Home / Curiosidades / Quais São os Três Níveis da Cadeia Alimentar dos Animais?

Quais São os Três Níveis da Cadeia Alimentar dos Animais?

Como vocês deve imaginar, cada animal está inserido em uma cadeia alimentar, também chamado de tróficos. Esses níveis incluem organismos com hábitos alimentares parecidos. Como no caso das plantas, por exemplo. Elas fazem parte do mesmo grupo porque são do tipo autotróficas. 

Ao analisar a cadeia alimentar estamos vendo as relações diretas de alimentos existentes entre os animais de certo ecossistema, ou seja, como ocorre a transferência de energia advinda da comida de um ser vivo para o outro. Nas teias alimentares é possível observar diferentes níveis tróficos. Mas antes de saber quais são, vamos saber mais sobre essas teias. 

O que são cadeias alimentares? 

As cadeias ou níveis tróficos são grupos de organismos vivos que possuem uma dieta alimentar parecida e conseguem essa comida pelo mesmo número de passos em uma cadeia alimentar. Os herbívoros ocupam o mesmo conjunto. 

 Cadeia Alimentar dos Animais
Cadeia Alimentar dos Animais

As três principais cadeias alimentares 

Essa teia apresenta três principais grupos. 

Produtores 

Os indivíduos desse conjunto são capazes de produzir o seu próprio alimento, o que quer dizer que eles são animais autotróficos. Os organismos produtores são a base da cadeia alimentar, ou seja, eles ocupam o primeiro nível trófico. Neste grupo é possível observar a presença de plantas, algas, vegetais e algumas bactérias. 

Animais Produtores
Animais Produtores

Consumidores

São indivíduos heterotróficos, ou seja, não tem a habilidade de produzir a própria comida e por isso precisam ingerir matéria orgânica para gerar energia necessária para realizar atividades. Os consumidores são classificados, normalmente, em três grupos: primários, secundários e terciários, mas existem outros níveis, esses são os mais comuns. Os primários são aqueles que comem os produtores, os secundários consomem os primários, e os terciários se alimentam dos secundários e assim sucessivamente. 

Consumidores primários: como dito, para realizar suas tarefas, o consumidor primário precisa se alimentar de outros seres. Essa classificação atinge todos os animais. Eles comem principalmente os produtores, e este indivíduo também é o responsável por iniciar o ciclo da cadeia alimentar, podendo ser tanto herbívoro ou onívoro. Podemos citar o coelho, cavalo, girafa, vaca, gafanhoto, peixe e rato como membros deste grupo. 

Consumidor secundário: estes são carnívoros e têm uma alimentação à base de animais consumidores primários. Obtêm suas forças por meio de outros bichos. Em algumas cadeias alimentares os seres humanos fazem parte deste nível trófico, pois consomem carne bovina e suína. 

Consumidor terciário: estes estão no último nível da categoria. O que quer dizer que eles comem os consumidores secundários. 

Animais Consumidores
Animais Consumidores

Decompositores 

Os decompositores também são criaturas heterotróficas, mas, diferente dos consumidores, eles realizam o processo de decomposição. Os principais participantes desse grupo são as bactérias e os fungos, que são responsáveis por garantir que importantes nutrientes voltem para a natureza, e eles são tirados dos restos de outros animais. 

Animais Decompositores
Animais Decompositores

Exemplos de algumas cadeias alimentares

Cadeia alimentar terrestre

A cadeia alimentar terrestre tem espécies produtoras que servem de comida para os consumidores. Após a morte, esses animais são “comidos” pelos decompositores. 

Um exemplo disso é a planta. Ela produz a própria comida e faz parte da dieta dos insetos, que serão consumidos pelos sapos, que servem de comida para as cobras, fonte de nutrição das aves, comidas pelos decompositores. Por último, esses indivíduos transformam a matéria orgânica em minerais, alimento das plantas, recomeçando o ciclo. 

Como dá para perceber, cada espécie tem um papel importante na natureza. Eles são fundamentais para a vida e para a biodiversidade do planeta Terra. Por isso é tão importante preservar a existência de todo e qualquer ser vivo. 

Cadeia alimentar terrestre
Cadeia alimentar terrestre

Cadeia alimentar aquática 

As cadeias alimentares aquáticas têm o mesmo princípio da terrestre. Aqui, os produtores são fontes de energia e alimento para os consumidores, que são exauridos pelos decompositores depois que morrem. 

O zooplâncton está na base desse processo, que come o fitoplâncton. Um exemplo de um organismo desse grupo são as plantas – em sua versão aquática -, que são produtoras e comidas pelos moluscos que, por sua vez, são consumidos pelos peixes menores. 

Estes servem de comida para os maiores, que são caçados pelas aves. Quando o pássaro morre, ele vira alimento para os decompositores, que geram matéria orgânica para os produtores e, assim, fecha-se o ciclo. 

Cadeia alimentar aquática
Cadeia alimentar aquática

Teia alimentar

Apesar de se usar o termo teia para falar da cadeia alimentar, existem algumas diferenças entre os dois. A primeira apresenta uma relação mútua com diversas cadeias. Elas são bem mais complexas e representam o que realmente acontece na natureza, demonstrando as várias relações entre os organismos. 

Já no segundo caso, o fluxo de setas – o ciclo – se move para uma única direção. Em contrapartida, a teia representa um número maior das ligações alimentares e da quantidade de energia entre os indivíduos, por este motivo existem diversas setas. 

No caso da cadeia alimentar, que é composta por níveis tróficos, ela demonstra uma sequência de seres que estão ligados pela dieta alimentar, com um bicho servindo de comida para o outro. Ao longo do ciclo, nutrientes e energia são transferidos de um para o outro, ou de produtor para consumidor. O processo se encerra com a volta das substâncias aos produtores, tarefa exercida pelos decompositores. 

Como a introdução ou a extinção de espécies atingem a cadeia alimentar 

Por se tratar de uma relação direta entre todos os animais que fazem parte da cadeia alimentar, é óbvio que a introdução ou a extinção de qualquer espécie pode alterar esse ciclo de uma forma bem relevante. No caso do aparecimento de um novo animal no ecossistema isso pode causar um desequilíbrio no ambiente. Se não encontrar comida no local onde foi introduzido, ele pode morrer. Ao mesmo tempo, se encontrar alimento, ele pode começar a competir com outra espécie do lugar, prejudicando o equilíbrio do ecossistema. O mesmo pode acontecer quando um bicho desaparece daquele local. 

Curiosidades sobre a cadeia alimentar

  • Todo organismo vivo, todos mesmo, tem importância na cadeia alimentar. Por isso a extinção de um animal, por exemplo, pode mudar o funcionamento desse processo. 
  • A base de cada cadeia consome aquele que está no topo. 
  • Está varia de acordo com os seres vivos de cada ecossistema. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *