Home / Curiosidades / Coronavírus: Quais Animais Podem Ser Infectados?

Coronavírus: Quais Animais Podem Ser Infectados?

Com cada dia os números de infecções decorrentes do coronavírus aumentando no Brasil e no mundo, várias perguntas vão se formando durante essa pandemia, e umas delas, sem dúvida alguma, é quais animais podem contrair essa doença, já que tudo começou em um mercado de bichos selvagens na China. 

Além de circular entre morcegos e roedores, acredita que o pangolim foi o responsável por passar o novo vírus para a raça humana. Porém, nada ainda foi confirmado. Os cientistas acreditam nisso porque existe uma similaridade entre a nossa versão é a que a afeta o bicho de 92%. Tendo sido considerada de 99% em fevereiro. Mas só isso não basta para confirmar a hipótese, mesmo porque os morcegos estariam mais próximos disso do que o pangolim, já que esses seres voadores tem uma compatibilidade de 96%.

Cães e gatos também podem ser o infectados com o novo vírus, porém este seria uma mazela diferente da nossa, sendo um tipo próprio da espécie. Até onde se sabe, os pets são imunes a nossa versão de coronavírus, mas não é bom arriscar. Segundo os especialistas, as pessoas que estão infectadas com a doença devem permanecer isoladas de qualquer ser vivo, e isso vale também para os animais de estimação. Para se ter contato com cães e gatos, os donos devem usar máscara e luvas e higienizar as mãos antes e depois de tocar neles. Essas são medidas que protegem tanto os proprietários, quanto os próximos animais. De qualquer forma, colocar seus pets em risco não é uma situação válida. Deixa para brincar com ele quando estiver curando. Assim ambos saem ganhando. 

Pangolim
Pangolim

O que é o coronavírus

Coronavírus é o nome dado a uma família de vírus que possui uma estrutura de corona. Eles causam tanto infecções respiratórios quanto outras doenças. 

Ela está relacionada aos animais pois circula entre eles, principalmente nos morcegos e roedores. Esta acaba sendo passada para pessoas que vivem próximo a esses indivíduos devido às mutações espontâneas e aleatórias que esses vírus podem sofrer. 

O convid-19, a nova versão dessa mazela, teve seu início na China. Porém, esse grupo é conhecido desde 1960, já tendo causado outros problemas, como a Síndrome Respiratório Aguda Grave (Sars) e a Síndrome Respiratória do Oriente Médio (Mers). 

A primeira teve seu ápice entre 2002 e 2003, afetando 26 países, e acredita-se que a transmissão começou com os morcegos. 

Já o segundo aconteceu em 2012, no Oriente Médio. Inicialmente a mazela afetava os dromedários, mas depois de uma mutação, passou a atingir pessoas. 

Após atingir diversos chineses, a primeira morte por causa do novo coronavírus aconteceu em 09 de janeiro de 2020. Segundo uma pesquisa com 44 mil pacientes, cerca de 80% são casos leves da doença. Esta afeta idosos acima dos 80 anos e pessoas com outras doenças, como cardiovasculares. Mas, claro, isso não quer dizer que a mazela deixa se ser menos perigoso para todos. Ela é sim e todos devem seguir as orientações dadas pelos profissionais da saúde. 

Como ocorre a transmissão 

Muito parecida com uma gripe forte, o coronavírus é transmitido por meio de gotículas do vírus que estão presentes na saliva, que são espalhadas pela fala, tosse ou espirro de pessoas que estão infectadas. 

A transmissão acontece quando essas gotas entram em contato com regiões com mucosa, ou seja, olhos, boca e nariz. 

Estas também ficam no ar ou em cima de superfícies que foram contaminadas. Assim como rostos, mãos, botões de elevadores, maçanetas, corrimão, os apoios do transporte público, etc. 

Como evitar o contágio 

Segundo a OMS (Organização Mundial de Saúde) uma das melhores formas de prevenir o contágio é mantendo uma distância de até 2 metros entre um indivíduo doente. Ou seja, nada de abraçar, beijar, apertar as mãos, etc. 

A higienização das mãos também é muito importante, principalmente depois de chegar da rua ou após ter andado no transporte público. A lavagem deve ser feita com água e sabão, durante 20 segundo, e esfregando todos os cantos dos dedos, juntas, unhas, etc. Caso esses dois itens não estejam ao alcance, pode-se usar álcool em gel. 

A limpeza das superfícies é igualmente importante para impedir a proliferação do vírus. Aqui, pode-se utilizar também água sanitária. 

Deve-se evitar o compartilhamento de itens pessoas, como talheres, toalhas e até mesmo celulares. 

Os sintomas 

Os sintomas são parecidos com o deu uma gripe. O paciente normalmente apresenta febre, tosse seca, dores no corpo, fadiga, congestionamento nasal, inflamação na garganta e diarréia. Esses são considerados os efeitos colaterais mais leves. 

Nos casos mais graves a vítima pode demonstrar dificuldade em respirar e insuficiência renal. Sendo que alguns quadros evoluem para uma pneumonia. 

Após a crescente onda de infectados, algumas orientações foram passadas. Como é de se imaginar, o governo e muito menos o sistema de saúde tem estrutura para lidar com uma pandemia, sendo assim, o médicos recomendam que a pessoa só procure os hospitais se apresentarem os sintomas mais alarmantes, como febre e dificuldade em respirar. Não só por isso, mas também para não pôr a própria vida e a dê outros em risco. Pois caso só tenha uma gripe forte, a pessoa corre o risco de se infectar de verdade com o coronavírus indo a um desses locais. Por isso é importante ficar atento aos sintomas e se for realmente necessário, procurar um atendimento médico. Claro, seguindo recomendações simples, como o uso de máscara para não transmitir a doença para outras pessoas. 

Tratamento

Como se trata de uma doença nova, não existem medicamentos nem vacina contra o convid-19. O que é feito, neste caso, é o tratamento dos sintomas. A cura da doença acontece de forma espontânea. 

Sendo assim, o que será passado pelo médico será repouso, consumo de bastante água, remédios para dor e febre, umidificador de ar ou banho quente para aliviar a dor de garganta e a tosse. 

Mas, sem dúvida alguma, o melhor tratamento agora é evitar ao máximo sair na rua, se expondo a um risco desnecessário. Só saia se for realmente necessário, caso contrário, permanece em casa, sempre fazendo as higienizações recomendadas. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *