Home / Informações / Família Picidae

Família Picidae

Picidae é o nome dado à família dos pica-paus. Essas aves são relativamente fáceis de identificar na natureza devido a uma característica muito peculiar: o hábito de fazer buracos no tronco das árvores.

Os membros da família Picidae podem ser encontrados em praticamente todo o mundo, exceto na Austrália, na Nova Guiné, na Nova Zelândia, em Madagascar e nas regiões polares. A maioria das espécies habita áreas de florestas, embora se tenha registros de espécies que vivem em áreas sem árvores, como encostas rochosas e desertos.

A família Picidae é composta por aproximadamente 240 espécies distribuídas em 35 gêneros; cerca 20 espécies encontram-se ameaçadas de extinção. No Brasil, há 59 espécies da família Picidae.

Hoje você vai descobrir um pouco mais sobre a família dos pica-paus. Confira!

Características

O tamanho dos pica-paus varia de 7 a mais de 50 centímetros de comprimento; o peso está entre 7 e 565 gramas. O extinto pica-pau imperial e o pica-pau-de-marfim são maiores representantes da família.

A plumagem dos pica-paus apresenta cores variadas. Muitas espécies possuem coloração em tons de azeitona e marrom; outras são ousadamente padronizadas em preto, branco e vermelho; quase todas possuem uma crista ou pequenos tufos na coroa. Os pica-paus trocam de plumagem pelo menos uma vez por ano.

Os pés dos Picidae são constituídos por quatro dedos: o primeiro voltado para dentro (hallux), o quarto voltado para trás e o segundo e o terceiro voltados para frente. A exceção é o pica-pau-de-costas-pretas, que têm apenas três dedos em cada pé. Essa anatomia dos pés é bastante útil para a ave agarrar os troncos das árvores.

Os membros desta família podem andar verticalmente em troncos de árvores, o que é benéfico para atividades como procurar alimentos ou escavar ninhos. Além de suas garras e pés fortes, os pica-paus também têm pernas curtas e fortes. Isso é típico de aves que regularmente se alimentam em troncos.

A cauda de todos os pica-paus são enrijecidas, o que facilita o equilíbrio da ave quando ela se locomove sobre uma superfície vertical. Os bicos desses animais são longos e a língua é grande e pegajosa, característica que ajuda na captura de insetos e larvas.

Anatomia Craniana

O crânio da família Picidae apresenta características específicas para suportar o impacto causado pelas bicadas nos troncos das árvores. O bico é composto por três camadas:

  • uma bainha externa chamada rhamphotheca, feita de escamas formadas a partir de proteínas de queratina;
  • uma camada interna de osso que possui uma grande cavidade e fibras de colágeno mineralizadas;
  • uma camada intermediária feita de osso poroso que conecta as outras duas camadas.

Essa composição anatômica ajuda o bico a absorver o estresse mecânico das bicadas. Para prevenir danos cerebrais causados pelos impactos poderosos, rápidos e repetidos, os pica-paus possuem uma série de características físicas que protegem o cérebro.

O cérebro dessas aves é relativamente pequeno e liso. O espaço subdural é estreito e com pouco líquido cefalorraquidiano (CSF), o que evita que ele se mova dentro e fora do crânio durante o as bicadas.

O crânio é constituído por um osso esponjoso forte que se concentra mais na testa e na parte de trás do crânio. Simulações computadorizadas mostraram que 99,7% da energia gerada ao bicar o tronco de uma árvore é armazenada na forma de energia de tensão, a qual é distribuída por todo o corpo da ave. Isso significa que apenas uma pequena fração restante da energia vai para o cérebro.

O ato de bicar também faz com que o crânio do pica-pau se aqueça. Esse é um dos motivos pelos quais essa ave costuma bicar com breves intervalos, dando à cabeça algum tempo para esfriar.

Cabeça do Pica-Pau-Topete-Vermelho
Cabeça do Pica-Pau-Topete-Vermelho

Em milésimos de segundos antes de o bico tocar o tronco da árvore, uma membrana nictitante espessa se fecha, protegendo o olho dos detritos de madeira que voam. Essas membranas também impedem que a retina se rompa. As narinas também são protegidas com penas especiais que as cobrem. para cobri-los.

Para se ter uma noção, o impacto de 80 a 100 G (força de aceleração da gravidade) na cabeça de um ser humano pode causar uma concussão cerebral. Porém, os pica-paus conseguem suportar um impacto de aproximadamente 1.200 G sem ao menos ficar com dor de cabeça. Eles conseguem bicar o tronco de uma árvore até 22 vezes por segundo sem causar nenhuma lesão no cérebro.

Alimentação

Os pica-paus se alimentam basicamente de insetos e outros invertebrados que vivem sob a casca de madeira. Porém, há certa flexibilidade e oportunismo alimentar. A dieta dessas aves pode incluir larvas, formigas, cupins, besouros, lagartas, aranhas e outros artrópodes, ovos e filhotes de aves, pequenos roedores, lagartos, frutas, nozes e seiva.

Muitos insetos e suas larvas são retiradas de árvores vivas e mortas. Os pica-paus podem ouvir sons de dentro da madeira e descobrir se vale a pena fazer o buraco. Do ponto de vista ecológico, os pica-paus são bastante úteis para manter as árvores saudáveis, evitando que sofram infestações em massa.

Reprodução

Os membros de Picidae são tipicamente monogâmicos. Porém, já foram relatadas algumas poligamias em certas espécies. A poliandria, que é quando uma fêmea cria duas ninhadas com dois machos diferentes, também já foi relatada.

A construção do ninho, a incubação dos ovos e os cuidados parentais são feitos tanto pelo macho quanto pela fêmea. No entanto, na maioria das espécies, o macho faz a maior parte da escavação do ninho e incuba os ovos durante a noite.

Uma ninhada geralmente contém de dois a cinco ovos brancos redondos. Devido ao fato de essas aves nidificarem nas cavidades do tronco de árvores, os seus ovos não precisam de ser camuflados. Além disso, a cor branca ajuda os pais a enxergá-los com pouca luz.

Os ovos são incubados por 11 a 14 dias. Em seguida, leva cerca de 18 a 30 dias para que os filhotes estejam totalmente preparados e prontos para deixar o ninho.

Gostou desse artigo? Saiba que todos os dias aqui no blog você encontrará conteúdo atualizado sobre o mundo animal. Mas antes de voltar aqui (e chamar os seus amigos para aproveitar o conteúdo, não é mesmo?) dê sua opinião, sugestão ou exponha alguma dúvida logo abaixo, nós com certeza leremos todos os comentários e responderemos. Além disso, você pode receber artigos exclusivos no seu e-mail, é só se inscrever em um campo que fica à sua direita na tela.

Até a próxima!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *