Home / Curiosidades / Salamandra Gigante é o Maior Anfíbio do Mundo?

Salamandra Gigante é o Maior Anfíbio do Mundo?

Se você está aqui é para saber se a salamandra gigante é realmente o maior anfíbio do mundo, certo? Sendo bem direto e rápido, sim, a salamandra gigante é o maior anfíbio do mundo. Porém, essa espécie é muito rara, e até então essa categoria não era pertencente a outro anfíbio tão grande quanto a salamandra gigante, mas sim a ela mesma ainda. Confuso não é?

Acontece que alguns estudos foram realizados e descobriram um segredo na espécie da Salamandra Gigante. Ficou curioso?  Cientistas descobriram a existência desse animal na china e assim a Salamandra Gigante recebeu seu nome popular como Salamandra gigante da China.

Mas agora que você já sabe que a salamandra gigante é talvez o maior anfíbio do mundo, certamente deveria conhecer um pouco mais sobre a espécie não acha? Aqui vão então algumas curiosidades da salamandra gigante. Os segredos da salamandra gigante da China vão explicar melhor sobre a questão de ela ser ou não o maior anfíbio do mundo.

Salamandra Gigante
Salamandra Gigante

Tamanho E Aparência

Sua aparência é semelhante as de outras salamandras. Com o corpo achatado e o rosto bastante achatado também, lembram crocodilos menores e com peles viscosas de sapo como um anfíbio deve ter.

As salamandras gigantes da China possuem um tamanho muito maior do que o esperado por anfíbios. Essa espécie pode chegar a ter 1,5 metros de comprimento e pesar cerca de 45 quilos. Décadas atrás, a salamandra gigante da China poderiam ser encontradas facilmente pela China toda, desde o sul subtropical até as montanhas do centro-norte e até mesmo na parte leste do país.

Mesmo podendo ser encontradas em uma área tão grande, e em algumas áreas separadas por montanhas que contém rios separados, alguns pesquisadores consideravam as salamandras gigantes da China como sendo apenas uma única espécie. Essa espécie da qual eles chamavam de Andrias davidianus.

O segredo

Porém a curiosidade da salamandra gigante é que em uma nova pesquisa com exemplares de museu, apontou que as salamandras gigantes da China não são uma só, mas sim, três espécies diferentes. Dentre elas, uma espécie foi encontrada como a maior, das três recebeu um novo nome, chamado cientificamente de Andrias sligoi, ou salamandra gigante do sul da China como é chamada popularmente. De acordo com o estudo publicado em setembro, onde se confirmou por fim qual realmente é o maior anfíbio do mundo.

Salamandra Gigante Maior Anfíbio do Mundo
Salamandra Gigante Maior Anfíbio do Mundo

A Preocupação Com A Extinção

A notícia da existência de tantas espécies diferentes de Salamandras Gigantes na China abriu os olhos dos estudiosos para um problema que antes não havia sido tão enfatizado. O fato de que essas espécies por ser diferentes, provavelmente estariam ficando extintas. Dessa forma, estudos realizados com a espécie alertaram biólogos da área pois a Salamandra gigante da China estava já considerada em perigo crítico, aquelas chamadas cientificamente de Andrias davidianus.

Uma das preocupações com a extinção do animal levou com que ele fosse criado em fazendas. Com o tempo a espécie começou a ser consumida como iguaria. Surgindo uma vez que a criação de animais se originou na China central que é o local onde a espécie foi encontrada pela primeira vez, e desde então começou a ser espalhada pelo país nas últimas décadas. Sua carne pode chegar a preços exorbitantes e mesmo assim são bastante apreciados.

Era instigado no passado que se devolvesse estes animais à natureza como tentativa de ajudá-los. Porém essa tentativa mostrou-se insensata, uma vez que a estratégia poderia causar mais mal do que bem. A variação de local, fazia com que somente a espécie original, agora que eram separadas em três, pudesse ser devolvidas para as suas áreas corretas.

Devolver esses animais à natureza em lugares diferentes do original dos quais eram acostumados, pode ajudar a espalhar certas doenças, além de introduzir nos próprios animais a competição e hibridação.

Inclusive sobre as salamandras gigantes, entre 2013 e 2016, alguns estudiosos procuraram por salamandras gigantes da China, e apenas encontraram elas em quatro lugares, porém, todas elas estavam em áreas que não combinavam com sua genética. Isso levou os pesquisadores a entender que os animais que ali viviam foram levados por fazendas. Alguns pesquisadores levantaram então a condição de seriedade que sido ignorada ao realizar tudo isso.

Curiosidades

Há várias curiosidades das salamandras gigantes e uma dessas curiosidades das salamandras gigantes era que durante a pesquisa com genes de espécimes do museu de salamandras gigantes coletados à décadas atrás, no caso, antes da generalização do cultivo e movimentação de anfíbios pelo mundo pelos humanos, foi analisado que as salamandras começaram a se diferenciar há 3,1 milhões de anos enquanto o planalto tibetano ainda se erguia, juntamente com as Montanhas Nanling bem no centro sul da China.

O que se concluiu então é que isso separou geograficamente os Salamandras gigantes da China, dividindo elas em pelo menos as três linhagens que chegamos a conhecer. Todas espécies diferentes, mas originárias do rio Yangtze ao norte, do rio Peral no sudeste e do sul da China.

Outra curiosidade das salamandras gigantes nessa área é que os resultados seguiram com a geografia e a genética exclusiva de cada grupo, mas nem os cientistas sabem quais as diferenças anatômicas originadas cada espécie poderia ter. Segundo eles, as formas em que os animais foram preservados são incalculáveis.

As amostras de salamandras jovens também não tem características vistas em indivíduos mais velhos. Sem falar que a pressão causada pela caça ilegal fez com que os animais deixassem de crescer tanto quanto cresciam na natureza, dessa forma, fica impossível dizer como as salamandras gigantes completamente crescidas de cada espécie apresentariam suas diferenças uma das outras.

A terceira espécie, até agora, não pode ser nomeada ou descrita, porque a única fonte de trabalho que os pesquisadores possuem é DNA de amostras de tecido, porque nem espécime de animal completo sobrou.

Conclusão

Aprendemos então o quanto a intromissão do homem pode causar de danos se for mal estudado antes de agir. Com isso finalizamos nosso artigo dizendo que os estudiosos esperam que da próxima vez sejam realizados de forma mais correta e completa as pesquisas.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *