Home / Curiosidades / Por Que O Pterossauro Não É Um Dinossauro?

Por Que O Pterossauro Não É Um Dinossauro?

Essa questão é simples de responder uma vez que o que acontece na verdade é uma grande confusão na cabeça da maioria das pessoas envolvendo estes animais que integram a ordem dos pterossauros. Hoje, vamos esclarecer de uma vez por todas o assunto para que você nunca mais se confunda.

O Que São Pterossauros?

Pterossauro é o nome dado a uma ordem de répteis que viveram no planeta no período Mesozoico. São répteis voadores que surgiram no período Triássico Superior e foram extintos durante o Cretáceo-Paleogeno há mais ou menos sessenta e cinco milhões de anos.

Uma das espécies mais conhecidas a integrar esta ordem são os pterodáctilos, que inclusive você deve conhecer das produções cinematográficas em que estrelam.

Pterossauro
Pterossauro

Agora Que Já Sabemos Dos Pterossauros…

Uma coisa é preciso que você tenha em mente a partir deste ponto é que apesar do termo “dinossauro”, cunhado por Richard Owen, significar nada mais nada menos do que lagartos terríveis e a maioria das espécies conhecidas receber esta nomeação (Tiranossauro Rex e Estegossauro, por exemplo) estes animais não são lagartos e igualmente não são répteis.

O que acontece é que os cientistas precisavam de um nome para as descobertas que estavam realizando. Foi assim que Owen mesclou a palavra dienos (terríveis) e saurus (lagartos) tendo lagartos terríveis. Hoje sabemos claramente que os dinossauros não são répteis e que apresentam substanciais diferenças com estes animais. Dentre estas diferenças está a capacidade de regular a própria temperatura corporal, característica inexistente nos répteis bem como a postura e o formato das patas que nos dinossauros é mais ereta. O comportamento e o metabolismo dos dinossauros também é bem distinto, sendo mais ágil. Neste sentido, sabemos que os pterossauros não podem ser considerados dinossauros. Mas vamos explicar isso ainda melhor.

O Pterodáctilo É Um Pterossauro

O pterodáctilo é sem dúvida alguma o pterossauro mais conhecido. Erroneamente é classificado como um dinossauro e vamos explicar porque isso acontece.

Como vimos, um integrante da ordem pterossauro nunca poderá ser considerado um dinossauro, visto que apresenta características de um réptil que os distinguem dos dinossauros. Agora a confusão em relação ao pterodáctilo que comumente é considerado um dinossauro não tem exatamente uma resposta assertiva, mas acredita-se que pela aparência destes animais. De fato, o pterodáctilo tem uma aparência similar aos dinossauros quando o analisamos superficialmente. A textura da pele em fotos enganam. Mas possivelmente o que leva a maioria a pensar nestes animais como dinossauros é o período em que viveram. Os pterossauros e consequentemente os pterodáctilos são os animais que mais conviveram com os dinossauros vivendo por tempo considerável juntos. Surgiram durante o Triássico Superior e após o seu surgimento, conviveram juntos até a extinção em massa dos dinossauros, ocorrida a cerca sessenta e cinco milhões de anos atrás com a explosão causada pelo choque do meteorito com à Terra.

Curiosamente estes animais teriam sobrevivido por um período de tempo após a extinção dos dinossauros. Isso porque os dinossauros foram extintos ainda no período Cretáceo. Os pterossauros foram extintos, entretanto, entre o período Cretáceo e o período Paleógeno (período histórico estabelecido após o período Cretáceo).

Os Dinossauros

Vamos conhecer um pouco sobre os dinossauros propriamente ditos? Os dinossauros habitaram o planeta Terra a cerca de duzentos e trinta e três milhões de anos atrás. Foram por cerca de cento e cinquenta milhões de anos o grupo de animais dominantes sobre à Terra até finalmente serem extintos por um evento catastrófico nunca imaginado na história da Terra, ao menos não nesta magnitude e com este grau de destruição (extinguiu milhares de animais instantaneamente). O evento sobre o qual estamos falando é o choque do meteorito que causou uma grande explosão na Terra. Os animais que sobreviveram após a explosão acabaram encontrando dificuldades de sobrevivência uma vez que uma grande nuvem de poeira bloqueou a passagem do sol, transformando o planeta em um local frio, o que ocasionou a morte de uma grande parte das árvores e vegetais encontrados. Os animais que sobreviveram em suma foram aqueles que não dependiam da vegetação e consequentemente das árvores para retirar o seu alimento e abrigar-se.

Segundo estudos o número de gêneros diferentes passava dos quinhentos e o número de espécies distintas de dinossauros não aviários chegava a mil.

Como os dinossauros foram extintos a milhões de anos (65 milhões de anos atrás como mencionamos anteriormente), tudo o que sabemos sobre estes animais, sabemos por meio dos registros fósseis. São os registros fósseis as provas que atestam direta ou indiretamente a existência de um determinado ser vivo.

Os fósseis, ou registros fósseis, podem ser de vestígio ou de resto.

Os fósseis de vestígio indicam a existência indireta do animal e podem ser pegadas, marcas de mordidas, secreções urinárias e correlatos. Os fósseis de resto, mais comuns podem ser desde dentes, ossos, carapaças, conchas e troncos.

Por se tratar de restos mais duros e resistentes, os fósseis de resto são os mais comuns de serem encontrados. Por conta deles e também dos fósseis de vestígio já podemos determinar muitas características destes animais. Desde predileções alimentares a porte e comportamento.

O profissional responsável pelo estudo e descoberta destes fósseis é o paleontólogo. São eles os responsáveis juntamente com pesquisadores a nos proporcionar este leque tão diversificado de informações.

Por falarmos em diversificação de informações, muitas características dos pterossauros só foram possíveis de serem descobertas por meio dos registros fósseis destes animais e neste sentido o Brasil possui uma grande contribuição. Uma parcela significativa de registros fósseis do pterodáctilo (uma espécie que integra a ordem pterossauro) em bom estado de conservação foram descobertos no Brasil, na cidade de Araripe, no estado do Ceará. Atualmente a cidade tem pouco mais de vinte mil habitantes.

Curiosidade Que você Vai Se Supreender

Essa provavelmente vai te surpreender, você sabia que segundo registros e estudos sobre o assunto, o parente vivo mais biologicamente próximo do Tiranossauro Rex ou T-Rex como também é conhecido, seria o frango? Isso mesmo, o frango que conhecemos, o macho da galinha. Por essa certamente você não esperava, não é mesmo?

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *