Home / Curiosidades / Qual a Cor do Sapo Cururu? Onde Ele Vive?

Qual a Cor do Sapo Cururu? Onde Ele Vive?

Berço dos mais diversos tipos de animais, a Amazônia, no Brasil, também é a moradia do sapo cururu, conhecido igualmente como Rhinella Marina ou sapo-boi, é um bicho nativo da América Central e do sul. Pertence a família Rhinella, que abriga diversas espécies de sapos, presentes principalmente em terras brasileiras. 

Uma de suas características morfológicas mais marcantes é que ele é um indivíduo extremamente fértil, com a fêmea podendo botar uma enorme quantidade de ovos a cada gestação. Esse traço se deve também a variedade de comida que o sapo tem a sua disposição que, inclusive, é considerada meio incomum, já que ele come tanto de materiais vivos a mortos. 

Outro fator morfológico que chama atenção é o seu tamanho, enquanto outros anfíbios medem de 10 a 15 centímetros, o cururu pode chega a incríveis 50 centímetros, com alguns até passando dessa medida. Já foi registrado uma espécie com um peso de 2,65 quilogramas. Não é a toa que ele é chamado de sapo-boi. 

Fazem parte do grupo de espécies de sapos venenosos. Tanto o adulto quando o girino são altamente tóxicos quando ingeridos. 

Sapo Cururu
Sapo Cururu

É comumente usado para controlar pragas em várias regiões devido o seu grande apetite, com isso ele foi introduzido artificialmente em áreas do Oceano Pacífico e arquipélagos do Caribe. Na Austrália, ele chegou em 1935. Foi usado principalmente para acabar com os bichos que atacavam as plantações de cana-de-açúcar.

Hoje, é considerado uma praga em muitas dessas áreas, isso se deve a sua pele tóxica que acaba matando muitos predadores nativos, assim como animais domésticos e de estimação, que acaba comendo o sapo e morrendo. 

Seu nome vem da língua tupi. Existem mais duas espécies brasileiras que são conhecidas como cururu: Rhinella schneideri e Rhinella icterica. 

Apresentam dimorfismo sexual, ou seja, características que diferem os machos das fêmeas. O primeiro é menor, em tons claros de amarelo-pardo. Já a segunda é normalmente maior e tem a pele preta ou marrom. 

Sua expectativa de vida é de 10 a 15 anos na natureza e 20 anos, em cativeiro. Tem pele seca, enrugada, com protuberâncias acima dos seus olhos, que se estendem até o focinho. Suas glândulas de veneno ficam localizadas atrás de ambos os olhos. Tem íris dourada e pupilas horizontais. Não tem pálpebra inferior, mas possui uma membrana nictitante. Enquanto os dedos dianteiros são livres, os traseiros são ligados por uma membrana interdigital. 

Os jovens normalmente medem de 5 a 10 milímetros de comprimento, tem a pele mais escura e lisa, podendo até atingir tons de vermelho. Nesta fase ainda não desenvolveram as glândulas venenosas, por este motivo acabam ficando mais vulneráveis. Isso faz com que muito poucos cheguem à idade adulta, cerca de 0,5% dos jovens alcançam essa etapa da vida. 

Já os girinos desta espécie medem de 10 a 25 milímetros de comprimento e tem um corpo totalmente preto. 

Como no Brasil existe mais de um bicho com a alcunha de cururu, pode ocorrer algumas confusões na hora de identificá-los. Como no caso do Rhinella schneideri, que habita as mesmas áreas que o sapo-boi. Eles têm o mesmo tamanho, o que diferencia um do outro é que o Schneideri tem glândulas venenosas adicionais em suas patas traseiras. Na Austrália essa confusão também acontece com as espécies Neobatrachus, Mixophyes, Limnodynastes e Notaden. 

Comportamento

A maioria dos sapos identificam sua presa pelo movimento, o cururu tem a habilidade adicional de poder também localizado-los por meio do olfato. Tem uma dieta “balanceada”, o que quer dizer que ele não precisa ficar preso a caça. Ele pode ingerir plantas, ração para cães, restos orgânicos e resíduos domésticos, assim como pequenos bichos invertebrados e vertebrados. Eles são um dos poucos sapos do tipo onívoro. 

Para se livrarem de seus predadores, costumam inflar seus pulmões para parecem maiores do que realmente são. 

O sapo-cururu é mais ativo durante a noite, e ele faz parte do grupo de indivíduos que podem viver longe da água, só procurando-a para se reproduzir. É até por isso que o nome bufo marinus não é mais usado para nomear a espécie, já que este sugere uma ligação com a vida marinha, e está não existe, a não ser em uma época específica do ano. Os adultos são totalmente terrestres e o girinos preferem águas salgadas. Evitam pradarias e florestas. Por causa disso, a sua procriação não acontece nestas áreas, mesmo aqueles que foram introduzidos artificialmente. 

Veneno 

Além de terem glândulas venenosas atrás de ambos os olhos, elas também estão presente em suas costas, e são ativadas quando pressionadas. Quando isso acontece, elas liberam um líquido leitoso e branco, com várias substâncias conhecidas como bufotoxinas, tóxicas para diversos animais. Mas não só para eles, pois existem registros de óbitos, principalmente de crianças, que acabaram consumindo esse veneno. Seus ovos também tem altas doses de toxina. 

Para se ter ideia, uma das drogas expelidas pelo cururu, a bufotenina, é classificada como nível 1 pela leis da Austrália, elas estão no mesmo patamar que a cocaína e a heroína. 

Acredita-se que esta causa reações similares a um envenenamento suave, causando alucinações leves, que duram cerca de uma hora. O que quer dizer que, caso alguém tenha a genial ideia de lamber um sapo-boi, isso poderia causar a pessoa diversas doenças ou até mesmo a morte.

Predadores 

Apesar de venenoso, o sapo-cururu tem predadores naturais, entre eles está o Jacaré-do-papo-amarelo, peixes da família anguillidae e aplocheilidae, serpente-olho-de-gato-anelada e algumas espécies de peixe-íbis e gato. Lagarto-monitor-de-água, rato-preto e pássaro-australiano estão entre os predadores não nativos do animal. 

Todos eles têm características para tolerarem o veneno do animal, ou adaptações que lhe permitem evitar as regiões tóxicas na hora que caçam e comem o cururu. 

Isso que é gostar de se arriscar na hora das refeições, não é mesmo? 

O que achou do sapo-cururu? Já tinha ouvido falar sobre ele? Quais características te chamaram mais atenção? Já viu algum desses, na vida? Venha nos contar nos comentários e não esqueça de compartilhar com seus amigos. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *