Home / Curiosidades / Cachorros e Gatos Podem Ter Coronavírus?

Cachorros e Gatos Podem Ter Coronavírus?

Dentre as muitas preocupações trazidas pela pandemia de coronavírus, uma delas foi, sem dúvida alguma, é a saúde de nossos pets. Como eles ficam nesta situação? Principalmente depois de alguns famosos que contraíram a doença terem postados fotos com seus animais de estimação. 

Afinal, cães e gatos podem ser Infectados com o convid-19? A resposta é sim, estes dois indivíduos podem sim, infelizmente, ser Infectados com a nova mazela. Mas transmissão só aconteceria com o vírus da própria espécie e ela não é passada para seres humanos. 

Até o momento não existem provas concretas de que cachorros e gatos estejam adoecendo devido a essa infecção e nem que sejam capazes de espalha-la. 

Mas, mesmo inicialmente sendo uma boa notícia para donos de pets e seus bichinhos, é preciso ficar atento, já que se trata de uma doença grave e nova. Ou seja, não temos todas as informações relativas a ela, então é preciso ficar sempre atento às pesquisas recentes feitas sobre a mazela. Sobre os dados relacionados aos pets, podemos acompanhar as atualizações nos boletins postados pela World Small Animal Veterinary Association (WSAVA), por exemplo. Esta é a fonte de informação usada por veterinários. Ou seja, é de confiança. 

Cachorros e Gatos
Cachorros e Gatos 

Outra dúvida que tem surgido com a infecção é se quando uma pessoa pega a doença, ela pode permanecer perto de seus animais? Bom, é melhor não. As recomendações para quem contraí o coronavírus são bem claras: se isolar de outras seres vivos e, só para garantir, é melhor incluir os pets nesta lista. 

Mesmo eles sendo “imunes” ao convid-19, algumas medidas devem ser seguidas, segundo o WSAVA. Como o uso de luvas e máscaras quando estiver próximo dos bichinhos, assim como a higienização das mãos antes e depois de brincar com os animais. Pode ser com sabão ou com álcool em gel. 

Isso serve não só para proteger os pets, como a nós mesmos. 

Essa questão acabou sendo levantando também após um cachorro na China de uma pessoa que contraiu a mazela foi testado positivamente, de forma mais fraca, com o vírus. Isso poderia indicar contaminação ambiental. O animal está em quarentena e segue em observação. Porém, ele não apresenta os sintomas da doença. 

De qualquer forma, o melhor mesmo é não arriscar a saúde e a vida do seu pet, e seguir todas as recomendações dadas pelos órgãos competentes. Deixa para rolar no chão com seu cão ou seu gato assim que estiver curado. Assim ambos saem ganhando. 

Como começou a transmissão do novo coronavírus

Tudo começou a China, em 2019. Com cada vez mais doentes aparecendo, descobriu-se que a transmissão aconteceu em um mercado de animais selvagens em Wuhan. Conforme foi se espalhando, a cidade foi interditada e novas informações sobre esse novo vírus foram divulgadas. Esse era um local de venda de bichos silvestres, como morcegos e roedores, que contém um tipo de coronavírus. Assim como o pangolim, que apesar de estar em extinção e sua caça ter sido proibida no país, ele era facilmente encontrado à venda no local. Acredita-se que foi o mamífero que passou a doença para os seres humanos, provavelmente após uma mutação da mazela. Segundo os cientistas, a compatibilidade do vírus presente no animal e da dos seres humanos é de 92%. Porém, isso não seria uma certeza que ele é o responsável pela infecção em massa na China. Mesmo porque o nível de similaridade com o morcego é muito maior, cerca de 96%. Em decorrência disso, as pesquisas continuam sendo realizadas para se descobrir a origem dessa doença que vem afetando vários países do mundo. 

De qualquer forma, precisamos deixar essa parte para os cientistas e nos preocupar em como nós, cidadãos, podemos evitar que essa doença se alastre ainda mais no Brasil. 

Transmissão 

A primeira coisa que precisamos é saber como essa mazela é transmitida: por meio de gotículas de saliva, espirros, tosse, contato próximo e com superfícies/pessoas contaminadas. 

Segundo um estudo publicado pela The New England Journal of Medicine, o vírus é capaz de sobreviver durante algumas horas no ar e alguns dias em certas superfícies. 

É por este motivo que os especialistas indicam o tal “distanciamento social”, além do afastamento do trabalho e de outros locais com grande número de pessoas. Imagina esse cenário dentro de um metrô ou ônibus, por exemplo. Uma pessoa infectada tosse ou espirra na área, o vírus sobrevive por 3 horas. Quantas pessoas seriam atingidas durante esse período? E quantos desses indivíduos afetariam outros?

Conforme os dados coletados, um paciente pode infectar de duas a três outras pessoas, com algumas projeções estimando que esse número pode chegar a seis. 

Por este motivo que se manter em casa, o mais afastado possível de outros seres vivos é o que vai diferenciar o Brasil da Itália ou da China. Esse simples ato simples pode salvar milhões de pessoas. 

A situação é ainda pior quando este entra em contato com itens de plástico ou aço inoxidável. A mazela pode sobreviver ali por 3 dias inteiros. Eis que entra o cuidado mais importante indicado pelos médicos: a higienização das mãos, seja com álcool em gel ou com sabão e água. 

Coronavirus
Coronavirus

Outra coisa que preocupa é que muitas pessoas são assintomáticas ou apresentam sintomas leves, o que pode levar muitos a procurar o médico já em estágios mais avançados infecção. Ainda mais se pensarmos que o vírus ataca o sistema respiratório, causando até insuficiência renal. Inclusive, esse é mais eficaz que as outras duas versões conhecidas – Sars e Mers – em se espalhar por todo o sistema respiratório, como nariz, garganta, etc. Enquanto os outros dois se alojam principalmente nos pulmões. 

Aqueles que têm a imunidade baixa, como idosos e portadores de doenças crônicas facilitam ainda mais o trabalho do convid-19. 

E sem nenhuma vacina ou tratamento específico para a doença, a melhor opção é se isolar em casa e seguir todas as orientações dadas pelos médicos, tanto para proteger a si próprio, como os pets. 

Este é o momento de pensar não só nos que são próximos de nós, mas também no próximo. Com esse pensamento, logo poderemos retornar nossas vidas normalmente. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *