Home / Curiosidades / Qual Foi O Maior Predador De Todos Os Tempos?

Qual Foi O Maior Predador De Todos Os Tempos?

Se estamos falando de predadores é claro que falaremos aqui de animais carnívoros que a depender da ocasião poderiam causar danos a nós seres humanos. Infelizmente, o maior predador já exsitente acabou sendo extinto a milhões de anos, mas, no final deste post você encontra um predador também impressionante que está vivo e que certamente põem medo em qualquer um.

Estamos Falando De Um Dinossauro

O maior predador de todos os tempos foi um dinossauro. Se você pensou no Tiranossauro Rex está redondamente enganado. Apesar da fama, o T-Rex, como também acabou sendo conhecido é substancialmente menor do que o dinossauro que falaremos hoje. Para que você tenha uma ideia precisa, o T-Rex é três vezes menor do que o dinossauro do nosso post. O maior predador de todos os tempos foi e é o Spinosaurus.

Vale ressaltar que há espécies de dinossauros muito maiores do que o Spinosaurus, mas herbívoras, e como estamos falando de predadores o posto sem dúvida é dele.

Spinosaurus
Spinosaurus

O Spinosaurus: Uma Breve Apresentação

O Spinosaurus era um animal que impunha respeito de longe com seus mais de quinze metros de comprimento. Suas patas eram tão grandes e robustas que mais lembravam pás e tinha a incrível capacidade de fechar suas narinas para que pudesse nadar.

O fato mais interessante deste animal, entretanto, era o seu hábito alimentar, como bom carnívoro e com a característica de passar muito tempo na água podia comer tubarões inteiros facilmente. Para alguns pesquisadores e estudiosos é tido como uma espécie de crocodilo gigante. Mas o spinosaurus era muito mais do que isso.

O spinosaurus também pode ser mencionado como espinossauro. Apesar de ter sido representado em algumas produções como bípede estes animais eram, na verdade, bípedes e quadrúpedes. No caso de sua locomoção em terra firme eram quadrúpedes, contradizendo a sua representação em produções onde aparece como animais bípedes,

Por bípedes temos aqueles animais que se deslocam sobre dois membros, com nós, seres humanos. Os quadrúpedes por sua vez se deslocam sobre quatro membros, como os gatos, por exemplo.

Em relação as suas características físicas além dos quinze metros de comprimento comuns para a espécie, os espinossauros podiam chegar a cerca de seis metros de comprimento e cerca de sete toneladas, sendo este o seu peso mínimo estimado. Ainda sobre suas características físicas, a espécie possuía longas vértebras em suas costas, denominadas de prolongações espinhais. Estas prolongações poderiam em alguns casos chegarem a dois metros de comprimento e eram recobertas com uma camada fina de pele. Ainda por conta destas prolongações em suas costas acabou sendo denominado de lagarto de espinho, ou espinossauro.

Não se sabe ao certo a função destes espinhos nas costas deste dinossauro, mas alguns pesquisadores defendem que era utilizada para termoregulação, armazenando calor e proporcionando ainda mais agilidade a espécie. Outra teoria é que serviria para impressionar fêmeas ou espantar rivais. Outra hipótese seria que serviam unicamente para exibição durante o nado. Infelizmente, o estudo não foi conclusivo e não se sabe certamente para que esta estrutura afinal servia.

Curiosidade Quanto Aos Fósseis

O primeiro fóssil de espinossauro foi descoberto em mil novecentos e doze por Ernst Stromer, no Egito. Na época o paleontólogo alemão alegou que a espécie não poderia ser maior que o tiranossauro rex. Infelizmente, o esqueleto encontrado por Stromer era o mais completo já descoberto e acabou sendo destruído em mil novecentos e quarenta e quatro.

O fóssil encontrado foi deixado em um museu em Munique, na Alemanha, terra natal do paleontólogo que o descobriu. O museu por sua vez acabou sendo queimado durante um bombardeio na Segunda Guerra Mundial e desde então nunca mais foram encontrados fósseis tão completos da espécie. Em contrapartida, fósseis de espinossaurídeos foram encontrados no Brasil no estado do Ceará, onde já foram descobertos bons registros fósseis de outras inúmeras espécies de animais já extintos.

Apesar de nunca mais terem sido encontrados fósseis completos do animal, recentemente um fragmento do crânio do espinossauro foi encontrado. A partir do fragmento encontrado, estimaram que o crânio total do spinosaurus chegaria a três metros de comprimento. Ainda de acordo com estes pesquisadores e com a comparação com outras espécies aparentemente similares acredita-se que a espécie apresentava entre doze a dezoito metros de comprimento e o seu peso variava de sete a vinte toneladas.

Lamentavelmente até o momento nenhuma outra descoberta foi feita e não podemos afirmar categoricamente o porte do spinosaurus.

O que se sabe certamente sobre a espécie é que a mesma possuía braços e mandíbula longa, o que o auxiliava na hora de capturar o seu alimento na água. O espinossauro foi a primeira e a única espécie de dinossauro a desenvolver características semiaquáticas.

Esta descoberta foi atestada formalmente a partir da descoberta de um fóssil relativamente bem conservado de espinossauro no Marrocos. A partir deste fóssil foi possível estabelecer que este animal dava-se bem tanto na água quanto na terra, passando inclusive boa parte de seu dia submerso em água.

Vale destacar aqui que parte do que foi encontrado neste estudo, correspondia a partes ainda não descobertas até então da espécie. Cientistas e pesquisadores da área acreditam que futuramente possam encontrar outras espécies que apresentavam essa característica presente no espinossauro, mas até o momento ele é único.

O maior carnívoro vivo

Quem você chutaria ser o maior predador vivo atualmente? Possivelmente todas as suas apostas não chegariam nem perto do dono do posto. Estamos falando do urso pardo, ou ursus arctos, como também é conhecido cientificamente.

Quando decide ficar em pé, como bípede, este urso pode chegar facilmente a dois metros e oitenta centímetros de altura. As fêmeas, embora sejam menores, ficam em torno de um metro e setenta. Apesar do porte expressivo, estudiosos defendem que o seu comportamento não é agressivo e domadores utilizam-se muito da espécie para apresentações circenses depois de muito treinamento.

A sua alimentação é bem diversificada, podendo consumir peixes, roedores, insetos e até mesmo ursos menores quando consegue capturá-los. Mesmo com o hábito de consumir carne não dispensa o consumo de mel e frutas, como é comum para os ursos em geral.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *