Home / Curiosidades / O Que Pode Ser Considerado Um Fóssil?

O Que Pode Ser Considerado Um Fóssil?

Você certamente já deve ter ouvido falar sobre os fósseis. Os dinossauros são as grandes estrelas quando falamos sobre o assunto e quem nunca quis descobrir um fóssil no quintal de casa ou no sítio da família? Certamente este desejo já passou pela sua cabeça quando você era uma criança. Uma questão também que igualmente já passou pela sua cabeça quando ouviu a palavra fóssil é que eles são ossos que nos remetem a seres vivos que existiram a milhões de anos, não é mesmo? Mas e se te contássemos que os fósseis não são apenas ossos? Pois é, vem descobrir com a gente tudo o que pode ser considerado um fóssil.

Fósseis Não São Apenas Ossos

A essa altura você já sabe que os fósseis são, em síntese, registros das atividades biológicas de serem vivos que existiram a milhões de anos atrás. São registros que por algum motivo acabaram sendo preservados e puderam ser encontrados. Os fósseis podem ser encontrados conservados em rochas, sedimento, piche, gelo, areia, dentre outros materiais.

Apesar de os ossos serem os mais lembrados quando mencionamos fósseis, não são os únicos que podem ser considerados registros biológicos de animais que existiram em algum momento histórico em nosso planeta. Não se preocupe, vamos explicar isso melhor.

Existem dois tipos de fósseis, são os fósseis de resto e os fósseis de vestígio. Os fósseis de resto são aqueles que evidenciam a existência do ser vivo e são tidos como registros de existência direta. São considerados como fósseis de restos, dentes, carapaças e os ossos.

Fóssil de Animal
Fóssil de Animal

Os fósseis de vestígio indicam a evidência indireta da existência do animal, mas são provas de sua atividade biológica e neste sentido são considerados vestígios, pegadas, excrementos, mordidas, secreções dentre outros. Então, resumidamente, podem ser considerados fósseis desde ossos, a caules fossilizados, excrementos, dentes, pegadas, cascas de ovos e correlatos. Tudo o que indique direta e indiretamente a existência daquele ser vivo em um determinado contexto e período de tempo.

A disciplina científica responsável pelo estudo fóssil é a Paleontologia que pode estabelecer dentre outras coisas a evolução biológica e a história geológica do planeta Terra. Por geologia temos é o estudo científico da crosta da Terra e tudo o que nela que for encontrado.

Um Registro Fóssil

O fóssil em sua totalidade no meio onde foi conservado (podendo ser, como visto anteriormente, rochas, gelo, sedimento, piche, dentre outros) é chamado de registro fóssil. Nele há informações fossilizadas das mais variadas espécies que já habitaram o planeta. Infelizmente, do leque de animais que já habitaram à Terra apenas uma parcela muito pequena acabou fossilizada. Isso porque o processo de fossilização é considerado excepcional e contrário aos protocolos, por assim dizer, normais de decomposição e intemperismo de toda e qualquer matéria orgânica existente. Ou seja, quando um animal morre é esperado que toda e qualquer parte constituinte de sua matéria seja decomposta, o que vimos não ocorrer com os fósseis que acabam sendo preservados por milhares de anos.

Quando pensamos em fósseis lembramos sempre dos ossos encontrados e isso tem uma explicação. De fato, ossos, dentes e carapaças são mais comumente encontrados porque possuem chances maiores de serem conservados ao longo dos anos. Sendo, desta maneira, tidos como restos mais duros e resistentes. Apesar de mais difícil também é possível que partes mais frágeis e sensíveis sejam conservadas, mas para isso será necessário, condições de fossilização especiais para que estes registros sejam preservados.

Vale destacar aqui, que embora os vestígios fósseis sejam mais difíceis de ocorrer naturalmente exigem igualmente as mesmas condições que os restos fósseis. Para que você entenda melhor, para que qualquer parte ou registro do ser vivo seja conservado é preciso que seja imediatamente coberto por matéria que o preserve, normalmente sedimento.

O Que Determina Um Fóssil?

Essa é uma pergunta interessante que acaba gerando desencontros entre pesquisadores e paleontólogos de todo o mundo. Para alguns, determinar o que é fóssil ou não, por meio do tempo em que está preservado e pelo período em que o animal viveu é arbitrário e inconclusivo. Desta maneira, para ser considerado um fóssil, segundo alguns grupos de paleontólogos é necessário que o encontrado seja um resto ou vestígio identificável e com origem biológica dentro de um determinado contexto geológico do planeta Terra.

Processo De Fossilização E Diferentes Fósseis

O processo de fossilização pode ser diferente, o que resulta em restos fósseis ou vestígios dos mais diferentes. A tafonomia é a disciplina científica que se baseia no estudo da formação dos fósseis desde o momento em que são concebidos, até o momento em que são encontrados fossilizados por pesquisadores e paleontólogos. Os processos fósseis mais comuns são a criopreservação, correspondente aos animais preservados em gelo, a dessecação, dos dinossauros mumificados, a inclusão em âmbar, processo no qual os insetos são preservados em resina e moldagem que corresponde a preservação de vestígios do animal.

A mumificação também é um tipo de processo de fossilização e é o mais raro de ocorrer. Pode ser total, quando o ser vivo é envolvido totalmente em um material impermeável que o preserva ou ainda parcial, quando apenas partes são preservadas.

A Barata Em Âmbar De 99 Milhões De Anos Atrás

De acordo com estudos anteriores, era difícil encontrar registros de artrópodes que tenham vivido antes da era Cenozóica, que segundo registros teria iniciado há cerca de sessenta e cinco milhões de anos atrás. Entretanto, tudo mudou depois da descoberta de um grupo de pesquisadores e paleontólogos da China, Rússia e Eslováquia que encontraram uma barata, que foi batizada de Mulleriblattina bowangi, em Mianmar, na Ásia. Como apresentado pela equipe de pesquisa, essa barata seria o animal mais antigo a viver em cavernas e sua existência seria de noventa e nove milhões de anos atrás.

A Mulleriblattina bowangi foi encontrada praticamente intacta preservada em âmbar, que como vimos anteriormente é um tipo de resina que preserva insetos.

Ainda de acordo com as descobertas feitas por estes pesquisadores, a Mulleriblattina bowangi teria vivido no mesmo período em que os dinossauros habitavam a Terra. A barata de noventa e nove milhões de anos atrás teria se adaptado ao ambiente escuro das cavernas onde viviam e seus olhos, como reflexo disso, eram de tamanho reduzido.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *