Home / Curiosidades / Comer Lesma Faz Mal a Saúde? O Que Acontece?

Comer Lesma Faz Mal a Saúde? O Que Acontece?

Alguns animais são comuns em nossa casa. Formigas, moscas, pernilongos, maribondo, abelhas, lesmas, etc. A grande maioria é inofensiva se você não fizer com que o bicho se sinta ameaçado, como no caso da abelha, por exemplo. Outros, porém, apresentam riscos que podem ser desconhecidos por quem não conhece tão a fundo a fauna e seus indivíduos. Você é capaz de responder a pergunta do título do texto? Comer lesma faz mal? O que ela causa em quem tem contato com ela? Nós vamos te contar, a seguir. 

Comer lesma faz mal? 

A resposta é sim, comer lesma faz mal. Aliás, qualquer contato com a criatura pode trazer diversos problemas. Se você tiver esse indivíduo na sua casa, no seu quintal, a melhor opção é procurar por um profissional para extermínio correto desse bicho. Uma das dicas é evitar, a qualquer custo, andar descalço pelo local onde a espécie passou/passa, pois elas transmitem doenças. Desviar de qualquer contato com o corpo do animal também é importante, como nos casos em que a pessoa joga sal para ela morrer e depois vai recolher o corpo da espécime. Isso porque ela produz um muco que transmite doenças, e esta substância continua no seu corpo, independente se ela está viva ou morta. 

Ou seja, se ela causa mazelas só de tocá-la, imagina se você ingerir uma dessas. 

Lesma
Lesma

A principal enfermidade causada pelo indivíduo advém dos ratos. Uma vez em seu hospedeiro, transmite o vírus. A enfermidade leva o nome de angiostrongilose e tem formas de ataque físico e neurológico. No primeiro caso, a vítima pode sentir dores como se fosse apendicite, dor de cabeça, nos músculos e na nuca. Já os sintomas neurológicos podem causar paralisia facial e em outras regiões do corpos. Apesar disso, poucos casos de morte foram registrados com relação ao consumo/ toque em lesmas. Provavelmente, o mais conhecido foi de um jovem australiano que comeu o animal por causa de uma aposta, ficando em coma por 420 dias, além de contrair meningite eosinofílica. Ele veio a óbito 8 anos após o ocorrido. O melhor é não abusar da sorte, não é mesmo?!

Como acabar com lesmas? 

Caso esteja com problema de lesma na sua casa e não queira chamar um profissional para eliminar o bicho, o que você pode fazer é enterrar o animal. Mesmo depois de você jogar muito sal em cima do molusco, resíduos do seu corpo permanecem no local, o que não é bom para o solo, deixando-o contaminado. A melhor opção é pegar a criatura com algum objeto que pode ser descartado depois e enterrá-lo no chão, cerca de 10 centímetros abaixo da superfície. Além de ter a certeza que a espécie estará morta, ela se torna adubo para a sua horta. Você ainda evita de ter qualquer contato com ela ou com o muco do seu corpo. 

Sobre a lesma 

Lesma é o nome dado para qualquer molusco gastrópode, que possui concha completa, reduzida ou interna. O tipo mais conhecido é a Stylommatophora. Ela engloba cerca de 75 mil espécies, incluindo a própria lesma, caracóis e outros bichos marinhos.

As características destes gastrópodes é uma cabeça bem definida, rádulas – línguas dentadas – e um ou dois pares de tentáculos. 

Reprodução 

Do tipo hermafrodita, ou seja, com órgãos reprodutores de ambos os sexos, a lesma escolhe um parceiro e o rodeio, trocando espermatozóides por meio de seus órgãos. Pouco tempo depois, o indivíduo bota cerca de 30 ovos em um buraco no chão, ou sob algum objeto, como um tronco caído. 

Predadores 

Após deixar bem claro que comer lesma, pelo menos para os humanos, não é uma boa ideia, o animal faz parte do cardápio de alguns animais, sim. São eles: cobras, sapos, rãs, salamandras, ratos, tartarugas, certas espécies de besouros e pássaros. 

A lesma é uma praga? 

Sim e não. A grande maioria é inofensiva para os humanos, mas outras podem ser consideradas pragas no ramo da agricultura e horticultura. Ela têm a capacidade de destruir folhagem num ritmo muito acelerado, não dando a oportunidade da planta sequer crescer. Esse bicho também se alimenta de frutas e legumes antes da colheita, fazendo com que os produtos fiquem inapropriados para venda – tanto esteticamente, quanto em questões de saúde. Caso veja alguma na sua plantação, é melhor tomar uma providência o mais rápido possível.

Fique atento, principalmente a noite, que é o horário que este costuma se alimentar – já que é sensível a luz e desidrata com facilidade. 

Curiosidades 

  • A lesma é um animal gastrópode, o que quer dizer que é um indivíduo invertebrado que anda sobre a barriga. 
  • Pode produzir cerca de 400 ovos por ano. 
  • Ela morre quando entra em contato com o sal porque desidrata com facilidade. O sal – ou cloreto de sódio – “atrai” a água, fazendo com que a pele do animal não retenha líquido, causando osmose. 
  • No Brasil é possível encontrar bichos nativos e europeus. A principal diferença entre elas é que a brasileira é achatada, e a “importada” é mais cilíndrica. 
  • Acredita-se que as europeias chegaram no Brasil na época do descobrimento. 
  • É prima dos caramujos e dos caracóis. Estes, possuem conchas. O caracol tem essa região mais frágil e normalmente vive próxima a locais com água doce. Já o caramujo vive no mar ou na costa, e tem uma concha pesada e grossa.
Lesma
Lesma
  • Este animal consegue comer o dobro do seu peso em apenas uma noite. Come flores, folhas e frutos pequenos. 
  • Reside em locais úmidos e com bastante comida. 
  • É um indivíduo bem flexível, consegue se esticar até 20 vezes o seu tamanho para poder passar por pequenos buracos em busca de alimento. 
  • Tem senso de localização e pode voltar de onde veio seguindo sua trilha de muco. 
  • A lesma detém quatro tentáculos independentes e que se retraem. Dois são usados para cheirar e enxergar, os outros dois para tocar e provar. 
  • Possui milhares de dentes. 
  • Algumas lesmas marinhas abandonam partes de seus corpos para enganar e fugir dos predadores. 
  • Alguns animais podem chegar a 30 centímetros de comprimento. Já algumas espécies chegam um metro e pesam cerca de 15 quilos. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *