Home / Curiosidades / Camundongo: Doenças Transmitidas e Sintomas

Camundongo: Doenças Transmitidas e Sintomas

O camundongo ou rato doméstico é uma espécie de roedor pertencente à família Muridae e espécie Mus musculus. São roedores pequenos, com aproximadamente 10 cm de comprimento, pelagem curta, de cores que variam do branco ao cinza-acastanhada e cauda nua e longa. É um dos mamíferos mais abundantes e difundidos em todo o mundo, mas registros históricos indicam que seu surgimento se deu na região do Mediterrâneo, mais precisamente no Irã, Afeganistão, Paquistão e norte da Índia. Registros fósseis indicam que, a partir dessa região, a espécie migrou para a China e daí para o resto do mundo. O camundongo se tornou então uma espécie cosmopolita, sendo encontrado em qualquer parte do mundo, com exceção da Antártica, geralmente associado a habitações humanas. O espalhamento da espécie pelo mundo se deu, principalmente, devido às grandes viagens de navios no passado, tendo sido transportados junto às embarcações. Os camundongos são encontrados, principalmente, nas grandes cidades, vivendo muito próximos ao ser humano e se adaptaram a uma grande variedade de condições ambientais.

Camundongos
Camundongos

Os camundongos vivem associados aos humanos há vários milênios e, na maioria das vezes, esses animais estão associados a doenças. Os camundongos são responsáveis pela transmissão muitas doenças, como, por exemplo, leptospirose, peste bubônica, tifo murinho, raiva, sarnas, triquinose, coriomeningite linfocítica, salmonelose, micoplasmoses, hantavirose, dentre outras. Estas doenças podem ser transmitidas diretamente aos seres humanos, através do manuseio de roedores vivos ou mortos, por meio do contato com fezes, urina ou saliva e através da mordida de roedores. Outras doenças também podem ser transmitidas para os seres humanos indiretamente, através de pulgas, carrapatos ou ácaros que se alimentaram de um roedor infectado.

Hantavirose 

O hantavírus é um vírus é transportado pelo cervo e roedores como o camundongo. O vírus é transmitido principalmente em ambientes fechados quando há inalação do vírus pelo ar, nas partículas suspensas de poeira, pois as secreções presentes na urina e nas fezes do camundongo secam e se misturam à poeira do ar. A infecção também pode se dar por contato direto com a urina, fezes ou materiais de nidificação dos camundongos, através de ferimentos na pele, ingestão de água ou alimentos contaminados, além da mordida do próprio animal.

Hantavirose 
Hantavirose

Normalmente, os sintomas do hantavírus se desenvolvem entre uma a cinco semanas, podendo demorar até 60 dias e, após a exposição ao vírus, a infecção pode progredir para a Síndrome Pulmonar por Hantavírus (HPS), uma doença respiratória grave que pode ser fatal e tem maior incidência nas Américas, ou para a febre hemorrágica com síndrome renal (FHSR), prevalente na Europa e Ásia.Os primeiros sintomas incluem fadiga, febre alta e dores musculares nas coxas, quadris, costas e, às vezes, ombros. A pessoa infectada também pode sentir dores de cabeça, tontura, calafrios e problemas e dores abdominais, como náuseas, vômitos, diarreia.

Hantavirose Transmissão
Hantavirose Transmissão

Quatro a dez dias após a fase inicial da doença, os sintomas tardios da infecção por hantavírus desenvolvem-se e a HPS pode aparecer, incluindo hipotensão arterial, tosse seca e falta de ar, acúmulo de líquido nos pulmões e progressão para dificuldade e insuficiência respiratória. Outros sintomas são mais específicos da SHFR, tais como aumento da ureia no sangue, diminuição na produção de urina, sangramentos gengivais, manchas avermelhadas ou arroxeadas pelo corpo, insuficiência renal e choque generalizado.É uma doença com alto índice de mortalidade. Não há tratamento específico, cura ou vacina para a infecção por hantavírus. No entanto, se uma infecção for diagnosticada precocemente e o paciente receber cuidados médicos adequados em uma unidade de terapia intensiva, as chances de sobrevivência são altas.

Leptospirose

A leptospirose é uma doença bacteriana, potencialmente grave, causada por uma bactéria do gênero Leptospsira. É transmitida ao homem por meio da urina dos camundongos, além de outros mamíferos como cães e bovinos. A Leptospira é transmitida pelo contato direto com a urina dos animais, principalmente se houver algum ferimento ou arranhão na pele, ou pela exposição à água contaminada. No Brasil e em regiões úmidas, o número de casos aumenta na estação chuvosa, devido à propagação da doença por meio de enchentes e inundações. Corpos de água doce podem conter urina infectada, portanto atividades como caiaque, natação ao ar livre ou pesca também constituem formas de se contrair a doença.

Leptospirose
Leptospirose

A leptospirose pode ser assintomática, mas quando os sintomas se manifestam, eles incluem febre alta repentina, mal-estar, dor muscular especialmente na panturrilha e tórax, dores de cabeça, olhos vermelhos, tosse, cansaço, calafrios, náuseas, diarreia, desidratação, pele amarelada, manchas vermelhas no corpo e meningite. O tratamento para a leptospirose inclui antibióticos para tratar a infecção, hidratação e outros medicamentos para aliviar os sintomas. No caso infecções mais graves, um tratamento no hospital pode ser necessário. Existe vacina para a bactéria, mas só está disponível para ser aplicada em animais.

Coriomeningite linfocitária

A coriomeningite linfocitária é uma doença infecciosa viral causada pelo vírus da coriomeningite linfocitária (LCMV) e seu principal hospedeiro é o camundongo. A transmissão do vírus pode ocorrer por meio do contato com a urina, fezes, saliva ou materiais de nidificação de roedores infectados, principalmente se a pele estiver machucada ou pelas mucosas dos olhos e boca, ou, diretamente, pela mordida do camundongo. Também pode haver infecção por meio da inalação do ar com poeira contendo o vírus ou ainda por meio da ingestão de alimentos contaminados.

Coriomeningite linfocitária
Coriomeningite linfocitária

A coriomeningite linfocitária apresenta duas fases: a primeira tem sinais e sintomas não muito específicos ou comuns a resfriados e gripes, como febre, mal-estar, falta de apetite, dores musculares, dor de cabeça, náuseas e vômitos. Alguns sintomas menos frequentes incluem dor de garganta, tosse e dores nas articulações. A segunda fase da doença é dominada por sintomas mais graves, incluindo meningite, com febre, dor de cabeça, rigidez no pescoço, encefalite, com sintomas como sonolência, confusão, distúrbios sensoriais e paralisia, ou meningoencefalite, com a inflamação do cérebro e das meninges. A maioria dos pacientes sobrevive, mas é possível que haja um dano neurológico temporário ou permanente. A infecção durante a gestação pode provocar anormalidades ou até mesmo morte fetal, principalmente se a doença surgir no primeiro trimestre. O tratamento da coriomeningite linfocitária é de suporte, com medicamentos anti-inflamatórios e corticoides, sendo maioria dos casos uma doença autolimitada. Mas algumas medidas dependem da gravidade da doença: meningite, encefalite ou meningoencefalite requerem hospitalização e tratamento de suporte com base na gravidade.

Peste

A peste é uma doença que afeta seres humanos e outros mamíferos e é causada pela bactéria Yersinia pestis, transmitida pela picada da pulga do rato. Essa doença é famosa por ter matado cerca de ⅓ da população da Europa durante a Idade Média, principalmente devido a falta de saneamento básico. Atualmente, as infecções ocorrem em áreas rurais e semi-rurais.  A bactéria é transmitida pela picada de uma pulga infectada, normalmente carregada pelo camundongo, embora cães e gatos também possam trazer pulgas contaminadas pela peste para dentro de casa.

Peste Ratos
Peste Ratos

A peste bubônica é caracterizada pelo aparecimento repentino de febre, dor de cabeça, calafrios e fraqueza, apatia, vertigens, tosse seca e inchaço em linfonodos, que ficam sensíveis e dolorosos, principalmente nas virilhas e axilas. A peste septicêmica é caracterizada por choque séptico grave, que inclui risco de vida, febre, calafrios, extrema fraqueza, dor abdominal, sangramento na pele e outros órgãos. Os sintomas da peste septicêmica podem se desenvolver a partir da peste bubônica não tratada.A peste é uma doença tratável com antibióticos, mas o sem tratamento imediato, a doença pode evoluir gravemente e ser fatal.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *