Home / Curiosidades / Camelo Bactriano: Curiosidades, Extinção E Nome Científico

Camelo Bactriano: Curiosidades, Extinção E Nome Científico

Também é nomeado como camelo asiático pela região em que habita, a Ásia, mais especificamente a Bactria, daí vem a nomeação pela qual é mais conhecido, camelo bactriano, ou cientificamente, camelus bactrianus.

O Bactrianus Comparado A Única Outra Espécie De Camelo

É bem característico mas não deixa de lembrar a única outra espécie de camelo, o dromedário, de nome científico, camelus dromedarius, também conhecido como camelo árabe, habitante também da Ásia além da África.

Camelo Bactriano
Camelo Bactriano

Há a teoria de que o dromedário seja descendente do bactriano, o que não temos a certeza de ser verídico ou não. As suas maiores diferenças são o porte maior do bactriano, além de uma corcova a mais do mesmo comparado ao dromedário, enquanto o primeiro possui duas, o segundo possui somente uma; e uma pelagem bem mais longa, que curiosamente pode chegar ao chão no inverno. Entrando em mais detalhes quanto ao porte do bactriano pode chegar a medir três metros de comprimento e cerca de dois metros de altura, além da sua cauda, que mede aproximadamente cinquenta centímetros e pesar de quatrocentos e cinquenta a até quase setecentos quilos. Tanto na natureza quanto em domesticação pode acontecer o cruzamento entre dromedários e bactrianos, o que como o imaginado, aproxima mais características das duas espécies em um só indivíduo, como toda hibridação de qualquer espécie de animal, o que é muito comum para se conseguir raças ainda não existentes de passarinhos, cachorros ou gatos, mas que entre os camelos não é tão desejado quanto por um motivo específico, só pode acontecer naturalmente.

A Sua Maior População É Domesticada

Tanto o dromedário quanto o bactriano atualmente se encontram ameaçados de extinção quanto a sua população na natureza vivendo de forma selvagem, em contrapartida há mais indivíduos vivendo de forma domesticada. Bactrianos selvagens hoje em dia só se encontram no deserto de Gobi.

Quando domesticados, o que acontece por toda a região da Ásia em que se encontra, são caracteristicamente aproveitados para o transporte de cargas de mercadorias que podem chegar aos quatrocentos e cinquenta quilos durante até aproximadamente quarenta e sete quilômetros de caminhada. Também são domesticados para a produção de leite, como animais mamíferos que são, carne, pelos ou couro quando são abatidos, o que é mais comum com bovinos, caprinos e ovinos nas regiões latino americanas.

O camelo bactriano é mais fácil de domar comparado ao dromedário pela sua personalidade mais dócil, por outro lado são tão dóceis que chegam a ser passivos e se assustar facilmente ou não utilizar de sua capacidade defensiva diante de alguma ameaça, quando decidem se defender, assim como as ilhamas, preferem cuspir no seu ameaçador, o que não seria o extremo de toda a sua capacidade de força.

Adaptabilidade Para Além Do Que Nossos Olhos Veem

Incrivelmente o camelo é tão adaptado fisicamente e fisiologicamente ao seu habitat e as suas condições de água e alimentos, que podem suportar muito tempo sem comer ou beber sem nenhuma anormalidade que comprometa a sua saúde ou capacidade de sobrevivência, além do que têm a capacidade de suportar temperaturas extremas típicas das regiões montanhosas em que habitam, seja o calor de até quarenta graus, ou o frio de até zero graus Celsius.

Difícil imaginar qual o outro caminho o ser humano teria como opção para o transporte de cargas de mercadorias em regiões tão áridas e montanhosas fora a capacidade mais que útil dos camelos bactrianos. Sua adaptabilidade vai além do que os nossos olhos reparam.

Camelo Bactriano Características
Camelo Bactriano Características

Suas patas têm somente dois dedos com a base longa para dar conta do volume de areia e de neve de seus habitats, o que os garante não atolar em suas longas caminhadas carregando muito peso, o que mais os caracterizam, suas corcovas, é onde armazenam gordura e consequentemente energia para quando têm de passar longos períodos sem tomar água ou sem se alimentar devido ao habitat escasso, seus pelos grossos que se tornam mais longos no inverno, os protegem do frio extremo, suas narinas têm musculaturas que os permitem as fechar para não inalar areia ou perder líquido do corpo, seus olhos são protegidos com três pálpebras.

Como herbívoros ruminantes que são, seu estômago têm quatro divisórias que permitem a digestão de diferentes vegetais, além do que seus lábios são grossos não permitindo que se machuquem facilmente entre espinhos, comuns em seus habitats, de onde retiram seus alimentos, ideal para quem se alimenta de vegetais e plantações, como os cactos, típicos do seu habitat.

Por Que Criticamente Ameaçados De Extinção?

Certamente uma das somatórias do risco de extinção da espécie é a sua reprodução, atingem a maturidade sexual somente aos três anos de idade, geralmente acasalam somente quando atingem os quatro anos (isso para as fêmeas, os machos atingem a maturidade por volta dos cinco anos) e deixam de reproduzir com cerca de vinte. Seu período anual reprodutivo é de dezembro a abril, quando se reproduzem sua gestação dura cerca de treze meses, certamente uma das mais longas entre os mamíferos e geram somente um filhote por vez.

Camelo Bactriano Curiosidades
Camelo Bactriano Curiosidades

Em contrapartida, apesar de serem totalmente dependentes e desajeitados quando nascem e dependerem da mãe até mesmo para conseguir chegar até as mamas, em poucos meses já têm a capacidade de seguir a mamãe camelo sem muita dependência. Nesta mesma fase quando domesticados, sua ordenha para consumo do seu leite é feita, assim como é mais comumente com as vacas.

Sua expectativa de vida é de cinquenta anos de idade. Mas o principal fator de sua classificação de extinção, é justamente a sua domesticação, em que seus tutores não se preocupam em reproduzir ou aumentar o número de sua criação, até mesmo quando os criam para abate e consumo de sua carne, pele e pelo ou de seu leite. Mas mais comumente são criados para o transporte de mercadorias nas regiões em que habitam, o que comparado a sua vida selvagem e reprodução natural, têm muito mais indivíduos sobreviventes. Sendo assim, não sabemos até quando os asiáticos terão este útil animal como ajudantes de suas necessidades e o que farão quando vierem a ser realmente extintos. Qual solução será viável para o transporte de mercadorias em uma região de tão difícil adaptabilidade e que qualquer outro animal que possamos pensar, como o cavalo, não teria tal capacidade?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.