um bicho invertebrado, parecido com um verme. Ela pertence a família dos anelídeos. É parente da minhoca, mas ela se difere da sua prima devido a presença de ventosas nas duas extremidades do seu corpo. Além do fato da grande maioria desses bichos viverem na água, enquanto a minhoca é quase 100% terrestre. 

Existem cerca de 600 espécies de sanguessugas espalhadas pelo mundo. A mais comum é a Hirudo medicinalis. Inclusive, são esses os espécime usados nas cirurgias. 

Sanguessuga-gigante-da-Amazônia 

E dentro desses vários tipos de sanguessugas está a gigante da Amazônia (Haementeria ghilianii), considera uma das maiores espécies do mundo. Encontrada na Amazônia, assim como na Guiana, ela pode chegar aos 45 centímetros de comprimento. 

Na fase adulta tem uma coloração marrom acinzentada, ao contrário dos jovens que possuem um tom não uniforme, apenas faixas em diversas cores. 

Por um tempo acreditou-se que estava extinta, entre os anos de 1890 a 1970, quando foi redescoberta pelo Dr. Roy Sawyer, na Guiana Francesa. A criatura pode viver até os 20 anos de idade e está entre as sanguessugas que se alimenta de sangue – nem todas tem essa dieta, apesar do nome -.

Haementeria ghilianii
Haementeria ghilianii

Sanguessuga medicinal 

A Hirudo medicinalis também conhecida como sanguessuga medicinal europeia como já dito anteriormente é a mais comum na medicina. É encontrada em toda a Europa até a Ásia, assim como no Cazaquistão e Uzbequistão. Gosta de viver em piscinas de lama doce e lagos com a presença de plantas daninhas. Tem uma faixa vermelha em seu corpo. Sua mordida exibe um formato de Y invertido, dentro de um círculo. 

Hirudo medicinalis
Hirudo medicinalis

Características gerais das sanguessugas 

Geralmente este animal mede entre 5 a 12 milímetros, com exceção da gigante da Amazônia. Esse bicho tem a capacidade de dilatar o seu corpo para armazenar uma boa quantidade do sangue que ela suga, por isso é normal ver imagens desse indivíduo num formato mais fino ou mais “gordinho”. 

A cor varia de acordo com a espécie, mas a maioria tem uma coloração escura. Apesar disso, elas conseguem mudar a própria tonalidade em resposta a estímulos diferentes. Tem uma quantidade fixa de segmentos no seu corpo, e cada uma delas detém diversas subdivisões. 

Possui duas ventosas, uma na parte da frente, que é pequena, e outra na região traseira. Para se movimentar, prende a dianteira e arrasta os segmentos do seu torso. Para nadar, realiza ondulações rápidas, e isso é possível graças aos músculos que detém em sua parede corporal. 

Habitat 

A sanguessuga pode ser vista em várias partes do mundo, menos na Antártida. Porém, a maioria prefere habitar áreas tropicais. E isso se deve por adaptarem melhor ao clima quente e ambientes aquáticos. Temperaturas frias não são boas para o seu desenvolvimento. 

Ele pode ser encontrado no mar, mas prefere viver em água doce, com algumas sendo terrestres. 

E lembra que comentamos que o bicho voltou a ser usado em procedimentos médicos e também estéticos? Pois é, devido ao uso excessivo, como aconteceu no século 19, algumas espécies já entraram em programas para preservação em alguns países. Mas a população desse bicho tem diminuído cada vez mais. 

Alimentação da sanguessuga

Como existe uma variedade de espécies, seu tipo de alimentação muda de espécime para espécime, seu habitar também interfere na dieta. Aquelas que vivem em água doces comem moluscos e vermes. Existem as carnívoras e as que se alimentam de sangue. Suas vítimas normalmente são vertebrados, como os seres humanos. 

Reprodução 

A maioria das sanguessugas são hermafroditas. Elas possuem vários pares de testículos e um par de ovários. A reprodução acontece por meio da fertilização interna. Já o processo em si varia de acordo com a espécie.

Os bichos que vivem na água botam seus ovos fora deste local até os filhotes nascerem. Porém, existe um indivíduo aquático, a Erpobdella, que deposita eles neste local. Estes permanecem conservados devido a presença de uma barreira protetora. 

Em outros bichos, os espermatozóides permanecem armazenados nos espermatóforos, que fica na parte externa do parceiro e fertiliza os ovários ao atravessar uma parede. 

Assim que esses são fertilizados, os ovos vão para um casulo com uma consistência quitinosa. Os bebês têm o mesmo formato e cor que os adultos. 

Sanguessugas na medicina 

Lembra que comentamos lá no começo que a sanguessuga sempre foi usada na medicina? Este animal é utilizado com esse fim desde a Roma antiga, no intuito de aliviar dores e tratar mazelas de todo o tipo, e isso queria dizer usar o bicho para “cura” da obesidade até doenças mentais e oculares. Isso porque a sucção realizada pelo espécime alivia essas males. 

E sabe por que você não sente nada quando é “atacado” por uma sanguessuga? Porque em sua saliva existem substâncias analgésicas, além de antibióticas. Há também a presença de enzimas que curam. Ela é capaz até de impedir a trombose. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *