Home / Curiosidades / Qual Espécie de Peixe é a Dory?

Qual Espécie de Peixe é a Dory?

Você sabe qual espécie de peixe é a Dory? Após o sucesso dos filmes Procurando Nemo e Procurando Dory, muitas pessoas ficaram curiosas em relação às espécies que ficaram tão famosas. Agora que você já descobriu que Nemo e Marlin são peixes-palhaço, chegou a hora de falarmos sobre a personagem com perda de memória recente.

Ao longo desse artigo, você saberá mais sobre a espécie da Dory, onde ela pode ser encontrada, do que se alimenta e se pode ser criada em aquário. Portanto, não deixe de ler até o final para se tornar especialista no assunto.

Vamos começar?

Cirurgião-patela
Cirurgião-patela

Qual espécie de peixe é a Dory?

Se você assistiu Procurando Dory, você provavelmente já sabe qual é a sua espécie. Afinal, ela mesma revela enquanto busca seus pais. Na continuação de procurando Nemo, Dory começa a ter lembranças de sua infância e parte em uma busca emocionante por seus pais.

Sua jornada faz com que ela redescubra que nasceu em um aquário da vida marinha. Seus pais moravam em uma exposição conhecida como Mar Aberto, onde ficavam todos os outros peixes de sua espécie: o Cirurgião-patela.

O nome científico dessa espécie é Paracanthurus hepatus. Porém, ele é conhecido popularmente como cirurgião-patela. Suas características principais são o corpo azul brilhante, uma cauda amarela e padrões pretos ao longo de toda a sua extensão. Ou seja, na vida real, eles são como a Dory!

Por outro lado, o que muita gente não sabe ao se questionar qual espécie de peixe é a Dory é que sua cor é resultado da incidência da luz. Logo, se você encontrar algum parente dela no escuro, você poderá ver uma cor mais esbranquiçada. Além disso, quando são mais jovens, os cirurgiões-patela podem ser amarelos e mudar de cor conforme crescem.

Quais são as semelhanças entre a vida real e Procurando Dory?

Como você pode ver, a cor azulada é algo que os cirurgiões-patela têm em comum com a personagem. Mas quais são as demais características que o filme acertou e errou?

Bom, em primeiro lugar, o cirurgião-patela não é tão simpático quanto a Dory. Na verdade, eles costumam ter comportamento bastante agressivo durante a vida adulta. Suas barbatanas contam com diversas lâminas utilizadas para ferir qualquer animal que os ameace.

Porém, no quesito “tamanho” eles acertaram. Os cirurgiões-patela podem chegar até 30 centímetros de comprimento, um pouco a mais que o peixe-palhaço. É por isso que a Dory parece mais comprida que Nemo e Marlin, seus companheiros de aventuras.

Outra característica na qual os produtores acertaram em cheio é a facilidade de adaptação em aquários comunitários. Assim como a Dory, que vivia na exposição Mar Aberto, outros cirurgiões-patela conseguem se adaptar bem ao ambiente. Eles também convivem tranquilamente com outros de sua espécie.

Aliás, isso é válido não apenas para os aquários comunitários. Agora que você sabe qual espécie de peixe é a Dory, saiba também que eles podem formar famílias. Portanto, não é incomum encontrar cardumes de 10 a 15 cirurgiões patela que vivem juntos. Ou seja, esse é mais um acerto da animação!

Cirurgião-patela e Peixe-palhaço
Cirurgião-patela e Peixe-palhaço

Do que os cirurgiões-patela se alimentam?

Isso é algo que não ficou claro no filme. A alimentação do cirurgião-patela é composta, principalmente, de algas marinhas. Além disso, eles podem também capturar pequenos camarões para se alimentarem.

Além de fornecerem todos os nutrientes essenciais para a sobrevivência do peixe, as algas também fortalecem seu sistema imunológico. Logo, a dieta dessa espécie pode fazer com que sua expectativa de vida seja prolongada. Geralmente, eles vivem de 5 a 8 anos, mas podem chegar até 10 anos!

Por mais que os cirurgiões-patela contem com os pares de lâminas em suas barbatanas, eles não são animais conhecidos por caçar e, geralmente, evitam contato com peixes de outras espécies para se protegerem. Portanto, a alimentação fica por conta das algas marinhas mesmo.

Antes de atingirem a vida adulta, os cirurgiões-patela podem se alimentar de plâncton também. Então é uma surpresa que a Dory não tenha tentado comer quando viu a reunião de plâncton antes de eles serem engolidos por uma baleia em Procurando Nemo!

Agora que você já sabe qual espécie de peixe é a Dory e um pouquinho mais sobre a espécie, vamos tirar uma das principais dúvidas de quem é fã da animação. Afinal, é possível ter a sua própria Dory em casa?

O cirurgião-patela pode ser criado em aquário?

Com o lançamento de Procurando Nemo e, principalmente, Procurando Dory, a busca pelo cirurgião-patela aumentou muito no mercado. Isso porque todo mundo queria ter o seu peixinho azul no aquário de casa. E por mais que, sim, essa espécie seja comercializada e você possa comprar o seu, a prática não é recomendada por ambientalistas.

Isso porque os especialistas ainda não conseguiram criar o cirurgião-patela em cativeiro. O peixe-palhaço, espécie de Nemo e Marlin, é um exemplo de peixe que foi reproduzido nesses ambientes e que não precisa ser tirado da natureza. Porém, no caso dos peixinhos azulados, isso não é verdade.

Logo, os cirurgiões-patela que encontramos para vender foram retirados de seu habitat natural. A prática mais comum para capturá-los é liberar uma substância conhecida como cianeto no mar. Com isso, os peixinhos se assustam e nadam mais próximo da superfície, onde os pescadores estão prontos para capturá-los.

Com o tempo, isso pode desequilibrar o meio ambiente e até mesmo reduzir a quantidade de cirurgiões-patela nadando no mar. Portanto, por mais que você queira a sua própria Dory, talvez seja uma boa ideia escolher outra espécie que não foi tirada de seu lar.

Cirurgião-patela
Cirurgião-patela

Viu só quanto há para aprender sobre o universo de Procurando Dory? Então, se você quer conhecer mais curiosidades sobre os animais retratados na telona e espécies de peixe ao redor do mundo, não deixe de ler os nossos demais artigos.

Caso você ainda tenha dúvidas sobre qual espécie de peixe é a Dory, deixe o seu comentário no espaço abaixo. Aproveite também para divulgar o artigo nas redes sociais!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *