Home / Curiosidades / As Lesmas Transmitem Doença? De Onde Elas Vêm?

As Lesmas Transmitem Doença? De Onde Elas Vêm?

Elas têm um aspecto físico um pouco estranho, porém familiar. Afinal de contas, quem nunca viu uma lesma em seu jardim? Elas vão se arrastando, centímetro a centímetro, fazendo parecer que o mundo gira devagar, tamanha sua demora em se deslocar por, sei lá, um metro de distância. Sua aparência ainda remete a um ser que não oferece qualquer risco aos seres humanos, pois não conseguem fugir e não possuem veneno. Mas será mesmo que as lesmas são inofensivas?

Estes seres pertencem à classe dos gastrópodes, a mesma dos caracóis. O que os difere é a concha em cima do seu corpo. Aos caracóis, a concha serve para lhe nutrir com a umidade necessária para sua sobrevivência, além de servir como esconderijo. Nas lesmas, a falta da concha as ajuda a realizar a respiração cutânea, pela pele. Elas possuem pulmão e são hermafroditas.

São catalogadas milhares de espécies de lesmas no Brasil, porém nem todas são nativas. Muitas delas vieram da África e da Europa, nos tempos de colonização do país. Elas são chamadas de espécie exótica invasora. Elas acabam sendo transportadas de outros continentes para cá através de exportações, seja no convés dos navios, seja pelo material transportado. Internamente, elas acabam se proliferando de norte a sul em carrocerias de caminhão, em animais e até mesmo em cargas de barcos que atracam nos portos localizados no litoral brasileiro.

Lesmas
Lesmas

Lesmas podem ser um perigo à saúde humana

As lesmas, no ritmo em que se arrastam, comendo folhas e deixando rastro por onde passam parecem inofensivas e frágeis. Mas não é bem assim. É preciso tomar sérios cuidados para não ser contaminado por elas. Isso porque tanto no rastro do chão, tocando diretamente nelas ou até ingerindo alimentos contaminados, os seres humanos podem sofrer sérios danos à sua saúde.

Isso porque as lesmas podem contaminar com Angiostrongylus, que são vermes pulmonares presentes nos ratos. Ao excretados por eles, as lesmas acabam transportando-os, como hospedeiras. Assim sendo, ao entrar em contato direto com uma lesma contaminada, você pode acabar contraindo Angiostrongylus cantonensis (Caribe, Ásia e Bacia do Pacífico) ou Angiostrongylus costaricensis, a mais comum na América do Sul, incluindo o Brasil.

As lesmas onde se encontraram esses parasitas com maior frequência foram a Lesma-do-pântano (Deroceras laeve), a Lesma-amarela (Limax Flavus) e a Lesma-exótica-europeia (Limax Maximus).

Os sintomas em quem contrai alguma dessas doenças é febre moderada e prolongada, dor abdominal, náuseas e vômitos. Outro sintoma que foi registrado em algumas pessoas é uma espécie de meningite, que ocorre quando afeta o cérebro.

Formas de se prevenção

É imprescindível que os seres humanos evitem o contato direto com as lesmas, tocando-as. Animais de estimação, inclusive, devem ser mantidos longe destes seres, pois também podem contrair as mesmas doenças. Lavar bem as frutas e hortaliças de seu jardim é o primeiro passo. Para fazer isso da melhor maneira, você pode deixar de molho em água com um pouco de vinagre por alguns minutos. Depois, basta que lave só com água e aí guarde na geladeira. A mistura de água sanitária com água também se apresenta como uma saída eficiente.

As lesmas têm muita sensibilidade à luz, por isso são pouco vistas durante o dia. É à noite que elas saem para se alimentar de plantas e frutos pequenos. Até então, ficam escondidas em ambientes úmidos, seu habitat predileto. A luz afeta as lesmas porque elas são pouco hidratadas, daí vem a solução de colocar sal nelas para matá-las, algo difundido principalmente por pessoas mais velhas. Com o efeito do sal elas não conseguem reter o líquido necessário e acabam morrendo.

Lesmas
Lesmas

Porém, essa não é a melhor solução para exterminá-las de seu jardim. A melhor forma é pegá-las com uma luva e enterrar alguns centímetros no solo. Isso fará com que ela fique sem ar e não sobreviva. Além do mais, seus restos servem como adubo. Se ao acordar você enxerga os rastros da lesma pelo chão e as folhas de seu jardim estão comidas, pela noite pode colocar um pouco de sal, ou água sanitária para afastá-la.

Em casos de plantações grandes, as lesmas podem causar estragos ainda maiores, comprometendo safras e agindo como verdadeiras pragas. Para estes casos, nenhuma solução caseira é possível. O que resta é contratar alguma empresa profissional, especializada em dedetização, para eliminar de vez por todas.

A reprodução das lesmas é bastante peculiar. Ainda que sejam hermafroditas, elas precisam de um parceiro para copular. Ao fazerem isso, elas podem colocar mais de 50 ovos de uma só vez, chegando a 500 por ano. Por isso é importante não deixar que tomem conta do seu quintal, de sua horta ou plantação. Seus principais predadores naturais são rãs, sapos, ratos e tartarugas.

Lesmas da terra e Lesmas do mar

As lesmas terrestres são facilmente identificáveis pela falta da concha e pelo formato que é bastante parecido entre elas, como as antenas que servem para elas enxergarem e faz com que tenham um excelente senso de localização, utilizando inclusive de seu rastro para retornarem ao mesmo local de onde partiram.

Mas uma outra categoria tem lesmas muito mais peculiares, diferentes e exóticas. São as lesmas do mar, espalhadas pelos oceanos e que cada vez mais surpreendem biólogos e estudiosos. Elas fazem parte das gastrópodes, assim como as primas terrestres, porém são da classe dos nudibrânquios.

As lesmas do mar possuem formas diferentes e são multicoloridas. Isso as ajuda até a fugir de seus predadores, pois conseguem se camuflar em meio às rochas oceânicas. A cada ano são descobertas mais lesmas do mar, que encantam os olhos de mergulhadores e não fazem o mesmo mal das lesmas terrestres. Claro que, seguindo a mesma dica, não é recomendado comê-las. Recomenda-se, sim, que se admire essas belezas marítimas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *