Home / Curiosidades / Periquito Transmite Doença? E Como Eles Nascem?

Periquito Transmite Doença? E Como Eles Nascem?

O periquito é um animal muito comum no Brasil, tanto que as pesquisas apontam que ele é o terceiro animal doméstico mais presente nos lares, perdendo apenas para os cães e gatos. No entanto, a negligência com o pássaro pode ser muito prejudicial ao ser humano, pois, assim como tantos outros bichos, o periquito também transmite doenças. Abaixo, falaremos um pouco sobre quais são as principais que a ave pode repassar.

Psitacose

Também conhecida por “Ornitose” ou “Febre do Papagaio”, a doença é transmitida através da Chlamydia psittaci, uma bactéria da ordem das Chlamydiales. O contágio, tanto na ave quanto no ser humano, se dá a partir das fezes do animal, particularmente graças a um pó que existe nas secreções secas. Caso seja inalado, a bactéria pode chegar ao sistema do indivíduo e contamina-lo. No organismo do periquito, ela pode ficar incubada por até três meses, numa faixa entre 3 e 106 dias.

A doença é ainda mais comum de acometer pessoas que tenham contato com o bicho frequentemente, como quem trabalha em pet shops e criadouros, por exemplo.

Periquito
Periquito

Como tratar a psitacose?

Antibiótico é a recomendação dada tanto para os contaminados, seja o periquito ou o ser humano. A bactéria causadora, segundo especialistas, pode ser facilmente eliminada com o antibiótico, mas é reforçado o cuidado redobrado para pessoas vulneráveis, como crianças, idosos e indivíduos com o sistema imune comprometido de alguma forma. O risco de morte por psitacose é baixo, mas em casos especiais é importante dar mais atenção.

Os principais sintomas que devem ser observados podem parecer com um simples resfriado, como febre, dor de cabeça, fraqueza, fadiga e quaisquer problemas respiratórios. Por isso, é importante consultar um médico rapidamente, mesmo que para tirar a dúvida.

Para o pássaro, a doença é um pouco mais séria e tem potencial maior para resultar em morte. O periquito costuma internalizar o seu estado, diminuindo sua movimentação e se tornando cada vez mais quieto em seu espaço. Uma das principais características nele é a perca de apetite. O animal vai parando de comer e, caso a situação não seja percebida a tempo, o peso vai diminuir muito rápido e pode levar à morte.

É ideal ao dono fazer checagens diárias em seu animal e ver como ele está, pois pelo próprio corpo é possível identificar se algo está errado. Se as penas perdem o brilho ou há alguma secreção nas narinas do periquito, por exemplo, são sinais de que talvez ele não esteja bem. Outros sintomas são penas caindo muito, chiado na respiração ou escamação pelo corpo.

Criptococose

O fungo Cryptococcus Neoformans é o responsável por causar essa micose. A doença também acontece por meio das fezes do periquito, mas o principal meio de transmissão é o solo contaminado com os excrementos. Assim como a psitacose, a criptococose adentra o corpo do ser humano através da inalação, por isso, pode resultar em uma infecção primária no sistema respiratório, afetando diretamente os pulmões.

Diferente da doença anterior, essa possui um agravante: quando inalada, a bactéria pode percorrer o corpo do indivíduo afetado e frequentemente acaba se alojando no cérebro. As complicações decorrentes desse alojamento são graves e podem chegar a debilitar a pessoa contaminada.

Alguns sintomas comumente associados à doença são: infecção pulmonar, com tosse, tórax dolorido e dificuldade respiratória, nos casos mais graves; meningite, com dor de cabeça, visão turva, depressão, agitação e confusão; infecção cutânea, com erupção na pele e a possibilidade de caroços com pus ou ulcerações abertas. Dentre esses, a meningite é considerada a mais perigosa.

Periquito Características
Periquito Características

No entanto, é comum também que alguns pacientes diagnosticados com criptococose sejam assintomáticos, ou seja, sem sintomas evidentes. Em casos mais graves, essa situação pode ser extremamente perigosa, já que o indivíduo está contaminado sem saber e pode ter seu sistema cada vez mais afetado pela bactéria, tudo silenciosamente.

O diagnóstico da criptococose é feito com base em exames de tecido e de amostra de líquido. A micose é combatida com antifúngico via oral ou via intravenosa, quando mais graves.

Essas são as duas principais doenças que o periquito pode transmitir. De forma geral, é importante se precaver e usar proteção sempre que entrar em contato com as fezes do animal para não as inalar.

Agora partindo para umas curiosidades, é importante perguntar:

Você sabe como os periquitos nascem?

Periquito Verde Características
Periquito Verde Características

Primeiro, sobre a reprodução do animal, ele é monogâmico. Isso significa que, quando um casal de periquitos se junta, permanece unido para sempre. É uma ave extremamente galanteadora: tanto o macho quanto a fêmea ficam ajeitando as penas para se apresentarem ao parceiro da melhor forma possível. Quando estão juntos, um arruma a plumagem do outro, num ato de carinho e cuidado. São capazes de fazer isso até mesmo de ponta cabeça em um galho, demonstrando a habilidade que possuem.

É válido ressaltar, inclusive, que os cientistas afirmam que não existe meio visível de diferenciar periquito macho e fêmea. A única forma de ter a certeza é através de testes laboratoriais de DNA.

Quando se inicia o período reprodutivo, o casal permanece dentro do ninho na maior parte do tempo, tanto de dia quanto à noite. A pequena casa que constroem é feita em cavidades de árvores, geralmente junto ao tronco, para que a fêmea possa depositar seus ovos – que, geralmente, são quatro. Eles são encubados 26 dias, em média, e enquanto isso o macho fica responsável pela alimentação dos filhotes e da parceira.

Quando há algum ruído estranho, os pássaros projetam o corpo para fora do ninho e observam se há algum perigo. Caso haja, eles saem, um por um, sem emitir nenhum barulho. De toda forma, os pais deixam o ninho depois que os filhotes completam cinco semanas de nascimento.

Para atingir a maturidade sexual, o filhote de periquito leva entre um e dois anos, se tornando um animal independente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *