Home / Curiosidades / Qual Foi o Dinossauro Mais Inteligente do Mundo?

Qual Foi o Dinossauro Mais Inteligente do Mundo?

Se você ouviu que os dinossauros são animais burros, bom, qualquer que tenha sido sua fonte, saiba que essa pessoa ou mídia está redondamente errada. Eles eram, sim, bichos espertos, principalmente os caçadores. Afinal, é preciso mais que instinto para caçar. E quando falamos de inteligência, esse posto foi dado ao Troodontidae. 

Troodontidae
Troodontidae

Troodontidae: o dinossauro mais inteligente 

Esse indivíduo faz parte da família dos terópodes, sendo de pequeno porte. Ele apresentava olhos grandes, o que quer dizer que o bicho tinha hábitos noturnos.  

Quanto a sua dieta, a maioria deles caçava mamíferos e lagartos pequenos, a noite, que era quando suas presas estavam inativas. 

Essa criatura habitou a terra no período Cretáceo, cerca de 72 milhões de anos atrás. Uma das suas maiores características é o cérebro grande. Por meio de um fóssil encontrado, os cientistas puderam observar marcas das reviravoltas cerebrais, que demonstraram uma enorme atividade cerebral, ou seja, comprovando que ele era muito inteligente.

Velociraptor: rápido e inteligente 

Outro dinossauro que pode integrar essa lista é o Velociraptor. Nos filmes da franquia Jurassic Park podemos observar como esses indivíduos usavam muito bem o cérebro, sendo capazes de abrir portas e até chamar por outros companheiros quando achavam algo suculento para comer. No caso do longa, pessoas. Claro que não sabemos se eles eram capazes de tal feito, mesmo porque na época que eles viveram não existia portas, porém, sua inteligência é algo que foi comprovado. Essa teoria foi corroborada em cima de fósseis achados e estudados. Seu tamanho e o volume estimado da cavidade apontam certo nível de desenvolvimento cerebral. Este, aliás, era grande, com cerca de 23, centímetros de comprimento. 

Quanto a sua velocidade, esta foi afirmada por meio de modelos em 3D que simulam o peso e as pegadas da criatura. Estudos de biomecânica também ajudaram a reafirmar que o Velociraptor era sim rápido, o que faz com que seu nome tenha real significado: ladrão rápido, advindo do latim. 

Além desse erro de achar que os dinossauros não usavam o cérebro, algumas outras incorreções são comuns nesta área. Abaixo, vamos falar de algumas delas. 

Erros mais cometidos quando o assunto é dinossauro 

1 – Penas 

Por várias vezes você deve ter lido por aí que os dinossauros são lagartos gigantes. Bom, não deixa de ser uma certa verdade, mas devido algumas características eles acabam sendo mais parecidos com as aves do que com os répteis. Por exemplo, sabia que muitos deles tinham penas pelo corpo? Isso foi observado no Velociraptor e no próprio T-Rex. Até então, nos últimos 20 anos, mais ou menos, acreditava-se que eles exibiam apenas escamas. Mas com descobertas recentes, para a nossa surpresa e dos cientistas, foi possível observar que muitos deles tinham penas e penugem. Claro, não todos. Mas alguns, sim, por mais improvável que pareça. 

2 – Sangue quente? 

Voltando a essa história de répteis, lagartos, etc, sabemos que esses animais têm sangue frio. E, por pertencerem ao mesmo grupo, se pensou igualmente dos dinossauros. Essa teoria permaneceu até 1970, quando novos dados apontaram que, na verdade, esses grandões tinham sangue quente e precisavam de energia para sobreviver, assim como os mamíferos. 

Em 2014, científicas chegaram a sugerir que eles seriam mesotérmicos, uma variedade entre sangue quente e frio. 

3 – Pinça no dedão? 

Esculturas em tamanho real que eram exibidas no Crystal Palace, um parque no Sul de Londres causou certa confusão. Isso porque um fóssil descoberto de pequena estatura tinha uma parte pontuda. Este foi mostrado ao público pela primeira vez em 1854. Quando foi montando, pensou-se que se tratava de um chifre, por isso a peça foi colocada na ponta do nariz do Iguanodon. 

Porém, anos depois, quando novos exemplares foram desenterrados, percebeu-se que nada verdade o osso fazia parte do polegar, possibilitando o movimento que chamamos de pinça. 

4 – Meteoro assassino? Talvez não!

Bom, não podemos dizer exatamente que é um erro, mas é fato que até hoje os cientistas da área não sabem, realmente, como aconteceu a extinção dos dinossauros. Porém, algumas teorias circulam nesse universo, sendo o mais aceito o do meteoro. A maioria dos especialistas crêem que o sumiço desses grandões aconteceu após uma enorme pedra vinda do espaço atingiu a terra, matando a maioria deles. O que até seria compreensível, por diversos motivos. Por exemplo, aqueles que tivessem perto do objeto teriam sido exterminados devido a onda de fogo criado pelo meteoro. Eles também não resistiriam a cortina de fumaça que cobriu o planeta, impedindo que a luz do sol ultrapassasse além de superfície, prejudicando, entre muitas coisas, a fotossíntese. Interferindo no círculo alimentar de todos eles. Porém, como outros animais conseguiram sobreviver a esse desastre? Como os pássaros, mamíferos e crocodilos? 

Outra hipótese indica que a extinção ocorreu devido às mudanças climáticas da terra e a formação de montanhas. Já pesquisadores do século 20 crêem que eles simplesmente perderam fôlego como espécie e desistiram de lutar. 

5 – Centenários? Não exatamente! 

Como se acreditava que os dinossauros eram seres de sangue frio, os pesquisadores imaginavam que eles demoravam bastante para evoluir da fase filhote para adulta. Isso também deu a ideia de que eles eram bichos centenários, podendo ultrapassar os 100 anos. Infelizmente, para eles, isso não é verdade. Eles não só cresciam rápido, como mal chegavam aos 50 anos. 

6 – Entretenimento acima da verdade 

Apesar de ser um sucesso e um bom filme, a trilogia de Steven Spielberg traz diversas informações errôneas sobre os dinossauros. Para os reais entendedores do assunto, os Velociraptors dos longas são rápidos, inteligentes e espertos mais do que deveriam. Ou seja, não era bem assim que eles agiam. Por outro lado, um fato era verdade: eles realmente caçavam em grupos. 

Bom, e nem precisávamos falar das penas, certo? Inclusive, esse foi um erro que não foi corrigido nem na franquia mais nova dos filmes, Jurassic World. 

Sabemos que o intuito de Hollywood é basicamente entreter e isso nem sempre – na maioria das vezes, na verdade – está ligado a verdade. Apesar disso, eles fazem isso muito bem, deixando esse universo ainda mais mágico. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *