Home / Curiosidades / Cavalo-Marinho Grávido: Reprodução e Curiosidades

Cavalo-Marinho Grávido: Reprodução e Curiosidades

Da família dos Syngnathidae e pertencente ao gênero Hippocampus, o animal é um peixe do tipo ósseo. Ao todo, existem cerca de 53 espécies e podemos ver duas delas no Brasil: Hippocampus reidi e erectus, sendo conhecidos como cavalo-marinho de focinho longo e curto, respectivamente. 

Reprodução

E, sem dúvida alguma, que o bicho é conhecido não só por sua beleza, mas por uma característica muito peculiar. Apesar da cópula ser parecida com a de outras criaturas, nesta espécie quem fica “grávido” é o macho e não a fêmea. Após o coito, a fêmea deposita seus óvulos na bolsa incubadora do macho, localizada no abdômen deste. Este irá fecundar os ovócitos e ficar com eles até o momento do parto. 

O tempo de gestação varia de acordo com a espécie e também com a temperatura da água onde o casal vive, mas costuma durar de 4 a 8 semanas. 

Para dar luz a bebês, o pai realiza movimentos violentos de contração para expelir todos os filhotes. Isso acontece quando estes alcançam os 5 milímetros e o macho percebe que a bolsa está cheia. Nascem cerca de mil mini cavalos-marinhos, que já vem ao mundo totalmente independentes. Neste período, a fêmea já está se preparando para a próxima cópula, gerando novos óvulos. 

O bicho tem uma relação monogâmica, o que acaba sendo ruim quando um dos membros da dupla é capturado, afetando diretamente a taxa de reprodução do animal. E se levarmos em consideração que ele tem uma expectativa de vida baixa, vive até 7 anos, isso pode ser extremamente prejudicial para a preservação da espécie. 

Cavalo-Marinho Grávido
Cavalo-Marinho Grávido 

Características do cavalo-marinho

Essa criatura gosta de viver em águas rasas, temperadas e/ou tropicais, sendo encontrado com frequência em recifes, baías, estuários e manguezais. Exibe um cabeça alongada, que lembra muito o equino terrestre. Assim como o camaleão, tem olhos que se mexem de forma independente, o que ajuda na localização da sua caça. 

Sua boca é pequena e parece um tubo, não apresenta dentição e, devido a isso, o peixe se alimenta sugando sua comida. A predação acontece da seguinte forma: o cavalo-marinho fica esperando até um animal aparecer para sugá-lo. 

O corpo do bicho é pequeno, mas bastante resistente. Este é formado por um conjunto de anéis ósseos. Ele pode medir de 15 até 30 centímetros de comprimento. Apesar de apresentar nadadeiras pequenas, ele é capaz de nadar. Ainda detém peitorais – que ficam localizadas em sua cabeça e serve para proteger as brânquias – assim como dorsais – auxiliam o animal a pegar impulso. Para isso, ele chega bater esta cerca de 30 a 70 vezes por segundo – e uma anal. 

Apresenta igualmente uma cauda preênsil, que é usada para o bicho não ser levado pela correnteza ou ondas. Quando uma ocasião destas acontece, ele se agarra a alguma planta ou coral. Devido a isso, a região é bem desenvolvida e forte. 

É mais ativo durante o dia, mas não é de se movimentar com frequência. 

E, mais uma vez, assim como os camaleões, o cavalo-marinho consegue mudar de cor. Essa característica é ótimo pois ele é capaz de se defender mais efetivamente dos predadores. Esse traço também é usado durante a reprodução, já que ele costuma adotar cores mais chamativos nesse período, alertando os parceiros. 

Ele tem um tipo de exoesqueleto e, ao contrário da maioria dos peixes, não têm escamas. No lugar delas exibe placas ósseas duras e externas, que estão fundidas e cobertas pela camada corporal. 

Por ter um focinho parecido com um tubo e pequeno, apontado para baixo, ele consegue procurar por comida em espaços estreitos e minúsculos. 

Alimentação 

Apesar da boca pequena, isso não impede o cavalo-marinho de ser carnívoro. Sua dieta é composta de pequenos crustáceos, como o camarão, assim como larvas e ovos de peixes, moluscos e vermes. 

Por não ter um sistema digestivo, eles acabam comendo com muita frequência. No caso de um animal adulto, por exemplo, ele pode se alimenta de 30 a 50 vezes por dia. Já os bebês consomem cerca de três mil partículas orgânicas diariamente 

Curiosidades

  • Ele come camarões da ordem Mysida. 
  • Mesmo tendo uma boca pequena, está se expande quando o cavalo se alimenta de presas maiores. 
  • Os animais que são capazes de se camuflarem conforme o seu habitat são da espécie Hippocampus histrix.
  • Ele tem uma traço físico chamado de Cirri, que são apêndices corporais que possibilita ao bicho uma camuflagem em meio a plantas marinhas. 
  • Todo dia o casal realiza a dança do acasalamento, reforçando a conexão entre eles. Esse ritual envolve a mudança de cor da dupla, a união de suas cauda e uma dança em círculos, que pode durar até uma hora. Quando o rito acaba, a fêmea volta para o seu território. 
  • Eles podem ficar tanto com a mesma parceira a vida toda ou durante uma estação reprodutiva inteira. 
  • Machos e fêmeas tem território definido, cerca de 1,4 m2. 
  • O parto pode durar até 12 horas. 
  • O animal sofre com 3 ameaças a sua vida: sua retirada do habitat natural – para viver em aquários, ser usado na medicina asiática ou ser vendido como souvenir -, a destruição da sua casa e a poluição do seu ambiente por metais pesados. 
  • Existem animais com apenas 13 milímetros de comprimento. 
  • Suas nadadeiras são pequenas e quase transparentes. 
Cavalo-Marinho Grávido
Cavalo-Marinho Grávido
  • Vive em várias partes do mundo, normalmente numa profundidade de 40 a 100 metros. 
  • A fêmea gera mais ovos do que o macho consegue colocar em sua bolsa incubadora. 
  • O cavalo-marinho pigmeu é considerado o mestre da camuflagem. 
  • Eles são os únicos peixes que nadam na vertical. 
  • Ambas as espécies que existem no Brasil correm risco de extinção – que novidade. 
  • O Brasil está entre os principais fornecedores desse bicho para amantes de aquários. 
  • Seu nome científico vem do grego. Hippos significa “cavalo”, e campos, “monstro do mar”. O que pode ser relacionado com a criatura mitológica grega, que possui um torso de cavalo e um rabo de peixe. 
  • Seus principais predadores são: atum, peixe-dourado, caranguejo e cioba. 
  • O seu nado na vertical está diretamente relacionado ao formato do corpo. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *