Home / Curiosidades / O Que o Peixe-leão Come? Onde Ele Vive?

O Que o Peixe-leão Come? Onde Ele Vive?

Como acontece com a maioria dos animais com beleza exuberante, o peixe-leão, também conhecido como dragão e escorpião, é lindo, mas também muito perigoso. Apesar disso, tem se tornado a espécie preferida entre os amantes de aquários de água salgada. 

Na verdade, esse nome intitula não um, mais vários peixes que fazem parte do família Scorpaenidae. São integrantes desses grupos espécies do gênero Brachypterous, Dendrochirus, Ebosia, Parapterois e Pterois. 

Alimentação do Peixe-leão 

Além de perigoso, o peixe-dragão é um exímio e feroz caçador. Quando caça, ele encurrala a vítima com seus espinhos. Em seguida, num movimento rápido, engole a presa por um inteiro. 

Fazem parte da sua dieta peixes pequenos – vivos, de preferência -. Isso para os que moram na natureza. Aqueles de cativeiro costumam ser alimentados com camarão congelado e ração, sendo esta última mais difícil, é preciso que o bicho já tenha sido acostumado com a comida desde a loja de animais. 

E ainda falando em alimento, se seja criar o bicho em aquário, não o coloque junto a outros peixes pequenos, senão estes virarão comida para o peixe-leão. É ideal colocar criaturas maiores junto com ele. 

Peixe-leão
Peixe-leão

Onde vive?

O animal é nativo da região Indo-Pacífico, vivendo principalmente próximo às regiões com recifes de corais. Mas ele é conhecido como um peixe invasor, por este motivos hoje em dia é possível encontrá-lo a oeste do Oceano Atlântico e no mar do Caribe. Nesses locais costuma se abrigar em cavernas e fendas, de onde só sai a noite para se alimentar. 

E devido a uma introdução artificial, ainda não se sabe se proposital ou por acidente, parece que a espécie chegou às águas do Brasil. Ele foi avistado duas vezes em Arraial do Cabo, Rio de Janeiro, por mergulhadores. Uma vez em 2014, e uma segunda vez em 2015. Apesar de parecer algo positivo, uma criatura belíssima como essa em águas brasileiras, a situação é totalmente o oposto. Começando com o fato de como o peixe não é nativo do Brasil quer dizer que ele não possui predadores naturais por aqui. Ou seja, quem atuaria como regulador do bicho em mares brasileiros? Isso poderia atingir esse ecossistema e seus animais de formas inimagináveis. A introdução de um indivíduo exótico em um habitat é um assunto sério. Antes de qualquer atitude a ser tomada, é preciso pensar em todas as consequências que isso poderia acarretar. Afinal, todo um ambiente é constituído de caça e caçador, que mantém aquele lugar em equilíbrio. Agora, se este não possui um predador natural, como essa estabilidade pode ser mantida? Por isso que é uma questão de extrema importância. Um bicho pode afetar todo o funcionamento e a sobrevivência dos indivíduos de determinados locais. 

Características do peixe-escorpião

O principal motivo que faz o indivíduo ser tão aclamado e esteticamente bonito é a coloração do seu corpo. Ele exibe um torso listrado, em tons de vermelho, laranja, amarelo, marrom, preto ou branco. Detêm também tentáculos acima dos olhos e abaixo de sua boca, assim como nadadeiras no peito. 

E claro, não poderíamos esquecer dos espinhos. Ele tem de 12 a 13 perfurantes dorsais, três anais e dois pélvicos. É possível visualizar também alguns no peito, mas estes não são tóxicos. 

Cada um obtém duas glândulas que são responsáveis pela produção e armazenamento do veneno. 

Sua expectativa de vida é de 15 anos. Chega aos 43 centímetros de comprimento e pesa cerca de 200 gramas.

Veneno 

Como dito, é um indivíduo venenoso, mas a potência vai depender da espécie e do seu tamanho. Este normalmente causa dor intensa no local, seguido de edema na região, assim como tontura, náusea, fraqueza nos músculos, dor de cabeça e dificuldade em respirar. 

Em caso de contato com o peixe-leão, os primeiros socorros a serem feitos é imergir o local em água bem quente, em torno de 43 a 45 graus por cerca de 30 a 40 minutos, ou até a dor diminuir. Essa solução funciona porque o veneno do indivíduo é constituído de proteínas termosensíveis, sendo assim, este é vulnerável a altas temperaturas. Então quando a vítima mergulha a picada em água quente, a toxina vai evaporando automaticamente, até deixar a corrente sanguínea totalmente. Mas é claro que procurar a ajuda de profissionais é muito importante. 

Esse procedimento é apenas primeiros socorros. 

Reprodução

Quando o macho conquista a fêmea, está exibirá tubos que absorverão uma quantidade de água salgada, surgindo assim os ovos, que se tornarão em pequenas bolas dentro deste ambiente. Em seguida, o macho libera o seu esperma dentro desses zigotos, fertilizando-os. Após isso, todo o resto do processo é bem rápido. Em um dia os bebês já começam a ganhar forma. Em dois, surgem os alevins. Mais dois dias, estes já estão prontos para se alimentarem como pequenos peixes. 

Curiosidades 

  • Este peixe só desova seus ovos a noite. Ele é do tipo ovíparo. 
  • Seu doloroso veneno é um defesa contra predadores maiores.
  • A maioria dos ataques ocorrem por acidente, mas ele fica bem agressivo quando é provocado. 
  • Apesar de perigoso e venenoso, pode se tornar um animal de estimação se for manejado com cautela. 
  • Cresce rapidamente. 
Peixe-leão
Peixe-leão
  • Tem uma boca grande, assim como seu apetite. 
  • Ele é muito representado em filmes como um peixe de aquário. 
  • Também são grandes predadores em ambientes fechados. 
  • Dificilmente é visto durante o dia. 
  • Gosta de viver em temperaturas entre 24 a 28 graus. 
  • O macho seduz a fêmea por meio de uma dança de acasalamento. 
  • O peixe-leão chegou ao mar do Caribe após o furacão Andrew, em 1992. Provavelmente em decorrência de um criador do indivíduo. 
  • A chegado do animal neste local e no Estados Unidos foi considerado uma situação devastadora. 
  • Cerca de 10 espécies de peixes fazem parte da dieta do dragão. Cada uma delas pode sofrer uma grande redução em sua população. 
  • Come qualquer peixe que caiba na sua boca. 
  • Sua traquéia é coberta de espinhos, o que proporciona uma morte bem rápida as caças. 
  • Ataca as vítimas tanto pela frente quanto por trás, sendo esta última opção quanto essa tenta escapar. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *