Home / Curiosidades / Quais Mamíferos Não Tem Dentes?

Quais Mamíferos Não Tem Dentes?

Os filos ou reinos que classificam os animais existem para separá-los e isso acontece de acordo com suas características. Como os mamíferos, por exemplo, entre suas características está o fato que que eles fazem parte dos espécimes que botam ovos, possuem mama – menos o ornitorrinco – e dentes. E é justamente sobre eles, os dentes, que vamos falar hoje. 

Apesar de não ser algo comum nesse filo – normalmente as criaturas desse reino apresentam, pelo menos, dois dentes -, existem alguns mamíferos que fazem parte desse reino que não são dotados de dentição. Inclusive, existia uma ordem dessa espécie que era chamada de Edentada (em latim, sem dentes), mas ela não é mais considerada. Nesta classe, eram classificados os seres que não eram dotados de sisos ou molares. 

E, por esses animais não terem dentes é que sua dieta é baseada principalmente em carnes macias, como crustáceos, vermes e/ou insetos. Além disso, possuem outras estruturas usadas para moer os alimentos. 

Nós vamos conhecer mais sobre eles logo abaixo. 

Mamíferos sem dentes

  • Baleias da família Mysceti 

Fazem parte dessa classe as baleias brancas, azuis e bicuda. Esses animais são dotados de cerdas de queratina bem parecidas com longas barbas que são capazes de filtrar a água do mar e reter alimentos. 

Mysceti 
Mysceti
  • Tamanduá 

Conhecido por sua língua comprida, é por meio dela que o tamanduá se alimenta. Apesar de não deter dentes, sua língua possui uma espécie de ganchos microscópicos que, em conjunto com sua saliva espessa, auxiliam na captura de cupins e formigas. 

Além disso, o tamanduá usa uma técnica para capturar seu alimento. Por comer formigas, picadas seriam algo comum, mas para evitar essa defesa, a criatura da 150 lambidas por minuto. Depois de consumir a comida, seu estômago processa tudo por meio de contrações intensas. Isso ajuda a triturar a terra e a areia que o indivíduo acaba engolindo junto com os insetos. 

Mesmo não tendo dentes, esse animal apresenta vestígios dessa característica na fase embrionária, mas os perdem antes do nascimento. 

Tamanduá 
Tamanduá
  • Pangolim 

Parecido com o tamanduá, o pangolim, animal comum nas zonas tropicais da África e Ásia, usa sua língua pegajosa para capturar formigas e cupins. Esse animal consegue consumir de 140 a 200 gramas por dia de insetos. Ele também é um exímio escavador. Seu torso é coberto de escamas de queratina, o que acaba atraindo a atenção indesejada de traficantes ilegais de animais de todo o globo. 

Assim como o tamanduá, apresenta vestígios dentários no estágio embrionário. 

Pangolim 
Pangolim
  • Equidna 

A equidna se alimenta de larvas, insetos e vermes por meio do seu bico longo e sua língua repleta de farpas microscópicas, que é usada para procurar sua comida dentro de troncos de árvores e buracos. Para processar o alimento, o animal pressiona sua língua contra o céu da boca. Apesar da falta de dentição, a natureza sempre dá um jeito de suprir a falta de alguma característica essencial. 

Equidna 
Equidna
  • Ornitorrinco

Na verdade, o ornitorrinco chega a desenvolver dentes de esmalte e dentina na ponta de seu bico quando está no último estágio de desenvolvimento dentro do ovo, mas esses dentes nascem apenas para que o animal seja capaz de quebrar a recipiente onde está. Esses dentição é chamada de dentes de ovos e desaparecem dois dias após o filhote sair do ovo. De qualquer forma, eles realmente não precisam deste item, já que seus bicos conseguem realizar as atividades que seriam feitas pela dentição. 

Depois que nascem, a criatura usa seu bico com placas de queratina para “mastigar” sua comida, que é basicamente composta de pequenas lagostas de água doce, vermes e larvas. Caçador exímio, o ornitorrinco caça suas presas escavando as encostas dos rios. 

Além do fato interessante de não apresentar dentes, o mamífero é um animal venenoso. O líquido fica armazenado em esporas localizados em suas patas traseiras, responsáveis por liberar a toxina. Apesar de não ser fatal, ela causa grandes dores nos seres humanos. 

Ornitorrinco
Ornitorrinco

Outros animais (não mamíferos) que não possuem dentes 

Apesar de não ser uma característica comum no filo dos mamíferos, a falta de dentes é comum em animais de outras classes. 

  • Minhoca

Além de ser um animal invertebrado, a minhoca também não apresenta dentes. Muito comum no jardins de nossas casas, o bicho se alimenta transformando sua boca numa espécie de aspirador, sugando restos orgânicos da terra. E, mesmo sem dentes, essa espécie chega a consumir uma quantidade de comida que representa 90% do peso do seu corpo. Ou seja, a falta de dentição não é um grande problema para ela. 

Ela ainda é dotada de grande voracidade e eficiência, e isso se deve ao seu sistema digestivo que é composto de boca, estômago, faringe, moela e um grande intestino.

Minhoca
Minhoca
  • Tartaruga 

Outro animal comum ao nosso dia a dia, a tartaruga, pertencente a família dos répteis.  Tem um bico curvo que recobre a mandíbula no lugar dos dentes. Mas acontece que o réptil possuía dentes no passado, o seu desaparecimento foi causado pela evolução, que eliminou a dentição e as obrigaram a se acostumarem a esmagar a comida com o seu bico ou engolir o alimento por inteiro, ao invés de mastigá-lo. 

Obviamente que por este motivo sua dieta é constituída de alimentos de fácil consumo, como plantas, folhas, frutos, minhocas, vermes e caracóis. Isso no caso das tartarugas terrestres, já as marítimas se alimentam de algas, corais e moluscos. 

Tartaruga 
Tartaruga
  • Arara  

Por fim, terminamos nossa lista de mamíferos e não mamíferos sem dentes com a arara. Pertencente ao filo das aves, a arara possui bico ao invés de dentes. Esse bico tem um formato de gancho, permitindo que elas peguem seu alimento. E, assim como a minhoca, a falta de dentição não impede que ela consuma grandes quantidades de sementes e frutos, e quando estes são muito grandes, como as nozes, ela usa essa ferramenta para primeiro quebrá-lo, normalmente em uma pedra ou galho, e depois comê-lo. 

Ao contrário do que podemos pensar, na natureza a falta de uma característica não impede que o animal realize tarefas essenciais do dia a dia. E isso se deve, principalmente, a sabedoria inegável chamada evolução. 

Arara  
Arara

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *