Home / Curiosidades / 9 Curiosidades Sobre o Ouriço Cacheiro: Comportamento e Nome Científico

9 Curiosidades Sobre o Ouriço Cacheiro: Comportamento e Nome Científico

Grande parte dos animais que compõem a fauna são incríveis e cheios de mistérios e curiosidades. Este é um universo repleto de indivíduos que muitas vezes nem conhecemos ou sabemos muito pouco sobre eles. É com esse intuito de tornar esse reino mais conhecido que hoje vamos falar do ouriço-cacheiro, um dos bichos mais conhecidos da fauna brasileira. 

Curiosidades sobre o ouriço-cacheiro 

1 – Tem hábitos solitários 

Conhecido também como Erinaceus europaeus, esse animal é conhecido por ser do tipo solitário. Eles normalmente se juntam apenas no período de reprodução. Logo depois, o macho abandona a mãe com a ninhada – que pode ser de 1 a 10 filhotes -, que fica responsável pelos bebês, mas também não passa muito tempo com eles. Cerca de 4 a 7 semanas depois, ela os deixa também. Existem até casos que o casal acaba se alimento de sua próprio cria. 

2 – Adoram novos cheiros 

Cheiro de um bom perfume ou uma comida sendo feita com certeza desperta sensações em todo mundo, mas no caso do ouriços essa sensação é para lá de espetacular. Quando esses bichos sentem novos cheiros eles ficam tão entusiasmados que começam a expelir uma espécie de espuma, que chega a cobrir seus espinhos. Ninguém sabe ao certo porque eles reagem desta forma, mas podemos dizer que é no mínimo uma reação bem peculiar. 

Ouriço Cacheiro
Ouriço Cacheiro

3 – Existem diversas espécies

Apesar do ouriço africano ser o mais comum entre todos, existem cerca de 15 espécies desse indivíduo. E mesmo nenhuma delas sendo originária da América, esses bichos vivem em todos os continentes. 

4 – Coloração diferente 

Apesar do pelo castanho com pontas brancas ser a coloração mais comum, inclusive no ouriço-cacheiro, ela não é regra. É possível encontrar exemplares em tons total de branco.

5 – O míope do reino animal

Esse indivíduo é conhecido pela sua estatura, é um animal pequeno e, sendo assim, seus membros também são, inclusive contribuindo para que ele tenha uma visão muito ruim. Em contrapartida, ele compensa essa “miopia” com uma audição e olfato muito apurados. 

6 – São animais noturnos 

O ouriço-cacheiro é um animal de hábitos noturnos. Dormem o dia todo e começam a se movimentar depois do crepúsculo, usando esse período para se exercitar ou comer.  

Ouriço Cacheiro
Ouriço Cacheiro

7 – Muitos espinhos 

O ouriço possui cerca de 5 mil espinhos espalhados pelo seu corpo. Oco e com base flexível, ele o usa como defesa. Quando se sente ameaçado, o bicho vira uma espécie de bolinha, que protege seu ventre e deixa apenas as partes espinhosas exposta. Aliás, seus espinhos não passam de pelos modificados, estes começam a endurecer conforme o animal vai crescendo. 

8 – Trocam de “pele”

Sua forma de defesa, seus espinhos, duram apenas um ano. Logo após esse período, eles começam a cair para darem lugar a novos. 

9 – Animais selvagens 

Sabia que em estados como Arizona, Califórnia e Georgia é proibido domesticar esses bichinhos? Isso porque nesses lugares eles são considerados animais selvagens. 

Características e comportamento

O ouriço-cacheiro é considerado o maior insectívoro de toda a fauna. Eles se alimentam principalmente de invertebrados, como aranhas, minhocas, escaravelhos, lesmas e lagartas. Também é comum vê-los comendo peixes, ovos e outros animais pequenos, como filhotes de roedores, aves e sapos. 

Como dito, é um animal de pequena estatura, por isso seu tamanho não passa de 18 a 20 centímetros de comprimento e pode pesar de 700 gramas a um quilo. 

Reprodução 

O período de reprodução acontece entre os meses de Abril até agosto. A gestação dura de 12 a 13 semanas, e cada ninhada pode produzir de 4 a 10 filhotes. Sua estimativa de vida é de 7 a 10 anos. Os maiores perigos para eles na natureza são os cães, texugos e as raposas. O período de hibernação também pode ser perigoso para o ouriço, isso porque se o bicho não estiver com um peso variando de 500 a 600 gramas, ele provavelmente não sobreviverá durante este tempo. 

Distribuição

A espécie tem maior concentração no oeste europeu, incluindo as Ilhas Britânicas. No século XX essa distribuição atingiu o norte, como a Escandinávia, assim como a parte ocidental da Sibéria e norte da Rússia. Também está presente na Nova Zelândia. Ele é muito visto em Portugal, mas existem algumas regiões que é possível encontrar um déficit de sua presença, algo que ainda não foi explicado. 

Alimentação

Como dito, o ouriço-cacheiro se alimenta principalmente de pequenos invertebrados, mas sua alimentação muda de acordo com o seu habitat: ou seja, aqueles que vivem na natureza ou em cativeiro. Para aqueles que vivem fora da natureza sua dieta é composta de frutas, carnes, legumes, pedaços de queijo, ovos, grilos e até ração de gato ou cachorro. 

Esse animal precisa de cuidados quanto o assunto é sua comida. Isso porque, além de não poder ter uma dieta a base apenas de insetos, o que pode causar um desequilíbrio nos níveis dos minerais, é preciso também ficar atento na hora de escolher sua ração. O ideal é optar pelas diets, que são menos gordurosas e não engordam. 

O mesmo cuidado deve ser tomado na hora de servir sua refeição. O ideal é que o bicho consuma, por dia, duas colheres de sobremesa de comida. Na gaiola, ao invés de colocar e tirar o pote de água, prefira instalar um bebedouro, assim ele fica livre para se hidratar a hora que quiser. 

Status de conservação 

O animal não é considerado uma espécie com risco de extinção, mas algumas situações podem fazer isso mudar. Como é o caso do uso de pesticidas na agricultura, por exemplo. Isso porque o veneno atinge indivíduos consumido pelo ouriço-cacheiro, que contaminam o bicho. 

A redução do seu habitat também pode contribuir para uma possível extinção da espécie. As transformações agrícola dos últimos 40 anos tem reduzido consideravelmente o ambiente natural do ouriço. Ou seja, se nada for feito, ele logo estará na lista de animais em extinção. 

E aí, gostou de saber mais sobre esse animal fortemente presente na fauna brasileira? Conte o que mais gostou e não esqueça de compartilhar. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *